Formação

A Autoridade do Papa fica de pé

comshalom

O episódio ocorrido na noite de Natal deste ano na Basílica de SãoPedro em Roma é, de certa forma, um símbolo dos tempos atuais. O Papa,Vigário de Nosso Senhor Jesus Cristo na Terra, cai. A mitra, símbolo desua autoridade, rola no chão. A férula, que representa a sua missão depastor universal, é derrubada pelo homem moderno, desorientado, confusoe como que fora-de-si. Louca ou não, a jovem de 25 anos que provocou oincidente bem representa o mundo de hoje, que joga por terra aautoridade e as palavras do Romano Pontífice, que, na expressão dagrande Santa Catarina de Siena, é «o doce Cristo na Terra». A jovem élouca? Não sei. Mas sei que o é, e muito, o mundo que rejeita Deus e oseu Cristo para abraçar o vazio e caminhar nas trevas.

Bento XVI se ergue rápido e continua seu caminho. Celebra a SantaMissa, que é o que há de mais sublime sobre a face da Terra, rende overdadeiro culto a Deus e conserva-se em seu lugar, como pastorcolocado à frente do rebanho pelo Pastor Eterno, bispo e guarda denossas almas (cf. IPd 2,25). Na homilia, o Santo Padre cita a regra deSão Bento. Hoje, Bento, aquele de Núrsia, fala pela boca de Bento, oPapa: «Nihil Deo praeponere» – nada antepor a Deus. É a este nossomundo que Bento XVI dirige essas palavras carregadas de verdade. É aesta nossa cultura agnóstica, relativista, pragmática, corrupta,materialista e niilista que o Papa exorta. Cultura que, nas palavras dealguns, se gaba de ser «pós-moderna»… Cultura que rejeita cultivar averdade… Cultura que há tanto deixou de ser cultura…

«Nada antepor a Deus». Bento XVI já havia dito aos bispos da Igreja:«No nosso tempo em que a fé, em vastas zonas da terra, corre o perigode apagar-se como uma chama que já não recebe alimento, a prioridadeque está acima de todas é tornar Deus presente neste mundo e abrir aoshomens o acesso a Deus… Conduzir os homens para Deus, para o Deus quefala na Bíblia: tal é a prioridade suprema e fundamental da Igreja e doSucessor de Pedro neste tempo» (Carta aos bispos, 10 de março de 2009).

Depois da queda, o Papa se coloca de pé e age como se nada tivesseacontecido. Assim tem sido seu pontificado: muitas vezes incompreendidopelos homens, inclusive católicos – e por que não dizer: sobretudocatólicos? -, Bento XVI não desiste de levar a cabo sua missão, comoCristo a caminho do Calvário, a fim de oferecer a Deus a consciênciapura do dever cumprido. Como se nada acontecesse, como seincompreensões, ultrajes e rebeliões, ainda que disfarçadas esilenciosas, não existissem; como se o desprezo a Cristo não lheferisse o coração; como se a recusa de Deus não lhe contristasse aalma, Bento XVI se dirige ao altar da Cruz. Está apoiado na esperançaque não decepciona.

Se a autoridade do Sucessor de São Pedro é jogada no chão peloshomens atuais, isso não significa que ela tenha caído do lugar que lhereservou Deus. Cristo também caiu – e por três vezes -, mas está de pé.Traz, sim, as marcas da paixão, mas está de pé para sempre: “Vi umCordeiro de pé, como que imolado” (Ap 5,6). O Papa está de pé, e comele a Igreja que lhe foi confiada, e assim ficará até a vinda gloriosade Nosso Senhor, que disse: «Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificareia minha Igreja. As portas do inferno nunca prevalecerão contra ela» (Mt16, 18). «Non praevalebunt» – as forças negativas do mal, ainda quedeixem certas marcas, nunca hão de vencer o Bem, que é Deus. E é Deusquem sustenta na Terra a sua Igreja e o Papa que colocou à frente dorebanho de Cristo!

Padre Elílio de Faria Matos Júnior
Presbítero da Igreja Católica Apostólica Romana, incardinado naArquidiocese de Juiz de Fora. Atualmente, mestrando em Filosofia pelaFAJE (Belo Horizonte).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *