Formação

O que significa a Imaculada Conceição?

A Virgem Maria foi toda pura, santa e imaculada desde o início da sua vida. Esta foi desde sempre a convicção profunda da Igreja, que viu na Virgem Maria a ‘Nova Eva’.

comshalom

O dogma da Imaculada Conceição, proclamado a 8.12.1854 por Pio IX (Bula “Ineffabilis Deus”), declara a santidade da Virgem Santa Maria desde o primeiro momento da sua existência, desde a sua Conceição, ou seja, desde o momento que ela foi preservada da mácula do pecado original, no qual nascem todos os filhos de Adão. Enquanto estes estão privados da graça divina, a Virgem Maria foi toda pura, santa e imaculada, desde o início da sua vida. Esta foi desde sempre a convicção profunda da Igreja, que viu na Virgem Maria a ‘Nova Eva’.

Apesar da sua reconhecida devoção a Nossa Senhora, homens como S. Bernardo, S. Alberto Magno, S. Boaventura e S. Tomás tiveram dificuldade em admitir a Imaculada Conceição, porque era difícil de conciliar tal verdade com o dogma da universalidade da Redenção.

Proclamar a Imaculada Conceição parecia implicar retirar a Virgem Maria da órbita da Redenção em Jesus Cristo, a qual, por ser necessária e absoluta, era tão universal como o pecado original. Se a Virgem Maria não estivesse incluída no número dos que contraíam o pecado de Adão, ficava então igualmente excluída da redenção, e esta não seria universal, pois não abrangeria todos os descendentes de Adão.

Perante esta alternativa, eles foram como que obrigados a negar o privilégio de Maria até ser possível conciliá-lo com o dogma da universalidade da redenção em Cristo.

A solução do problema foi dada pelo beato Duns Escoto (séc. XIV), que afirmou que a Imaculada Conceição não exclui a Virgem Maria do mistério da Redenção, porque ela foi preventivamente redimida pelo seu próprio Filho. Ela foi antecipadamente redimida e por conseguinte, preparada para a sua divina maternidade. Esta explicação acabou por ser recebida na teologia e nas declarações do magistério.

Como todos os dogmas, também a ‘Imaculada Conceição’ foi a solene proclamação da fé do povo de Deus, do sentir da Igreja, do que nós podemos chamar de ‘devoção popular’. A ‘Imaculada Conceição’ é uma marca forte do catolicismo em Portugal, tendo sido sob esta invocação que Nossa Senhora foi proclamada por D. João IV como Rainha e Padroeira do país, no dia 25 de Março de 1646, título que nenhum regime foi capaz de abolir.

Na Universidade de Coimbra, ela é a Padroeira ainda hoje, e houve tempos em que defender esta verdade da fé era título de honra e compromisso de todos o corpo docente daquela Universidade.

Mas o que significa para nós hoje este admirável mistério?

O dogma da Imaculada Conceição da Virgem Maria foi a solene confirmação do mistério central da fé católica. A Virgem Maria foi pensada por Deus como a mediadora do mistério da encarnação do Cristo.

Por ser chamada a ser a mediadora deste mistério, a Virgem Maria não podia ser pensada senão como a primeira criatura totalmente redimida, e como a primeira redimida é que ela concebeu sem pecado o Filho de Deus, porque sem pecado foi concebida. Por ela o Verbo de Deus entrou na história, inaugurando o tempo da graça e da liberdade de toda a humanidade.

A Virgem Maria abriu a porta do mundo para o Advento do Deus redentor, na carne da humanidade. Ela é, por excelência, a primeira escolhida na ordem da Redenção. O dogma da Imaculada Conceição proclama que Maria foi a primeira a ser redimida pelo Filho que ia gerar.

Por isso, com razão, na ‘Imaculada Conceição’, a Igreja e todos os fiéis do mundo exultam de alegria, talvez como em nenhum outro dia, porque aí foi elevado o exemplo das maravilhas de Deus na história, do que Ele pode fazer na Igreja e na vida de cada crente.

Que possamos, como a Virgem Maria, ter a mesma atitude de filial de obediência e de amor, diante daquele cujo Nome é grande e que grandes coisas realizou na sua humilde serva!

Bem-aventurada é a nação que tem a Virgem Maria como Mãe!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *