Parresia

A identidade do homem e da mulher

No primeiro artigo analisamos alguns elementos de Gn1; podemos agora dar mais um passo e olhar, ainda que brevemente, o segundo relato da criação (Gn 2,4b-25) e assim sublinhar algumas características com as quais o homem e a mulher são apresentados.

Foto: Unsplash

A criação em Gn 2,4b-25

Enquanto a ação criadora de Gn 1 ressalta a força da palavra divina que, ao ser pronunciada, faz com que as coisas venham a existência, Gn 2 apresenta a ação divina de modo antropomórfico: Deus “tem mãos”, “toca o barro”, modela o homem. O primeiro verbo utilizado em Gn 2,7 é ʽᾱśâ, que indica a fabricação manual, como o oleiro que modela o vaso. Em seguida porém, vemos um ato divino extraordinário: Deus «insuflou em suas narinas um hálito de vida e o homem se tornou um ser vivente». Daqui, podemos concluir que o homem é a unidade realizada entre a fragilidade do barro e a nobreza do sopro divino. O fato do próprio Deus modelá-lo e, soprando em suas narinas, lhe fazer um “ser vivente”, mostra a sua relação com o mundo divino; todavia, o barro com o qual foi constituído não lhe deixará esquecer a sua fragilidade.

A criação da mulher

Os vv. 21-22, que narram a criação da mulher, nos dá a ocasião de fazer algumas breves considerações sobre a relação homem-mulher dentro do plano divino; isso nos ajudará a compreender algumas dimensões essenciais da antropologia bíblica.

Primeiramente percebemos que o homem busca alguém que lhe corresponda, mas não encontra este “alguém” dentro das obras que o Senhor havia feito (cf. Gn 2,20). À “solidão” provada pelo primeiro homem, faz eco – como que para confirmá-la – as palavras pronunciadas pelo próprio Deus: «não é bom que o homem esteja só. Vou fazer uma auxiliar que lhe corresponda» (Gn 2,18); mais uma vez, é o texto hebraico que pode nos ajudar a compreender a fineza contida nestas palavras. Em Gn 1,1-2,4a, por seis vezes aparece o termo tôb, sendo a última, intensificada para expressar que era «muito bom» tudo quanto Deus havia criado. Agora, em Gn 2,18, pela primeira vez se rompe a sequência do hino divino “é bom” para o “não é bom” (lōʼtôb) decretado pelo próprio Deus, referindo-se a solidão do homem. Ele não foi criado para estar só, mas sim para se doar e receber o dom do outro. É neste contexto que Deus decide fazer o primeiro homem dormir. O seu sono será como o de tantos personagens bíblicos, uma manifestação divina. Deus presenteia o homem por meio de alguém à quem possa se entregar e receber; em outras palavras, que realmente lhe corresponda, eis o motivo de sua exultação: «23esta, sim, é osso de meus ossos e carne de minha carne!» (Gn 2,23). Vale ressaltar que estas são as primeiras palavras do homem em toda a Sagrada Escritura; um louvor pelo criado, um reconhecimento da grandeza do Criador.

Quanto à criação da mulher, convém ainda dizer que, seguindo o antropomorfismo – próprio do segundo relato da criação –, o texto afirma que a mulher é “construída” – do verbo bᾱnâ – com o lado de Adão (Gn 2,22). Sendo assim, ela é a primeira construção narrada na Sagrada Escritura; para melhor compreender a grandeza contida neste ato divino, basta mencionar que este mesmo verbo servirá para indicar, por exemplo, a construção do templo de Jerusalém (cf. 2 Sam 7,7).

O pecado

Após ter narrado a criação da mulher, o autor sagrado relata a queda original. Estes dois fatos estão intrinsecamente relacionados, sobretudo, por apresentarem elementos antitéticos na relação do “casal original”, entre o antes e o pós pecado; em outras palavras, a antítese está na passagem da harmonia para a desarmonia. A tônica de Gn 3 muda sensivelmente em relação à Gn 2: à busca da correspondência, da auxiliar, e ao grito de exultação por parte do homem, é apresentado, em Gn 3, a acusação recíproca (cf. Gn 3,12-13). As primeiras palavras do homem em Gn 2 são de exultação, em Gn 3 são de acusação; estes elementos, e outros não mencionados, indicam que a harmonia original, não completamente destruída, foi, todavia, muito comprometida. No que toca a relação com Deus – e este é o princípio da desarmonia – ao invés de escutar os passos de Deus no jardim e estar com comunhão com Ele, o casal se esconde da face divina.

Erraríamos porém, se apresentássemos estes fatos como um falimento, quase que absoluto, do projeto do Criador. Na exata cena onde o pecado é cometido, vemos as marcas de esperança fixadas pelo Senhor: enquanto Deus pergunta ao homem, quer escutá-lo, a respeito do ocorrido, como que para conscientizá-lo de sua responsabilidade no plano da criação, à serpente Deus não pergunta nada, simplesmente dá o veredicto e a amaldiçoa (cf. Gn 3,14-15)[1]. Este veredicto é já anúncio de Sua vitória; é já a condenação do mal, como que a dizer que este não permanecerá impune. Outro sinal de esperança está no fato que, não obstante o pecado, Deus não amaldiçoa o homem; Ele os abençoou (Gn 1,28) e não volta atrás dos seus dons. Por isso, a mulher não só não perde a própria identidade após o pecado, como, aliás, é confirmada em sua missão: Eva, significa mãe dos viventes. Não obstante ter oferecido o fruto da morte, ela permanece como guardiã e selo da vida[2]. Podemos afirmar que o pecado não foi e, e não é, capaz de mudar o olhar divino sobre o homem e a mulher por Ele criados; repousa sobre eles a promessa e a benevolência divinas.

Um grande sinal de que a beleza da ação criadora divina não foi completamente ofuscada, está no fato de que a relação homem-mulher continuará a ser – particularmente na literatura profética – como que “sacramento” da relação entre Deus e o seu povo, por meio da simbologia esponsal[3].

Por Elton Alves
Teólogo, Consagrado na Comunidade de Vida Shalom

Referências

[1] «Porque fizeste isso és maldita entre todos os animais domésticos e todas as feras selvagens. Caminharás sobre teu ventre e comerás poeira todos os dias de tua vida. Porei hostilidade entre ti e a mulher, entre tua linhagem e a linhagem dela. Ela te esmagará a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar» (Gn 3,14-15).
[2] Cfr. Ratzinger, A Filha de Sião, 13.
[3] No profeta Oseias, por exemplo, vemos Deus mesmo dizer à Israel: «me chamarás: meu Esposo» (Os 2,4; 18ss).

Todos os Artigos

Este conteúdo está sendo disponibilizado pelo Instituto Parresia. Um grupo aberto de trabalho está aprofundando o tema desta série de artigos, na perspectiva do Carisma Shalom. Clique aqui para obter mais informações sobre nossas atividades e formas de contato.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *