Parresia

A criação do homem

Se quisermos conhecer a antropologia cristã, não podemos nos abster do encontro com a Sagrada Escritura. Desejamos nestes dois primeiros artigos tratar do homem à luz dos capítulos 1 à 3 do livro do Gênesis, para encontrar alguns elementos fundamentais, e imutáveis, a respeito do homem.

Sabemos que os dois primeiros capítulos do Gênesis tratam, com duas tradições diferentes – uma tradição mais recente presente em Gn 1,1-2,4, e uma mais antiga, retratada em Gn 2,4-25[1] –, da criação do homem. Uma análise atenta ao processo criador de Gn 1 nos faz perceber que Deus constrói, passo a passo, um ambiente no qual o homem possa habitar: primeiramente há um processo de separação[2]; em seguida, a criação dos seres, que vai como que em um caminho progressivo, do inanimado (luzeiros do céu vv. 14-19) àqueles dotados de uma animação sempre mais marcada – vegetais, animais –, culminando na criação do homem. Poderíamos resumir este processo criador, segundo os dias da criação, da seguinte forma:

1°- a luz é separada das trevas (vv. 3-5)

2° – as águas superiores são separadas das águas inferiores (vv. 6-8).

3° – o mar separado da terra seca (vv.9-10); a vegetação aparece sobre a terra (vv. 11-13).

4° – são criados os luzeiros no céu (vv. 14-19).

5° – são criados os animais nas águas e no céu (vv. 20-23)

6° – são criados os animais terrestres (vv. 24-25); o homem é criado (vv. 26-31)[3].

Este esquema nos ajuda a constatar a particular colocação do homem no complexo da ação criadora de Deus. Todavia, neste capítulo temos mais alguns elementos importantes a serem analisados.

Em Gn 1,26 vemos que o homem é o único “ente” a ser criado à imagem e segundo a semelhança de Deus[4]. O fato de ser imagem, indica que pode entrar em diálogo com Deus, e que não pode subsistir independentemente daquele a quem deve exprimir. Em outras palavras, por ser imagem, o homem deve «voltar-se para aquele cujos traços reflete»[5]. Por conseguinte, todo atentado contra o homem é, de certo modo, uma ação contra o desígnio do Deus criador e o homicídio é um crime contra a imagem de Deus (cf. Gn 9,6). Um grande biblista Italiano, Gianfranco Ravasi, faz um comentário que sintetiza o binômio “imagem-semelhança”, trazendo luz para uma melhor compreensão de quem seja o homem aos olhos divinos. Assim afirma:

«Em hebraico o primeiro termo alude à uma estátua e sublinha a profunda conexão com o objeto representado; o segundo, por sua vez, exclui a identidade total. O homem é como Deus, mas não é Deus. Por conseguinte, a via privilegiada para conhecer a Deus é o homem; é a sua representação mais semelhante»[6].

Como forma de enfatizar ainda mais a particularidade do homem no âmbito da criação, o v. 26 conclui dizendo: «que eles dominem sobre os peixes do mar, as aves do céu, os animais domésticos, todas as feras e todos os répteis que rastejam sobre a terra». Ou seja, todo o criado foi destinado a ser submetido àqueles nos quais foi impressa, de modo particular, a imagem divina. Poderíamos dizer que é exatamente por graça da imagem divina, e por conseguinte, de sua vocação particular, que tudo lhe foi submetido.

Um outro elemento importante pode ser percebido no v. 27, trata-se de um verbo hebraico br. Este verbo, que indica o ato criador – comumente traduzido por criar –, é bem específico e possui ao menos três características que lhe atribuem um forte sentido teológico:

1 – só Deus é o sujeito de tal verbo;

2 – o resultado desta ação é algo novo e extraordinário;

3 – Deus age, neste verbo, sem nenhuma mediação[7].

Se observarmos o texto hebraico do Gênesis perceberemos que no ato criador, descrito em Gn 1,27, por três vezes aparece o verbo br. Tal insistência também está a indicar a particularidade do homem, que foi criado, em um mesmo ato – segundo Gn 1 –, como homem e mulher. Como que para coroar a ação criadora realizada neste sexto dia, o Senhor não somente repete a sua admiração como antes – dizendo: “é bom” –, mas desta vez diz que «é muito bom» (Gn 1,31). O termo hebraico aqui subjacente – comumente traduzido por bom – é tôb, que indica não somente algo bom, mas também belo, nobre[8]… sendo assim, a partir da contemplação divina da criação, realizada ao final do sexto dia, compreendemos que o homem, de certo modo, dá beleza, nobreza e mesmo bondade à toda obra criadora.

Apesar da brevidade do artigo, podemos concluir dizendo que estes elementos apresentados nos permitem intuir a grandeza do homem e de sua vocação diante de Deus; o Senhor o coloca como ápce da criação, lhe prepara um ambiente, cria-o com um verbo hebraico cujo resultado é uma obra maravilhosa e, para completar, o Senhor mesmo dá a sua percepção da criação dizendo: «é muito bom!». Através do homem, algo de muito bom foi introduzido na criação; nele a criação é como que coroada. Pela riqueza contida nas palavras de Deus: «é muito bom!», podemos tocar algo da alegria divina, presente em seu ato ao criar alguém que é «sua imagem e segundo a sua semelhança».

Por Elton Alves
Teólogo, Consagrado na Comunidade de Vida Shalom

[1] Tradição Sacerdotal e Javista; para o estudo e aprofundamento destas tradições ver: F. García López, O Pentateuco, Editora Ave-Maria, São Paulo 2006.
[2] Termo bem característico da teologia sacerdotal.
[3] P. Grelot, Homem quem és?, Editora Paulinas, São Paulo 1980, 42.
[4] Gn 1,26: «Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem, como nossa semelhança, e que eles dominem sobre os peixes do mar, as aves do céu, os animais domésticos, todas as feras e todos os répteis que rastejam sobre a terra”».
[5] P. Grelot, Homem quem és?, 43.
[6] G. Ravasi,  El libro del Génesis (1-11), Editorial Herder, Barcelona 1992, 50.
[7] Cf. G. Trenker, «Creazione» in Bauer J. B., Dizionario di teologia biblica, Morcelliana, Brescia 1969, 321.
[8] Cf. L. Alonso Schökel, «טוֹב», in Dizionario di ebraico biblico, San Paolo, Cinisello Balsamo 2013, 311.

Todos os Artigos

Este conteúdo está sendo disponibilizado pelo Instituto Parresia. Um grupo aberto de trabalho está aprofundando o tema desta série de artigos, na perspectiva do Carisma Shalom. Clique aqui para obter mais informações sobre nossas atividades e formas de contato.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *