Formação

A missão da Igreja: anunciar a palavra de Deus ao mundo

comshalom

VERBUM MUNDO

 «Ninguém jamais viu a Deus:
 o Filho único, que está no seio do Pai,
é que O deu a conhecer» (Jo 1, 18)
 

A Palavra que sai do Pai e volta para o Pai

 90. São João sublinha fortemente o paradoxo fundamental dafé cristã. Por um lado, afirma que «ninguém jamais viu a Deus» (Jo 1, 18; cf. 1Jo 4, 12): de modo nenhum podem as nossas imagens, conceitos ou palavrasdefinir ou calcular a realidade infinita do Altíssimo; permanece o Deus sempermaior. Por outro lado, diz que realmente o Verbo «Se fez carne» (Jo 1, 14). OFilho unigénito, que está voltado para o seio do Pai, revelou o Deus que «ninguémjamais viu» (Jo 1, 18). Jesus Cristo vem a nós «cheio de graça e de verdade»(Jo 1, 14), que nos são dadas por meio d’Ele (cf. Jo 1, 17); de facto, «da suaplenitude é que todos nós recebemos, graça sobre graça» (Jo 1, 16). E assim, noPrólogo, o evangelista João contempla o Verbo desde o seu estar junto de Deuspassando pelo fazer-Se carne, até ao regresso ao seio do Pai, levando consigo anossa própria humanidade que assumiu para sempre. Neste sair do Pai e voltar aoPai (cf. Jo 13, 3; 16, 28; 17, 8.10), Ele apresenta-Se-nos como o «Narrador» deDeus (cf. Jo 1, 18). De facto, o Filho – afirma Santo Ireneu de Lião – «é oRevelador do Pai».[310] Jesus de Nazaré é, por assim dizer, o «exegeta» de Deusque «ninguém jamais viu»; «Ele é a imagem do Deus invisível» (Cl 1, 15).Cumpre-se aqui a profecia de Isaías relativa à eficácia da Palavra do Senhor:assim como a chuva e a neve descem do céu para regar e fazer germinar a terra,assim também a Palavra de Deus «não volta sem ter produzido o seu efeito, semter executado a minha vontade e cumprido a sua missão» (Is 55, 10-11). JesusCristo é esta Palavra definitiva e eficaz que saiu do Pai e voltou a Ele,realizando perfeitamente no mundo a sua vontade.

 Anunciar ao mundo o «Logos» da Esperança

 91. O Verbo de Deus comunicou-nos a vida divina quetransfigura a face da terra, fazendo novas todas as coisas (cf. Ap 21, 5). Asua Palavra envolve-nos não só como destinatários da revelação divina, mastambém como seus arautos. Ele, o enviado do Pai para cumprir a sua vontade (cf.Jo 5, 36-38; 6, 38-40; 7, 16-18), atrai-nos a Si e envolve-nos na sua vida emissão. Assim o Espírito do Ressuscitado habilita a nossa vida para o anúncioeficaz da Palavra em todo o mundo. É a experiência da primeira comunidadecristã, que via difundir-se a Palavra por meio da pregação e do testemunho (cf.Act 6, 7). Quero citar aqui particularmente a vida do Apóstolo Paulo, um homemarrebatado completamente pelo Senhor (cf. Fl 3, 12) – «já não sou eu que vivo,é Cristo que vive em mim» (Gl 2, 20) – e pela sua missão: «Ai de mim se nãoevangelizar!» (1 Cor 9, 16), ciente de que em Cristo se revela realmente asalvação de todas as nações, a libertação da escravidão do pecado para entrarna liberdade dos filhos de Deus.

 Com efeito, o que a Igreja anuncia ao mundo é o Logos daEsperança (cf. 1 Pd 3, 15); o homem precisa da «grande Esperança» para poderviver o seu próprio presente – a grande esperança que é «aquele Deus que possuium rosto humano e que nos “amou até ao fim” (Jo 13, 1)».[311] Por isso, na suaessência, a Igreja é missionária. Não podemos guardar para nós as palavras devida eterna, que recebemos no encontro com Jesus Cristo: são para todos, paracada homem. Cada pessoa do nosso tempo – quer o saiba quer não – temnecessidade deste anúncio. Oxalá o Senhor suscite entre os homens, como nostempos do profeta Amós, nova fome e nova sede das palavras do Senhor (cf. Am 8,11). A nós cabe a responsabilidade de transmitir aquilo que por nossa veztínhamos, por graça, recebido.

 Da Palavra de Deus deriva a missão da Igreja

 92. O Sínodo dos Bispos reafirmou com veemência anecessidade de revigorar na Igreja a consciência missionária, presente no Povode Deus desde a sua origem. Os primeiros cristãos consideraram o seu anúnciomissionário como uma necessidade derivada da própria natureza da fé: o Deus emquem acreditavam era o Deus de todos, o Deus único e verdadeiro que Semanifestara na história de Israel e, por fim, no seu Filho, oferecendo assim aresposta que todos os homens, no seu íntimo, aguardam. As primeiras comunidadescristãs sentiram que a sua fé não pertencia a um costume cultural particular,que diverge de povo para povo, mas ao âmbito da verdade, que diz respeitoigualmente a todos os homens.

 Também aqui São Paulo nos ilustra, com a sua vida, o sentidoda missão cristã e a sua originária universalidade. Pensemos no episódio doAreópago de Atenas, narrado pelos Actos dos Apóstolos (cf. 17, 16-34). OApóstolo das Nações entra em diálogo com homens de culturas diversas, na certezade que o mistério de Deus, Conhecido-Desconhecido, do qual todo o homem tem umacerta percepção embora confusa, revelou-Se realmente na história: «O quevenerais sem conhecer, é que eu vos anuncio» (Act 17, 23). De facto, a novidadedo anúncio cristão é a possibilidade de dizer a todos os povos: «Elemostrou-Se. Ele em pessoa. E agora está aberto o caminho para Ele. A novidadedo anúncio cristão não consiste num pensamento mas num facto: Elerevelou-Se».[312]

 A Palavra e o Reino de Deus

 93. Por conseguinte, a missão da Igreja não pode serconsiderada como realidade facultativa ou suplementar da vida eclesial.Trata-se de deixar que o Espírito Santo nos assimile a Cristo, participandoassim na sua própria missão: «Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio avós» (Jo 20, 21), de modo a comunicar a Palavra com a vida inteira. É a própriaPalavra que nos impele para os irmãos: é a Palavra que ilumina, purifica,converte; nós somos apenas servidores.

 Por isso, é necessário descobrir cada vez mais a urgência ea beleza de anunciar a Palavra para a vinda do Reino de Deus, que o próprioCristo pregou. Neste sentido, renovamos a consciência – tão familiar aos Padresda Igreja – de que o anúncio da Palavra tem como conteúdo o Reino de Deus (cf.Mc 1, 14-15), sendo este a própria pessoa de Jesus (o Autobasileia), comosugestivamente lembra Orígenes.[313] OSenhor oferece a salvação aos homens de cada época. Todos nos damos conta dequão necessário é que a luz de Cristo ilumine cada âmbito da humanidade: a família,a escola, a cultura, o trabalho, o tempo livre e os outros sectores da vidasocial.[314] Não se trata de anunciar uma palavra anestesiante, masdesinstaladora, que chama à conversão, que torna acessível o encontro com Ele,através do qual floresce uma humanidade nova.

 Todos os baptizados responsáveis do anúncio

 94. Uma vez que todo o Povo de Deus é um povo «enviado», oSínodo reafirmou que «a missão de anunciar a Palavra de Deus é dever de todosos discípulos de Jesus Cristo, em consequência do seu baptismo».[315] Nenhumapessoa que crê em Cristo pode sentir-se alheia a esta responsabilidade quederiva do facto de ela pertencer sacramentalmente ao Corpo de Cristo. Estaconsciência deve ser despertada em cada família, paróquia, comunidade,associação e movimento eclesial. Portanto toda a Igreja, enquanto mistério decomunhão, é missionária e cada um, no seu próprio estado de vida, é chamado adar uma contribuição incisiva para o anúncio cristão.

 Bispos e sacerdotes, segundo a missão própria de cada um,são os primeiros chamados a uma vida cativada pelo serviço da Palavra, paraanunciar o Evangelho, celebrar os Sacramentos e formar os fiéis no conhecimentoautêntico das Escrituras. Sintam-se também os diáconos chamados a colaborar,segundo a própria missão, para este compromisso de evangelização.

 A vida consagrada resplandece, em toda a história da Igreja,pela sua capacidade de assumir explicitamente o dever do anúncio e da pregaçãoda Palavra de Deus na missio ad gentes e nas situações mais difíceis, mostrando-sedisponível também para as novas condições de evangelização, empreendendo comcoragem e audácia novos percursos e novos desafios para o anúncio eficaz daPalavra de Deus.[316]

 Os fiéis leigos são chamados a exercer a sua missãoprofética, que deriva directamente do baptismo, e testemunhar o Evangelho navida diária onde quer que se encontrem. A este respeito, os Padres sinodaisexprimiram «a mais viva estima e gratidão bem como encorajamento pelo serviço àevangelização que muitos leigos, e particularmente as mulheres, prestam comgenerosidade e diligência nas comunidades espalhadas pelo mundo, a exemplo deMaria de Magdala, primeira testemunha da alegria pascal».[317] Além disso, oSínodo reconhece, com gratidão, que os movimentos eclesiais e as novascomunidades constituem, na Igreja, uma grande força para a evangelização nestetempo, impelindo a desenvolver novas formas de anúncio do Evangelho.[318]

 A necessidade da «missio ad gentes»

 95. Ao exortar todos os fiéis para o anúncio da Palavra divina,os Padres sinodais reafirmaram a necessidade, no nosso tempo também, de umdecidido empenho na missio ad gentes. A Igreja não pode de modo algumlimitar-se a uma pastoral de «manutenção» para aqueles que já conhecem oEvangelho de Cristo. O ardor missionário é um sinal claro da maturidade de umacomunidade eclesial. Além disso, os Padres exprimiram vivamente a consciênciade que a Palavra de Deus é a verdade salvífica da qual tem necessidade cadahomem em todo o tempo. Por isso, o anúncio deve ser explícito. A Igreja deve irao encontro de todos com a força do Espírito (cf. 1 Cor 2, 5) e continuarprofeticamente a defender o direito e a liberdade das pessoas escutarem aPalavra de Deus, procurando os meios mais eficazes para a proclamar, mesmo sobrisco de perseguição.[319] A todos a Igreja se sente devedora de anunciar aPalavra que salva (cf. Rm 1, 14).

 Anúncio e nova evangelização

 96. O Papa João Paulo II, na esteira de quanto já expressarao Papa Paulo VI na Exortação apostólica Evangelii nuntiandi, tinha de muitosmodos lembrado aos fiéis a necessidade de uma nova estação missionária paratodo o Povo de Deus.[320] Na alvorada do terceiro milénio, não só existemmuitos povos que ainda não conheceram a Boa Nova, mas há também muitos cristãosque têm necessidade que lhes seja anunciada novamente, de modo persuasivo, aPalavra de Deus, para poderem assim experimentar concretamente a força doEvangelho. Há muitos irmãos que são «baptizados mas não suficientementeevangelizados».[321] É frequente ver nações, outrora ricas de fé e de vocações,que vão perdendo a própria identidade, sob a influência de uma culturasecularizada.[322] A exigência de uma nova evangelização, tão sentida pelo meuvenerado Predecessor, deve-se reafirmar sem medo, na certeza da eficácia daPalavra divina. A Igreja, segura da fidelidade do seu Senhor, não se cansa deanunciar a boa nova do Evangelho e convida todos os cristãos a redescobrirem ofascínio de seguir Cristo.

 Palavra de Deus e testemunho cristão

 97. Os horizontes imensos da missão eclesial e acomplexidade da situação presente requerem hoje modalidades renovadas para sepoder comunicar eficazmente a Palavra de Deus. O Espírito Santo, agenteprimário de toda a evangelização, nunca deixará de guiar a Igreja de Cristo nestaactividade. Antes de mais nada, é importante que cada modalidade de anúnciotenha presente a relação intrínseca entre comunicação da Palavra de Deus etestemunho cristão; disso depende a própria credibilidade do anúncio. Por umlado, é necessária a Palavra que comunique aquilo que o próprio Senhor nosdisse; por outro, é indispensável dar, com o testemunho, credibilidade a estaPalavra, para que não apareça como uma bela filosofia ou utopia, mas antes comouma realidade que se pode viver e que faz viver. Esta reciprocidade entrePalavra e testemunho recorda o modo como o próprio Deus Se comunicou por meioda encarnação do seu Verbo. A Palavra de Deus alcança os homens «através doencontro com testemunhas que a tornam presente e viva».[323] Particularmente asnovas gerações têm necessidade de ser introduzidas na Palavra de Deus «atravésdo encontro e do testemunho autêntico do adulto, da influência positiva dosamigos e da grande companhia que é a comunidade eclesial».[324]

 Há uma relação estreita entre o testemunho da Escritura,como atestado que a Palavra de Deus dá de si mesma, e o testemunho de vida doscrentes. Um implica e conduz ao outro. O testemunho cristão comunica a Palavraatestada nas Escrituras. Por sua vez, as Escrituras explicam o testemunho queos cristãos são chamados a dar com a própria vida. Deste modo, aqueles queencontram testemunhas credíveis do Evangelho são levados a constatar a eficáciada Palavra de Deus naqueles que a acolhem.

 Nesta circularidade entre testemunho e Palavra, compreendem-seas afirmações do Papa Paulo VI na Exortação apostólica Evangelii nuntiandi. Anossa responsabilidade não se limita a sugerir ao mundo valores quecompartilhamos; mas é preciso chegar ao anúncio explícito da Palavra de Deus.Só assim seremos fiéis ao mandato de Cristo: «Por conseguinte a Boa Novaproclamada pelo testemunho de vida deverá, mais cedo ou mais tarde, seranunciada pela palavra de vida. Não há verdadeira evangelização, se o nome, adoutrina, a vida, as promessas, o Reino, o mistério de Jesus de Nazaré, Filhode Deus, não forem proclamados».[325]

 O facto do anúncio da Palavra de Deus requerer o testemunhoda própria vida é um dado bem presente na consciência cristã desde as suasorigens. O próprio Cristo é a testemunha fiel e verdadeira (cf. Ap 1, 5; 3,14), testemunha da Verdade (cf. Jo 18, 37). A este propósito, desejo recordaros inumeráveis testemunhos que tivemos a graça de ouvir durante a assembleiasinodal. Ficámos profundamente impressionados com o relato daqueles quesouberam viver a fé e dar luminosos testemunhos do Evangelho mesmo sob regimescontrários ao cristianismo ou em situações de perseguição.

 Tudo isto não nos deve meter medo. O próprio Jesus disse aosseus discípulos: «Um servo não é maior que o seu senhor. Se a Mim Meperseguiram também vos perseguirão a vós» (Jo 15, 20). Por isso desejo elevar aDeus, com toda a Igreja, um hino de louvor pelo testemunho de muitos irmãos eirmãs que, mesmo neste nosso tempo, deram a vida para comunicar a verdade doamor de Deus que nos foi revelado em Cristo crucificado e ressuscitado. Alémdisso, exprimo a gratidão da Igreja inteira aos cristãos que não se rendemperante os obstáculos e as perseguições por causa do Evangelho. Ao mesmo tempounimo-nos, com profunda e solidária estima, aos fiéis de todas as comunidadescristãs, particularmente na Ásia e na África, que neste tempo arriscam a vidaou a marginalização social por causa da fé. Vemos realizar-se aqui o espíritodas bem-aventuranças do Evangelho para aqueles que são perseguidos por causa doSenhor Jesus (cf. Mt 5, 11). Ao mesmo tempo não cessamos de erguer a nossa vozpara que os governos das nações garantam a todos liberdade de consciência e dereligião, inclusive para poder testemunhar publicamente a própria fé.[326]

Exortação apostólica pós-sinodal Verbum Domini –Introdução »

I Parte:
O Deus que fala »
Cristologia da Palavra »
A Palavra de Deus e o Espírito Santo »
Deus Pai, fonte e origem da Palavra »
A hermenêutica da Sagrada Escritura na Igreja »
O perigo do dualismo e a hermenêutica secularizada »
A relação entre Antigo e Novo Testamento »
Diálogo entre Pastores, teólogos e exegetas »

II – Parte:
A Igreja acolhe a Palavra »
A sacramentalidade da Palavra »
A palavra de Deus na vida eclesial »
Leitura orante da Sagrada Escritura e "lectio divina" »

III-Parte
A missão da Igreja: anunciar a palavra de Deus ao mundo »
Palavra de Deus e compromisso no mundo »
Anúncio da Palavra de Deus e os migrantes »
A Sagrada Escritura nas diversas expressões artísticas »
Palavra de Deus e diálogo inter-religioso »

Conclusão
A palavra definitiva de Deus »


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *