Formação

Tarde te amei, ó Beleza tão antiga e tão nova…

comshalom

A catequese de hoje está dedicada, ao tema fé e razão, que éum tema determinante, ou melhor, o tema determinante da biografia de SantoAgostinho. Desde criança, havia aprendido de sua mãe, Mônica, a fé católica.Mas sendo adolescente, havia abandonado esta fé porque já não conseguia ver suaracionalidade e não queria uma religião que não fosse expressão da razão, ouseja, da verdade. Sua sede de verdade era radical e o levou a afastar-se da fécatólica. Mas sua radicalidade era tal que não podia contentar-se comfilosofias que não chegassem à própria verdade, que não chegassem até Deus. E aum Deus que não fosse só uma hipótese última cosmológica, mas que fosse overdadeiro Deus, o Deus que dá a vida e que entra em nossa própria vida. Destemodo, todo o itinerário intelectual e espiritual de Santo Agostinho constituium modelo válido também hoje na relação entre fé e razão, tema não só parahomens crentes, mas para todo homem que busca a verdade, tema central para oequilíbrio e o destino de todo o ser humano.

Estas duas dimensões, fé e razão, não devem separar-se nemcontrapor-se, mas devem estar sempre unidas. Como escreveu Agostinho após suaconversão, fé e razão são “as forças que nos levam a conhecer” (ContraAcadêmicos, III 20, 43). Neste sentido, continuam sendo famosas suas duasfórmulas (Sermões, 43, 9) com as quais expressa esta síntese coerente entre fée razão: crede ut intelligas (“crê para compreender”) – crer abre o caminhopara cruzar a porta da verdade –, mas também e de maneira inseparável, intelligeut credas (“compreende para crer”), perscrutar a verdade para poder encontrar aDeus e crer.

As duas afirmações de Agostinho manifestam com eficácia eprofundidade a síntese deste problema, em que a Igreja Católica vê seu caminhomanifestado. Historicamente, esta síntese foi-se formando já antes da vinda deCristo, no encontro entre a fé judaica e o pensamento grego no judaísmohelênico. Sucessivamente, na história esta síntese foi retomada e desenvolvidapor muitos pensadores cristãos. A harmonia entre fé e razão significa sobretudoque Deus não está longe: não está longe de nossa razão, de nossa vida; estáperto de todo ser humano, perto de nosso coração e de nossa razão, se realmentenos colocamos a caminho.

Precisamente esta proximidade de Deus do homem foiexperimentada com extraordinária intensidade por Agostinho. A presença de Deusno homem é profunda e ao mesmo tempo misteriosa, mas pode reconhecer-se edescobrir-se na própria intimidade: não há que sair para fora – afirma oconvertido – “volte sobre ti mesmo. A verdade habita no homem interior. E seencontras que sua natureza é mutável, transcende-te a ti mesmo. Mas recorda aofazê-lo assim que transcendes uma alma que raciocina. Assim, pois, dirige-teali onde se acende a própria luz da razão” (De vera religione, 39, 72). Elemesmo sublinha em uma afirmação famosíssima do início das Confissões,autobiografia espiritual escrita em louvor de Deus: “Nos fizeste, Senhor, parati, e nosso coração está inquieto, até que descanse em ti” (I, 1,1).

A distância de Deus equivale, portanto, à distância de simesmos. “Porque tu – reconhece Agostinho (Confissões III, 6, 11) – estavasdentro de mim, mais interior que o mais íntimo meu e mais elevado que o maissupremo meu”, interior intimo meo et superior summo meo; até o ponto de que, emoutra passagem, recordando o tempo precedente a sua conversão, acrescenta: “Tuestavas, certamente, diante de mim, mas eu me havia afastado de mim mesmo e nãome encontrava” (Confissões V, 2, 2). Precisamente porque Agostinho viveu emprimeira pessoa este itinerário intelectual e espiritual, soube apresentá-lo emsuas obras com tanta proximidade, profundidade e sabedoria, reconhecendo emoutras duas famosas passagens das Confissões (IV, 4, 9 e 14, 22) que o homem é“um grande enigma” (magna quaestio) e “um grande abismo” (grande profundum),enigma e abismo que só Cristo ilumina e preenche. Isto é importante: quem estálonge de Deus também está longe de si mesmo, alienado de si mesmo, e só podeencontrar a si se se encontra com Deus. Deste modo, consegue chegar a seuverdadeiro eu, sua verdadeira identidade.

O ser humano, sublinha depois Agostinho no De civitate Dei(XIII, 27), é sociável por natureza mas anti-sociável por vício, e é salvo porCristo, único mediador entre Deus e a humanidade. Como único mediador dasalvação, Cristo é cabeça da Igreja e está unido misticamente a ela de modo queAgostinho afirma: “Nos convertemos em Cristo. De fato, se ele é a cabeça, nós somosseus membros, o homem total é Ele e nós” (In Iohannis evangelium tractatus, 21,8).

Na conclusão da carta apostólica Augustinum Hipponensem,João Paulo II quis perguntar ao próprio santo o que podia dizer aos homens dehoje e responde sobretudo com as palavras que Agostinho confiou em uma cartaditada pouco depois de sua conversão: “Me parece que se deve levar aos homens aesperança de encontrar a verdade” (Epistulae, 1,1); essa verdade que é Cristo,Deus verdadeiro, a quem se dirige uma das orações mais lindas e famosas dasConfissões (X, 27, 38): “Tarde te amei, ó Beleza tão antiga e tão nova, tardete amei! Estavas dentro de mim e eu estava fora, e aí te procurava. Eu,disforme, lançava-me sobre as belas formas das tuas criaturas. Estavas comigo eeu não estava contigo. Retinham-me longe de ti as tuas criaturas, que nãoexistiriam se em ti não existissem. Mas Tu me chamaste, clamaste e rompeste aminha surdez. Brilhaste, resplandeceste e curaste a minha cegueira. Espargistetua fragrância e, respirando-a, suspirei por ti. Tu me tocaste, e agora estouardendo no desejo de tua paz”.

Deste modo, Agostinho encontrou a Deus e durante toda a suavida fez sua experiência até o ponto de que esta realidade – que é antes detudo o encontro com uma Pessoa: Jesus – mudou sua vida, como muda a de todosque, homens e mulheres, em todo tempo, têm a graça de encontrar-se com Ele.Peçamos ao Senhor que nos dê esta graça e nos faça encontrar, assim, sua paz.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *