Formação

Vida mariana

comshalom

Frei Gabriel de Santa Maria Madalena

O grande lugar que Maria, em qualidade de Mãe, ocupa na obra da santificação dos fiéis justifica plenamente o desejo de intimidade com ela. Como gosta o bom filho de estar com a Mãe, assim vive feliz o cristão com Maria e se serve dos menores meios para manter viva a sua lembrança. Procura, por exemplo, ter sob os olhos sua imagem, habituando-se a saudá-la amorosamente todas as vezes que a vê. Mas com olhar de fé vai além das imagens, até Maria que vive na glória e por meio da visão beatífica o vê, segue-o, conhece todas as suas necessidades, socorre-o com materno auxílio. (…)
Sem dúvida, é-nos impossível trazer na mente e no coração a doce figura de Maria, sem nos sentir movidos ao seu amor, sem experimentar a necessidade de lho demonstrar, procurando dar-lhe prazer e viver como verdadeiros filhos seus. Desse modo a vida “mariana”, isto é, a vida de intimidade com Maria pode penetrar toda a nossa vida “cristã” e conduzir-nos a maior fidelidade no cumprimento dos deveres, porque nada pode agradar mais à divina Mãe do que ver os filhos cumprirem com amor a vontade do seu Jesus.

Por outro lado, a vida cristã vivida assim sob o olhar materno de Maria adquire aquela especial ternura e suavidade que nascem da companhia contínua da Mãe dulcíssima que rodeia de atenções os que a amam e a ela, confiantes, recorrem.

A verdadeira devoção a Nossa Senhora “não consiste… em estéril e passageiro sentimento… mas procede da fé verdadeira, pela qual… somos impelidos ao filial amor para com nossa Mãe e à imitação de suas virtudes” (LG 67). A imitação de Maria é justamente um dos principais aspectos da vida mariana.

Só Jesus é o “caminho” que conduz ao Pai, e nosso único modelo; porém, quem mais que Maria é semelhante a Jesus? Quem mais que Maria pode dizer que tem em si os mesmos sentimentos de Cristo? “Ó Senhora – exclama São Bernardo –, Deus habita em vós e vós nele… com a substância de vossa carne o revestis, e ele vos reveste com a glória de sua majestade” (De duod. praerog. 6). Habitando no seio puríssimo da Virgem, Jesus a revestiu de si, tornou-a participante de suas perfeições, infundiu nela seus sentimentos, desejos, afetos e vontades. Maria, por sua vez, abandonou-se inteiramente a ele e foi totalmente transformada nele, de tal modo que se tornou sua mais fiel cópia. “Maria – canta a Liturgia antiga – é imagem perfeitíssima de Cristo, pintada ao vivo pelo Espírito Santo”. O Espírito Santo, que é o Espírito de Jesus, ao tomar plena posse da alma puríssima e dulcíssima de Maria, nela esculpiu, do modo mais perfeito e delicado, todos os traços, todas as características da alma de Cristo, pelo que bem podemos dizer que imitar Maria é imitar Jesus. Justamente por isso a Igreja a escolhe e a propõe como modelo.

Assim como não amamos Maria por si mesma e, sim, em relação a Cristo, de quem é Mãe, assim também não a imitamos por si mesma, e sim, em relação a Cristo, de quem é a mais fiel imagem. Jesus é o único caminho para o Pai, e Maria é o caminho mais seguro e fácil para chegarmos a Jesus. Encarnando em si as perfeições do Pai, tornou Jesus possível a imitação de Deus; e Maria, tendo copiado em si as perfeições de Jesus, tornou-as mais acessíveis e as pôs mais ao alcance dos homens. Por outro lado, ninguém mais que ela pode dizer: “Sede meus imitadores, como eu o sou de Cristo” (1Cor 11,1). Como Jesus veio a nós por meio de Maria, assim é justo que os fiéis vão a Jesus por meio dela.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *