Formação

Ser pobre é ser feliz!

comshalom

pobreza-espiritual“Bem-aventurados os pobres em espírito,
porque deles é o Reino dos Céus.”

“Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus.”

Trata-se de um dos textos mais famosos e, por isso mesmo, mais estudado ao longo das Sagradas Escrituras, por biblistas e exegetas. Faz parte do conjunto do insigne “Sermão da Montanha” mateano ou do “Sermão da Planície” lucano. Então, trata-se de um texto da tradição da “teoria das duas fontes”, isto é, de Mateus e de Lucas.

Conforme a tradução feita acima, da Bíblia de Jerusalém, sabemos que Lucas é mais rico em sentenças avulsas. Neste sentido, pode-se afirmar que a riqueza – contraste da pobreza e dos pobres – é substituição da confiança que se deve depositar em Deus. Por isso mesmo Mateus usa o termo “Reino dos Céus”, enquanto Lucas usa “Reino de Deus”.

Mateus trata de um caminho de fé, de seguimento; daí entendermos que a Lei não é Deus, mas de Deus. O seu objetivo ( = plenitude) é o Amor (Jesus Cristo). Com isso, ele sempre associa Amor à Lei, mas distingue uma coisa da outra. Com isso, dize-se que as bem-aventuranças são experiências vividas e não normas dadas. Elas são, como que um “resumo do Evangelho”, isto é, são situadas concretamente na vida de Jesus, de modo encarnado.

A pobreza aqui enfatizada quer implicar no uso dos bens. Ela está em reconhecer a grandeza de Jesus e a nossa pequenez. Aqui, ela está no seu sentido positivo: desapegada e livre; de tal sorte que dela podemos inferir que quem é possuidor não é livre. Na verdade, é-se possuído pelas coisas. Quando se é possuído se é livre para com os bens. E é disto que o texto fala.

E ser pobre é ser feliz. Este é o estado concreto de quem é independente. Independente de si e das coisas; mas que necessita tão somente de Deus mesmo. E isto se relaciona perfeitamente com a forma de escrita que se encontra em Mateus: um modo includente, assim como a sua comunidade. E isto se liga muito bem com Lucas, pois a sua preocupação é mostrar que Jesus é Deus desde o início.

São estes “felizes”, estes “bem-aventurados” que estão aptos para receberem o Reino. São eles os sinais perfeitos de contradição, pois, como ser “bem-aventurado” quando não se tem coisa alguma? Ora, só quem está na dependência de algo maior que o próprio ser é que consegue dizer-se beato, feliz, bem-aventurado. E isto explica a causa de Jesus dizer o motivo de serem “bem-aventurados”, usando os “porquês”: é-se pobre por o Reino ser seu.

E isto faz e mostra todo o sentido desta bem-aventurança ser a primeira: para se chegar ao Reino apresentado por Jesus, é necessário ser pobre. Pobre não no sentido hodierno – mas também neste – ser pobre, no fundo, é ser como Jesus: é viver do necessário; grato ao Pai pelo que tem, quando tem e se tem. Em tudo sabe ter não somente um coração de pobre, mas é-se pobre de fato, no sentido de despojado de si; tão despojado ao ponto de poder dar do que não tem, mas do que é: a si mesmo. Isto é o máximo da Lei: é o “Amar ao próximo como a si mesmo” sem medidas nem reservas. É ser concretamente, um verdadeiro discípulo de Jesus; é não dar coisas, mas dar a si mesmo, para nos alimentar, pois somos sempre lentos para pedir; mas Ele, que nos ama tanto, já o faz sempre e contando de antemão com a nossa infidelidade.

Porém, se Ele não faz isso, se contradiz e deixa de ser Deus, pois sua essência é dar de si, é amar, é ser Amor-doação. Daí o texto dirigir-se aos discípulos, primeiramente, e falar de uma pobreza de espírito, mas que é externada no concreto-material, do qual Ele mesmo é o exemplo.

“Em espírito” significa a plenitude do crescimento na identidade do que se busca como liberdade, como existência. É preciso pois, entendermos a palavra ‘espírito’ dentro do movimento de realização no aperfeiçoamento da aprendizagem para se tornar um “mestre artesão”. Quando um artista não é um artista por acaso, esporádica e aparentemente, mas sim total, completa e comprovadamente, costumamos dizer: ele é bom mesmo! O sentido de “mesmo” é mais ou menos o que quer dizer a expressão “em espírito”.

Enquanto Mateus fala de um modo “genérico”, sem direcionar a sua fala, Lucas se volta diretamente para aqueles que rodeavam a Jesus e aponta que são estes que estão com Ele que são os “bem-aventurados”. Mas o modo como Mateus escreve, salienta, por sua inclusão, justamente que o Reino dos Céus é para todos, enquanto Lucas enfatiza que o Reino de Deus é, primeiramente, para os que estão próximos de e a Jesus.

E Jesus é a Salvação, a começar pelo próprio nome – que faz toda a diferença para Mateus – que indica a sua função e esta é a prática das boas obras, mesmo sem saber que são [estão sendo] feitas. Mas este texto, que faz parte da assim chamada “alma do Evangelho”, se refere aos pobres; mas, quem é O Pobre por excelência, senão o próprio Jesus?!

“Pobreza” não indica um estado privativo de ser, nem um estado social, nem uma virtude-ornato de uma piedosa santidade, mas sim o vigor do ser, o qual busca-se de corpo e alma, como a riqueza suprema da nossa existência: é uma meta de perfeição. Perfeição é a ação que nos leva a sermos per-feitos, isto é, o que se faz, que se consumou “per”, através de um longo processo de árduo trabalho de conquista e está no ponto, no auge da sua identidade.

Essa busca não é para se mostrar, não é para se sentir melhor e mais autêntico, não é vivência de satisfação, não é nenhuma das realizações que cheiram a granfinagem ou burguesia espiritual, por mais sublimes e zelosas que elas sejam. É antes uma luta selvagem, assumida com gosto, uma luta “terra a terra”, a dentes e unhas, uma luta real e perigosa, na qual se arrisca a ter realidades-mestres que nos quebram o queixo. Só quem tem amor a essa maneira de lutar é bom mesmo na pobreza, isto é, é tido pelo espírito da pobreza, que é o próprio Jesus Cristo: pobre, humilde e crucificado. (Cf. Fl 2,6-8).

E é a esta busca que somos chamados diariamente, cada vez de novo, sempre novo, nas pequenas coisas, nas mais ordinárias possíveis, onde justamente aí o Reino dos Céus de Deus se nos abrirá; não somente em um sentido escatológico, mas já aqui e agora, no hoje da nossa vida.

 

Formação: Fevereiro/2011


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *