Formação

A posse pesa e nos impede de amar

A renúncia dos bens terrenos não é uma condição indispensável para a salvação, mas é imprescindível para servir aos outros.

Ao ler a passagem do jovem rico que não seguiu o Mestre porque tinha muitos bens, nós refletimos sobre o desapego na caminhada espiritual. A renúncia dos bens terrenos não é uma condição indispensável para a salvação, mas é imprescindível para servir aos outros. A posse pesa e nos impede de amar nossos irmãos com tudo o que temos e somos. Por isso, é necessário nos desapegarmos de tudo para nos apegarmos somente a Deus e ao chamado que Ele nos faz.

O autêntico discípulo de Cristo é aquele que se preocupa mais com os outros do que consigo. Ou seja, não se preocupa com as recompensas desta vida. Inclusive, essa mentalidade de sempre buscar retribuições fere o nosso relacionamento com Deus. A lógica do amor não é amar por causa de algo, mas apesar de algo. Deus nos ama incondicionalmente apesar dos nossos pecados e fraquezas. Ele simplesmente nos ama. Gratos por esse amor, nós o servimos livremente com todo fervor.

O mal consiste em sermos escravos dos bens materiais. Todos nós podemos cair nessa desgraça de sermos escravos dessa lógica de bens. E foi isso o que aconteceu com aquele jovem que amou mais aos seus bens do que a Deus. Pedro, por outro lado, perguntou a Jesus o que ele e os outros ganhariam em segui-lo. Quando repetimos essa postura de Pedro, colocamos Cristo na parede. Não cabe a nós cobrar. Se o Senhor permitir que prosperemos que isso aconteça em vista dos outros, para amarmos mais a Ele servindo os irmãos.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *