Formação

Vou ver o Papa

comshalom

Todos os dias o Papa Bento XVI aparece na televisão. Os noticiários disputam apresentar o que ele vai comer e o que vai beber, a cama e os lençóis que vai usar. Não escapam nem as taças e os pratos. Espero que de tanto comer os doces tradicionais, as comidas típicas e de tanto experimentar os vinhos latino-americanos, ou mesmo brasileiros, não passe mal. A mídia reconhece que é um homem simples. Graças a Deus. De outra forma era mesmo para ficarmos preocupados.

Pessoalmente não estou muito interessado no cardápio do Papa. Prefiro pensar no que vai dizer e fazer. Prefiro entender o que ele representa e a verdadeira razão da sua vinda ao Brasil. Ele vem para trabalhar e não para passear, vem em missão e não para se lambuzar. Ninguém é de ferro, é verdade, mas, no caso do Papa, certos detalhes estão mais para fofoca de salão do que para notícia.

É muito mais fácil para os noticiários falar sobre o que o Papa gosta de comer e de beber do que falar daquilo que ele ensina e que, às vezes, repete e insiste, sem que as suas palavras recebam a atenção que mereceriam. Sinceramente, não sei se as notícias, que estão sendo veiculadas sobre o Papa, estão ajudando ou atrapalhando. Ele deve estar consciente de que pode ser trocado por uma figura folclórica, um super-homem ou um anjo caído do céu.

O Papa não precisa disso, muito pelo contrário. Ele precisa ser ouvido, entendido, quando fala de paz, de justiça, quando convida os jovens a seguir a Jesus, sem medo de arriscar as suas vidas, porque vale a pena servir ao Senhor e aos pobres com amor e por amor. É muito mais fácil reduzir o Papa a um bom velhinho de cabelos brancos, que refletir sobre o esforço sobre-humano que ele faz para chamar a atenção sobre assuntos gravíssimos e polêmicos como o valor da vida, o perigo do aborto, a tristeza dos casamentos desmanchados, a exploração das crianças e das mulheres, a fome e a violência no mundo. Este Papa, também, insiste muito sobre o uso da inteligência humana, porque somos seres pensantes e enaltecemos a nossa natureza quando sabemos usar essa prerrogativa. Por que temos preguiça de refletir e deixamos que outros pensem por nós?

Alguns dizem que, como cristãos e católicos, deveríamos defender mais o Papa. Não para fazer uma cruzada pontifícia, mas para que sejam mais honestos os que exploram a popularidade dele para aumentar a audiência das suas emissoras. Deveríamos reclamar e exigir desses canais que passem sempre “objetivamente” as palavras dele e não somente quando alguém as contesta ou simplesmente pensa diferente. Essas pessoas têm todo direito de ter as suas convicções, mas depois não peguem carona com a popularidade de Bento XVI. É incoerência. Se a mensagem que ele teima em anunciar é tão fora de moda, é tão duvidosa, por que todo esse interesse?

Vamos precisar ter paciência. Daqui a alguns dias saberemos quem vai querer ver o Papa porque acredita na missão dele e quem só vai atrás do barulho. Quando se apagarem as luzes do evento, saberemos o que vai ficar mesmo nos nossos corações, na memória do povo de Campo de Marte e de Aparecida, nos olhos dos jovens do Pacaembu. Tenho certeza que muitos continuarão a cantar: Bento, bendito que vem em nome do Senhor. Bem-vindo, bem-vindo! Nosso povo te acolhe com amor.

Dom Pedro José Conti,
Bispo de Macapá (AP)

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *