Formação

A Igreja aprecia e encoraja o progresso das ciências biomédicas

comshalom

Em particular, a Congregação para a Doutrina da Fé publicouno ano passado dois Documentos importantes, que ofereceram algunsesclarecimentos doutrinais sobre aspectos essenciais da doutrina sobre a Igrejae sobre a Evangelização. São esclarecimentos necessários para o desenvolvimentocorreto do diálogo ecumênico e do diálogo com as religiões e as culturas domundo. O primeiro Documento leva o título “Respostas a questões relativas aalguns aspectos da doutrina sobre a Igreja” e recoloca também nas formulações ana linguagem o ensinamento do Concílio Vaticano II, em plena continuidade com adoutrina da Tradição católica. Vem assim confirmado que a una e única Igreja deCristo tem sua subsistência, permanência e estabilidade na Igreja Católica eque, portanto, a unidade, a indivisibilidade e a indestrutibilidade da Igrejade Cristo não é anulada pelas separações e divisões dos cristãos. Em relação aeste esclarecimento doutrinal fundamental, o Documento repropõe o usolinguístico correto de certas expressões eclesiológicas, que correm o risco deser incompreendidas, e apela a tal fim para a atenção sobre a diferença queainda permanece entre as diversas Confissões cristãs na defesa da compreensãodo ser Igreja, em sentido propriamente teológico. Isto, longe de impedir oesforço ecumênico autêntico, será um estímulo para que o confronto sobrequestões doutrinais surja sempre com realismo e pleno conhecimento dos aspectosque ainda separam as Confissões cristãs, além de que no alegre reconhecimento dasverdades de fé comumente professadas e da necessidade de rezar incessantementepor um caminho mais consciente para uma maior e, ao final, plena unidade doscristãos. Cultivar uma visão teológica que considerasse a unidade e identidadeda Igreja como seus tesouros “ocultos em Cristo”, com a conseqüência de quehistoricamente a Igreja existiria de fato em múltiplas configurações eclesiais,reconciliáveis somente em perspectiva escatológica, não poderia mais que gerarum retardamento e, por fim, a paralisia do próprio ecumenismo.

A afirmação do Concílio Vaticano II de que a verdadeiraIgreja de Cristo “subsiste na Igreja católica” (Const. dogm. Lumen gentium, 8)não considera somente a relação com as Igrejas e comunidades eclesiais cristãs,mas se estende também à definição das relações com as religiões e as culturasdo mundo. O próprio Concílio Vaticano II, na Declaração Dignitatis humanae,sobre a liberdade religiosa, afirma que esta única verdadeira religião subsistena Igreja católica, à qual o Senhor Jesus confiou a missão de difundi-la atodos os homens (n. 1). A “Nota doutrinal sobre alguns aspectos daevangelização” – o outro Documento publicado por vossa Congregação em dezembrode 2007 –, diante do risco de um persistente relativismo religioso e cultural,reafirma que a Igreja, no tempo do diálogo entre as religiões e culturas, nãose dispensa da necessidade da evangelização e da atividade missionária junto aopovo, nem cessa de pedir aos homens que acolham a salvação oferecida a todas aspessoas. O reconhecimento dos elementos de verdade e bondade nas religiões domundo e da seriedade de seus esforços religiosos, o próprio colóquio e espíritode colaboração com elas pela defesa e a promoção da dignidade da pessoa e dosvalores morais universais, não podem ser pensados como uma limitação docompromisso missionário da Igreja, que a empenha a anunciar incessantementeCristo como o caminho, a verdade e a vida (cf. Jo 14, 6).

Convido-vos, ainda, caríssimos, a seguir com particularatenção os problemas difíceis e complexos da bioética. As novas tecnologiasbiomédicas, de fato, interessam não somente a alguns médicos e pesquisadoresespecializados, mas são divulgadas através dos modernos meios de comunicaçãosocial, provocando esperanças e interrogações em setores sempre mais vastos dasociedade. O Magistério da Igreja certamente não pode e não deve intervir sobretoda novidade da ciência, mas tem o dever de reafirmar os grandes valores emjogo e de propor aos fiéis e a todos os homens de boa vontade princípios eorientações ético-morais para as novas questões importantes. Os dois critériosfundamentais para o discernimento moral neste campo são a) o respeitoincondicional ao ser humano como pessoa, de sua concepção até a morte natural,b) o respeito à originalidade da transmissão da vida humana através dos atospróprios dos cônjuges. Depois da publicação, em 1987, da Instrução Donum vitae,que havia enunciado tais critérios, muitos criticaram o Magistério da Igreja,denunciando-o como se fosse um obstáculo à ciência e ao verdadeiro progresso dahumanidade. Mas os novos problemas ligados, por exemplo, ao congelamento dosembriões humanos, à manipulação embrional, com o diagnóstico pré-implantatório,às pesquisas com células-tronco embrionárias e às tentativas de clonagemhumana, mostram claramente como, com a fecundação artificial extracorpórea, foiquebrada a barreira sobre a tutela da dignidade humana. Quando seres humanos,no estado mais fraco e mais indefeso de sua existência, são selecionados,abandonados, mortos ou utilizados como puro “material biológico”, como negarque esses são tratados não mais como “alguém”, mas como “algo”, colocando assimem questão o conceito próprio de dignidade do homem?

Certamente a Igreja aprecia e encoraja o progresso dasciências biomédicas que abrem perspectivas terapêuticas até agoradesconhecidas, mediante, por exemplo, o uso de células-tronco somáticas oumediante as terapias dirigidas à restituição da fertilidade ou à cura dasdoenças genéticas. Contemporaneamente essa sente o dever de iluminar asconsciências de todos, a fim de que o progresso científico seja verdadeiramenterespeitoso de cada ser humano, ao qual é reconhecida a dignidade da pessoa,sendo criado à imagem de Deus. O estudo sobre tais temáticas, que tem empenhadode modo especial vossa Assembléia nestes dias, contribuirá certamente apromover a formação da consciência de muitos de nossos irmãos, segundo o quantoafirma o estabelecido pelo Concílio Vaticano II na Declaração DignitatisHumanae: “Os fiéis… para formarem a sua própria consciência, devem atenderdiligentemente à doutrina sagrada e certa da Igreja. Pois, por vontade deCristo, a Igreja Católica é mestra da verdade, e tem por encargo dar a conhecere ensinar autenticamente a Verdade que é Cristo, e ao mesmo tempo declara econfirma, com a sua autoridade, os princípios de ordem moral que dimanam danatureza humana” (n. 14).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *