Formação

Tratado a Verdadeira Devoção a Nossa Senhora

comshalom

<!– /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Verdana; panose-1:2 11 6 4 3 5 4 4 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:536871559 0 0 0 415 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}p {mso-margin-top-alt:auto; margin-right:0cm; mso-margin-bottom-alt:auto; margin-left:0cm; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}span.apple-converted-space {mso-style-name:apple-converted-space;}span.tx-psmhighlight-sword-3 {mso-style-name:tx-psmhighlight-sword-3;}@page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

A leitura deste livro fez com que eu mudasse aminha vida de forma radical e definitiva. Apesar disto, meu caminho interiorfoi longo, coincidindo com a preparação clandestina ao sacerdócio que euvivenciava. Na ocasião, este tratado singular caiu em minhas mãos. Não se tratade um simples livro que se lê, apenas, e basta. Eu o levava sempre comigo,mesmo quando ia à fábrica de soda, se bem que a bela capa já estivesse manchadade cal. Eu lia e relia, sem cessar, e, sucessivamente, certas passagens. Logo percebique, além da sua forma barroca, o livro apresentava algo de fundamental.

A partir de então,a devoção que, outrora eu dedicava à Mãe de Jesus, tanto na infância quanto naadolescência, deixou lugar a uma nova atitude de minha parte, transformando-senuma devoção vinda da mais profunda fé, como sendo o próprio cerne da realidadeTrinitária e Cristológica. Antes, eu me mantinha retraído, temendo que adevoção mariana pudesse se avultar, em detrimento do amor a Cristo Jesus, emvez de ceder-lhe o merecido lugar; compreendi, então, à luz do tratado de Grignon de Montfort, que a realidade erabem outra. Nossa relação interior com a Mãe de Deus resulta, de forma orgânica,de nosso elo com o mistério de Cristo. Não existe a menor hipótese de que oamor que dedicamos à Virgem supere nosso amor a Deus. (..) Podemos até afirmarque, àquele que procura conhecer e amar a Deus, o próprio Cristo designa suaSanta Mãe, como caminho e intercessora, como fez no Calvário, oferecendo-a aseu discípulo, João.”


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *