Formação

Semana Santa e Diálogo

comshalom

Nos próximos dias, celebramos a Semana Santa e, em especial, o tríduo da instituição da Eucaristia na Última Ceia, a paixão e morte do senhor Jesus Cristo e sua gloriosa Ressurreição. Nos países de tradição cristã, estes dias convidam a todos para renovar a gratidão a Deus pelo mistério da salvação. As comunidades cristãs procuravam ao longo da Quaresma intensificar a oração, a penitência e o dever fraterno da caridade em preparação ao maior evento de nossa fé: a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte.

O fruto desta semana é, em primeiro lugar, de conversão pessoal, pedindo a Deus que perdoe nossas faltas e nos ajude a corrigi-las, para vivermos sempre mais o mandamento do amor, a "vida nova" que a Ressurreição de Cristo nos alcançou e nos concede. Há, também, um fruto a promover no nível da convivência fraterna, não só no âmbito familiar, mas nos relacionamentos na sociedade.

É necessário avançarmos em direção a um entendimento melhor no seio da sociedade. O espírito cristão de fraternidade e o relacionamento próprio de cidadãos devem nos levar a formas de diálogo mútuo e compreensão para obtenção conjunta das metas do bem comum. A justiça e a paz caminham juntas.

O que constatamos, no entanto, está bem distante dessa compreensão. No mundo inteiro, as tensões acabam gerando conflitos e ressentimentos que tornam mais difíceis a promoção da concórdia e do bem comum.

A Semana Santa nos convoca para um discernimento coletivo em busca de procedimentos e soluções adequadas. O importante é o aprendizado do diálogo, como capacidade de ouvirmos as posições, esclarecermos os pontos de divergência e encontrarmos os caminhos possíveis para o bem dos grupos e de todo povo. Não podemos perder o bom senso, a arte de conversar que alicerça a esperança de um relacionamento pacífico na base da justiça e do respeito recíproco.

Não é condizente com a convivência democrática o confronto entre grupos populares e as autoridades, que recorrem à polícia armada para conter excessos. Todos estamos de acordo que é preciso manter a ordem, mas o recurso à repressão impede o bom entendimento e pode acirrar os ânimos. Procuremos nos ajudar para, antes dos confrontos, empregar todos os esforços para que os grupos e os movimentos populares sejam acolhidos, ouvidos e atendidos na medida da justiça e suas propostas.

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *