Formação

A divisão entre as Igrejas e o povo de Deus.

comshalom

A divisão entre religiões as Igrejas e o povo de Deus
A divisão de religiões, “Igrejas” é algo muito antigo, desde o 1º século antes de Cristo, as pessoas já se dividiam na fé. O que gerou essa divisão entre as pessoas no passado e continua gerando até hoje é o pecado.
No ciclo de catequese sobre a Igreja, o Papa Francisco diz, “ em uma comunidade cristã, a divisão é um dos pecados mais graves, porque a torna sinal não da obra de Deus, mas da obra do diabo, que é por definição aquele que separa que arruína as relações, que insinua preconceitos.”
O santo padre fala inda que, “ as divisões entre os cristãos, em quanto ferem a Igreja, ferem também a Cristo, e nós divididos fazemos uma ferida em Cristo: a Igreja, de fato, é o corpo do qual Cristo é a cabeça. Sabemos bem quanto esteve no coração de Jesus que seus discípulos permanecessem unidos no seu amor.” Afirma Francisco.
De acordo com Papa Francisco, há divisão das pessoas é uma dor para Cristo. E as razões para tal divisão são diversas, como as divergências entre princípios dogmáticos e morais e concepções teológicas e pastorais diferentes. “O certo, é que, de um modo ou de outro, por trás destas lacerações, há sempre a soberba e o egoísmo, que são a causa de todo desacordo e que nos torna intolerantes, incapazes de escutar e aceitar que há uma visão ou uma posição diferente da nossa”, explica Francisco
A divisão causa uma lacuna no corpo e no coração do home e da Igreja, colocando barreiras e impedindo a paz de chegar ao outro, a divisão separa o povo. Deus não criou varias nações, vários povos em lugares diferentes para que cada um vivesse uma fé diferente. Deus criou um único povo, mas este resolveu por suas próprias razões e convicções se dividir em nome da “fé.”
Será que essa divisão agrada o coração de Deus? Certamente não. Nos Atos dos Apóstolo (At9), versículos seguintes. O apostolo Paulo, conversa com os discípulos de João em Éfeso, sobre o Espírito Santo. Eles no entanto respondem a Paulo que nunca ouviram falar que há um Espírito Santo. Então Paulo pergunta em que batismo foram batizados, eles respondem no batismo de João.
Paulo explica que João batizava apenas como penitencia, dizendo ao povo que cresse naquele que havia de vir depois dele, isto é, Jesus Cristo, depois disso Paulo impôs-lhes as mãos e foram batizados em nome de Jesus.
São Paulo nos mostra, que toda a unidade da Igreja e do povo de Deus está em Jesus Cristo. Assim como os discípulos de João que ainda viviam o batismo do arrependimento, são muitos os que ainda continuam nesse mesmo batismo, por não aceitarem o novo batismo da Igreja que é o batismo trazido por Jesus, na Água e no Espírito Santo, que nos uni novamente a Deus, nos faz tornar participantes do Povo de Deus.
Jesus abre o novo testamento, o novo tempo da Igreja e dos cristãos, pelo seu batismo. É pelo batismo que Jesus rompe com as estruturas, com os costumes erados que o povo vivia no antigo testamento.
São Pulo fala que ali, em Éfeso muitos se convenceram com sua pregação, outros não, e por isso formavam grupos separados mesmo dizendo que buscavam a Deus. isto é prova de que o pecado ainda é maior do que a fé. Se há divisão é porque o egoísmo e a falta de humildade ainda é maior que a fé em Cristo.
Quando o apostolo Paulo começa a ensinar em Éfeso (At9), evangelizar ensinando a doutrina de Cristo, muitos influenciados pelos fariseus se dividem. Muitas pessoas daquela época de Paulo e Pedro, principalmente os mais idosos tinham ainda conhecimentos vivos da presença de Jesus e do que Ele fez. Pois não tinham se passado muito tempo da morte de Jesus, no entanto, alguns eram induzidos a não acreditar no que os apóstolos falavam.
Conhecemos no Antigo Testamento todo a história da criação de Deus, e é ainda no Antigo Testamento que o home resolve se separar de Deus. Durante todos esses anos afastados de Deus por causa do pecado, a vinda de Jesus já era anunciada, mas percebemos que muitos não davam importância e nem se preocupavam, por isso não reconheceram Jesus quando ele veio.
E nos, a Igreja já vem há tempos anunciando a segunda vinda de Cristo, como estamos nos preparando. Se esse anuncio de que Jesus vai voltar, não fizer nenhum efeito em nossa vida é preciso nos questionarmos, porque a coisa esta seria. Aquele que tiver assim quando Jesus voltar esse também não vai conhecer o Senhor.
O que aconteceu com Paulo, acontece também nos dias de hoje, sempre tem alguém querendo induzir os outros a não acreditar no que a Igreja prega. “Naquela cidade em Éfeso, muitos endureceram o coração, para que as pessoas não cressem, nem acreditassem na doutrina que Paulo ensinava. Ele teve que sair para um lugar a parte para continuar a ensinar os discípulos de João,” (At9,9).
Observe que a divisão do povo se espalha por todo o mundo, o que era para ser um só povo e uma só Igreja , se torna um povo fatiado com diversas denominações de Igrejas, instituídas pela própria ideia e pensamento do homem.
A grande finalidade dessa divisão é convencer as pessoas desinformadas a viver na desinformação da fé, a seguir por um caminho ditado e editado pelo próprio homem formal, naquilo que ele acredita ser a verdade, como faziam os fariseus que eram os “religiosos” do Antigo Testamento, que nunca aceitaram os ensinamentos do Cristianismo apostólico que é hoje pregado pela Igreja Católica.
Em toda a historia do Novo Testamento, que é para nós cristãos católicos quando Jesus começa a definir a nova estrutura da Igreja, sempre se repete a exclusão daqueles que ensinam a doutrina de Jesus, como Ele ensinou, com todos os sacramentos.
Jesus não nasceu da terra, como Deus fez o homem. Deus escolheu uma mulher dentre tantas que viviam na terra para enviar seu filho, no entanto a exclusão já começa ai. A mulher escolhida por Deus para ser mãe do seu filho, o salvador Jesus Cristo é a primeira a ser excluída pelos fariseus e outros religiosos do antigo testamento, porque não acreditavam que Maria fosse uma mulher Santa e escolhida por Deus e o que os discípulos ensinavam não era o que Jesus tinha ensinado.
Como acontece com o Papa nos dias de hoje, o Papa não é um homem qualquer que põe a bíblia debaixo do braço e vai falar de Deus, ele é aquele que pela autoridade de Cristo, dar continuidade ao trabalho de Pedro, o pescador que foi chamador por Jesus e recebeu do próprio Jesus a chave do Reino do Céu e a ordem de conduzir a sua Igreja. E depois da morte de Jesus, Pedro se torna o primeiro Bispo da Igreja Católica de Roma, o primeiro Papa.
Isto levou muitos a se dividirem, criarem outros tipos de ensinamentos e doutrinas religiosas, deixando para trás os sacramentos e os valores cristão ensinados pelo próprio Jesus. A divisão dos “cristãos” é um veneno que vai se espalhando entre as pessoas. Foi assim antes da vinda de Jesus, foi assim durante a vida de Jesus na terra e continua assim nos dias de hoje.
Podemos nos perguntar, quando isso vai para? Certamente quando houver uma verdadeira conversão no coração do homem. Quando sair o interesse próprio e deixar cair seu orgulho, o egoísmo, a vaidade e reconhecer que Jesus Cristo veio para unir a Igreja e o povo que o inimigo dividiu.
Que o Espírito Santo, o inflamador das almas, inflame o nosso coração pela unidade para que nada nos separe nem nos divida de Jesus Cristo. Shalom! Deus o abençoe.
Francisco Rocha, Vocacionado Shalom.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Parabéns pelo texto, a igreja católica se divide em movimentos, pastorais, congregações religiosas…
    Fico triste com isso quando nós igreja Católica Apostólica vamos entender que não importa o carisma mais a fé que nos une é única, a fé no Cristo Jesus