Formação

Uma nova força política: católicos e/ou evangélicos?

comshalom

Após as eleições do dia 3 de outubro, foram inúmeros os órgãos de informação do país que se perguntaram o que havia acontecida com a candidata Dilma, ao não vencer no primeiro turno um pleito que, para algumas pesquisas de opinião pública, parecia já decidido.

Entre as muitas respostas, uma delas me chamou a atenção: os responsáveis por essa inversão de rota seriam os cristãos. Mas, mais do que com os católicos, eles se identificavam com os evangélicos. Por sua vez, o nó da discórdia era o aborto, cuja descriminalização a candidata teria defendido.

Jornalistas, sociólogos e políticos de todo o país se posicionaram a respeito, reclamando porque dogmas religiosos estavam interferindo nas decisões soberanas de uma nação que, já se cansou de repetir, só pode e dever ser laica: como é possível que, em pleno século XXI, os cristãos queiram impor suas diretrizes a milhões de pessoas que não partilham de suas convicções?

A resposta é muito simples, pelo menos para quem se deixa guiar pelo bom senso. Uma coisa é a religião, que seus adeptos acreditam provir de uma “revelação” divina, e outra é a ética, cuja origem é a lei natural, ou seja, a ordem que brota da natureza e da finalidade das coisas.

Que nenhuma religião possa impor suas crenças à população em geral, todos têm como dado adquirido e pacífico. Assim, ninguém pode ser preso por não acreditar em Deus, até mesmo porque ele deixou as coisas num lusco-fusco tal, que sua existência pode ser simultaneamente entrevista por uns e desconhecida por outros. A mesma coisa vale para a Trindade e a Encarnação e Ressurreição de Jesus, para só citar alguns dos mistérios cristãos.

Coisa muito diferente é a ética, que nasce da própria constituição do ser humano e de sua presença no mundo. Nesse caso, há posições e atitudes que edificam a sua dignidade e outras que a danificam. Uma destas é o aborto: tudo o que prejudica ou violenta a vida é crime. Outra é o homossexualismo e, naturalmente, o “casamento” gay: não é preciso ser especialista em antropologia ou biologia para verificar o que a natureza do relacionamento sexual atesta. Quem se opõe a isso, não o faz porque é cristão, muçulmano ou sem religião, mas simplesmente porque é um ser humano dotado de razão.

Contudo, a luta contra o aborto não passa de hipocrisia se não for acompanhado por igual empenho na luta contra a mortalidade infantil e a pedofilia e na defesa de todos os valores que promovem a vida, como a saúde, a educação, a moradia, o emprego, numa palavra: a justiça social. E a rejeição ao “casamento gay” é inócua se o homem e a mulher não conseguem demonstrar a beleza e a grandeza de um matrimônio onde ambos se enriquecem porque dotados de sexo, sentimentos e mentalidade diferentes e complementares.

Não sei se é porque os católicos, em sua longa história, aprenderam a conviver com as diferenças ou a ficar em cima do muro, alguns estudiosos, em suas análises políticas, preferem investir contra os evangélicos. Essa é a impressão que deu Maria das Dores Campos Machado, em entrevista concedida no dia 7 de outubro: «A pressão de setores religiosos – principalmente evangélicos – sobre uma definição contra o aborto da presidenciável Dilma Rousseff não tem motivação religiosa, mas é uma luta pela conquista do poder». Conceito idêntico foi emitido por Marta Salomon, no dia 8, em artigo aparecido no “Estado de São Paulo”: «Com o ataque à descriminalização do aborto e ao casamento gay como bandeiras, a bancada evangélica aumentou sua participação no Congresso Nacional em quase 50%».

Mas não foram apenas analistas, sociólogos e jornalistas que descobriram a força dos evangélicos na sociedade brasileira. A própria Dilma Rousseff deu a impressão de que era para eles que falava na autodefesa que publicou no dia 15 de outubro: «Dirijo-me a vocês com o carinho e o respeito que merecem os que sonham com um Brasil cada vez mais perto da premissa do Evangelho de desejar ao próximo o que queremos para nós mesmos. Sou pessoalmente contra o aborto e defendo a manutenção da legislação atual sobre o assunto».


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *