Formação

A alegria de ser servo de Deus e dos irmãos

As três leituras deste domingo nos pedem que sejamos pessoas mais contemplativas e mais ativas, dinâmicas no anúncio do Evangelho.

comshalom

Celebramos há poucos dias a Exaltação da Santa Cruz, uma festa que nos obriga a parar um pouco e contemplar a cruz de Jesus, de onde vem a nossa salvação. Às vezes para manifestar a alegria da ressurreição de Jesus queremos eliminar a cruz da nossa vida buscando sempre mais viver sem dor, sem preocupações, sem conflitos, fugindo de Deus e de nós mesmos. Ou pior ainda, nos drogamos com paliativos de droga que geram dependência em nós, como aparente bem-estar social e pessoal, tentando roubar momentos de felicidade, que depois, em outros momentos, se fazem amargos e irresponsáveis. Redescobri o sentido da cruz não como algo doloroso, mas como caminho de vida, como diz a santa carmelita mártir do terror do nazismo Edith Stein, a ciência da cruz. Esta é a ciência que abre o caminho da verdadeira sabedoria já anunciada nos livros sagrados e amada por todos os santos. Ontem celebramos a Virgem Maria mãe das dores, ela que é mestra da ciência escondida na dor, que liberta os nossos corações de todas as amarguras. Um exercício saudável que podemos fazer todos os dias: contemplar o crucifixo e nele silenciosamente receberemos lições de amor e de paz. Nada mais importante para curar nossas feridas pessoais e comunitárias do que o remédio que nos vem da cruz: o perdão, a misericórdia e o amor. Quais são ou qual é a cruz deste momento na sua vida? Procure contemplar em silêncio com amor e repetir a jaculatória antiga: “da cruz vem a nossa salvação. ” Cruz santa, nossa esperança…. Carreguemos com alegria a cruz que somos nós mesmos, não sejamos cruz para os outros, e ajudemos, como bom Cireneu, os outros a carregarem a cruz.

Quem me acusa se aproxime


O trecho do cântico do servo sofredor de Javé é um cântico não de dor, mas de esperança que nasce da tranquilidade e da paz, da consciência de ter agido buscando a vontade de Deus, e tendo escutado a sua Palavra. O servo escuta e agradece a Deus por ter lhe dado um ouvido de discípulo, com o qual todos os dias pode escutar a Palavra que lhe é dirigida e transmiti-la com fidelidade aos outros. Esta é a missão do profeta: escutar, compreender e transmitir a mensagem de Deus aos que vivem com ele para que seja observada. A Palavra de Deus sempre nos conforta e nos desestabiliza e muda os nossos projetos. Quem vive a Palavra de Deus é normal que encontre resistência no mundo, que seja acusado, que não seja aceito. Em todas as dificuldades o servo do Senhor é assistido e protegido pelo mesmo Senhor, não necessita de advogados que o defendam, o seu advogado é o Senhor. Aliás, o servo é tão corajoso, que com uma série de perguntas, ainda chama os seus acusadores: ‘Quem decidirá brigar comigo? Quem me acusa? Que venha! ’ Uma das características dos profetas, dos servos de Deus é não ter medo, sabem que Deus os defenderá.

Palavra, anúncio e vida não podem ser separados


Neste domingo nos acompanha na segunda leitura o amigo apóstolo Tiago. Sabemos que suas palavras não são doces e nem ambíguas. Eu gosto de chamar Tiago de ‘Amós do Novo Testamento’, pois ele não tem papos na língua e fala com dureza contra um divórcio sempre atual entre Palavra, anúncio e vida. Não pode existir uma falsidade, deve existir comunhão e vivência. Para que serve falar de fé, anunciar Jesus se depois a nossa vida desmente tudo porque é uma vida incoerente? Palavras bonitas de compreensão, de amor e de ternura não diminuem o frio nem alimentam quem tem fome. Tiago sintetiza tudo isso com uma frase curta, mas que nos coloca em crise: que adianta alguém dizer que tem fé, quando não a põe em prática? Necessitamos fazer nascer um novo Cristianismo, um Cristianismo em saída, como define o Papa Francisco, ir ao encontro, buscar nas periferias existenciais os que se encontram nas favelas interiores e materiais, que têm medo de assentar no varal as próprias feridas. Precisamos abrir não só o coração aos que sofrem, mas também a casa e a carteira para tirar algum dinheiro e doá-lo a quem não tem nada.

Quem é Jesus? Só vendo as suas obras


As três leituras deste domingo nos pedem que sejamos pessoas mais contemplativas e mais ativas, dinâmicas no anúncio do Evangelho. Precisamos deixar de lado a frase que às vezes ainda escutamos: ‘eu rezo e você trabalha…’ As duas coisas andam juntas e sempre juntas. A cruz deve ser carregada tanto para quem reza quanto para quem anuncia o Evangelho. Como se reconhece Jesus? Só olhando a sua vida, uma vida de intimidade com o Pai, com a Palavra do Pai, sempre disponível e em sintonia com a finalidade, porque se fez carne e veio habitar entre nós. Pedro conhece o aspecto espiritual messiânico de Jesus: “Tu és o Messias, tu és aquele que esperávamos, tu és o Cristo…” Mas Pedro não consegue aceitar que Jesus deve sofrer e caminhar para a morte e tenta dissuadi-lo, mas recebe uma resposta dura: “Vai para longe de mim, Satanás! ” Como reconhecer Jesus? Contemplando a harmonia de sua vida. Nele não há divórcio entre o que diz, o que anuncia e o que vive. Essa maravilhosa comunhão e harmonia nos convida a rever à nossa maneira de agir. A Igreja em saída se desinstala de suas seguranças humanas, econômicas, sociais e corre para agir nos limites do mundo obscuro, onde muitos irmãos e irmãs por medo se refugiam à espera que alguém lhe anuncie esperança e alegria. Nesta luz compreendemos algo muito importante: todos os santos eram pessoas de oração e sentiram a necessidade de iniciar obras de caridade, como escolas, hospitais, casas de repouso para pessoas idosas…. Tudo isto é a fé que se faz ação e vida concreta…. Rezemos muito para agir muito.

Oração


Perdoa-me, Senhor, se tenho medo de não ser compreendido, de ser colocado à margem.
Perdoa-me se prefiro muitas vezes rezar a ir visitar os dentes, pessoas solitárias que choram e
não têm ninguém que as console. Perdoa-me se às vezes prefiro ir pelas estradas sem fazer nada
em vez de rezar.

Senhor, dai-me equilíbrio para unir fé, anúncio e vida, sem divórcio, mas em harmonia.

Que Maria, aquela que visita e que reza, nos ajude a fazer as duas coisas.

 Amém!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *