Notícias

Testemunha conta como São João Paulo II reagiu ao saber do ataque de 11 de setembro

Sua Santidade ficou pouco tempo na TV e foi logo para a Capela onde ficou longo tempo de oração.

comshalom

O 11 de setembro ficou marcado na história da humanidade, data do ataque terrorista aos Estados Unidos, quando quatro aeronaves comerciais  foram sequestradas e duas delas lançadas contra as Torres Gêmeas no World Trade Center, causando a morte de quase 3 mil pessoas. Naquela tarde, quem repassou a informação ao então Papa João Paulo II foi o diretor da Sala de Imprensa Joaquim Navarro-Valls.

“Lembro-me daquela tarde terrível como se fosse ontem. Liguei para o Papa, que estava em Castel Gandolfo; Eu dei a ele a notícia. Ele ficou chocado não apenas com a tragédia em si, mas também porque não sabia explicar como o homem poderia alcançar esse abismo do mal ”, disse o prelado ao site Vatican Insider, ainda em 2011. 

Navarro-Valls recorda que Sua Santidade logo recorreu à oração diante da tragédia. “Ele ficou pouco tempo em frente à TV. Em seguida, ele se retirou para a capela, que fica a apenas alguns passos da sala de TV. E ele permaneceu muito tempo em oração. Ele também queria entrar em contato com George Bush, para comunicar seu apoio, sua dor, sua oração. Mas não foi possível entrar em contato com o presidente, que, por motivos de segurança, voava no Força Aérea Um ”.

João Paulo II apressou-se em se solidarizar ao governo Americano e demais cidadãos, sendo  um dos primeiros Chefes de Estado a enviar um telegrama. “Apresso-me a exprimir ao senhor e aos seus concidadãos a minha profunda dor e a minha proximidade na oração pela nação neste momento sombrio e trágico”, escreveu o Papa.

No dia seguinte, o Papa dedicou o Ângelus a uma mensagem de esperança aos Americanos diante do ocorrido. “Com profunda simpatia dirijo-me ao querido povo dos Estados Unidos neste momento de angústia e consternação, em que a coragem de tantos homens e mulheres de boa vontade está a ser duramente testada. De uma maneira especial, estendo a mão para as famílias dos mortos e feridos e asseguro-lhes minha proximidade espiritual. Confio à misericórdia do Altíssimo as vítimas indefesas desta tragédia, por quem ofereci missa esta manhã, invocando sobre elas o descanso eterno”, dizia um trecho da mensagem.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *