Formação

Violência

comshalom

 Dom Benedicto de Ulhôa Vieira

Nãohouve nesta cidade uma única pessoa que se não tenha assustado esentido atingida, ao saber da morte crudelíssima da jovemuniversitária, quase médica, Virlânea Augusta. Cabe à Polícia descobrire prender o desalmado assassino, que não só tirou a vida da jovem, mascarregou-a de peso para que seu corpo não viesse boiar na superfície doRio Grande.

Maldade?Ciúmes? Vingança? Nesta hora todos felizmente começam a compreender ovalor de uma vida humana, seja desenvolvida e sadia, como no caso dajovem universitária, seja de um novo ser que ainda não veio à luz,aguardando o momento de nascer.

Maisdistante de nós, todos acompanhamos pelo noticiário, o trágicoseqüestro de uma jovem de quinze anos por um tresloucado ex-namoradoque queria vingar-se da separação amorosa. Para os que somosultra-maduros e nos julgamos experientes, assusta-nos que a jovenzinhajá tivesse começado a namorar com doze anos! Quase teríamos a coragemde dizer que, ao invés de um namorado aos doze anos, deveria brincarainda de boneca. Mas isto pensamos nós, ultrapassados, fora de moda.Hoje tudo é visto como “normal”…

Há, na vida hodierna, uma onda inaceitável de violência, com que se quer resolver pendências de amor ou pretender “brincar”de tirar a vida, como aqueles jovens riquinhos e levianos que, algumtempo atrás, puseram fogo no índio, que dormia à noite no banco dojardim. Lembram-se?

Éinaceitável num mundo, que se presume civilizado, apelar para aviolência para resolver pendências políticas, amorosas, econômicas ououtras. Não é com revólver e marretadas que se resolvem as dificuldadespolíticas, amorosas ou quaisquer outras.

Naminha convivência com os universitários em São Paulo e, mais tarde aquicom os seminaristas, saíamos à noite, algumas vezes, para levar umpequeno lanche e café aos que dormiam nas calçadas ou sob os abrigos deprédios. Era para lhes inculcar na alma – dos universitários e futurospadres – que o amor real é que constrói, não o revolver e a violência.

Aviolência crua e nua só pode trazer dor e sofrimento. Não é comrevólver e cacetadas que se constrói a vida social e se resolvem aspendências, mas com o que o Evangelho nos ensina. Até quando teremos dechorar as mortes e os crimes na nossa cidade nestes tempos? Fomoscriados para o amor, não para a violência. É só lembrar que a Escrituradefine Deus como sendo, simplesmente Amor (1ª Jo 4,8).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *