Formação

A presença de Nosso Senhor Jesus na Eucaristia é uma presença substancial e não acidental

Esta presença não pode ser afirmada se não pela via da fé. A Eucaristia é o maior bem da Igreja, pois é ela o próprio Cristo que se dá a nós e nos alimenta rumo à terra prometida.

comshalom

Quando falamos da presença de Jesus na Eucaristia ficamos pensando como isso é possível. Como pode Jesus estar presente em um pedaço de pão? Ou como podemos ainda dizer que é o Corpo de Nosso Senhor, se o que vemos é um pedaço de pão, com gosto de pão e formato de pão? Parece ser algo muito contraditório ou até mesmo complicado de se entender, porque o que vemos não é aquilo que nos falam os sentidos. Contudo, a questão sobre a presença de Jesus na Eucaristia não se fundamenta na aparência ou matéria do pão, mas na substância, naquilo que está invisível mas presente.

Para entendermos isso é necessário recorremos à filosofia de Aristóteles quando fala sobre substância e acidente. A substância é aquilo que está na profundidade do ser, ou seja, é a sua essência. É aquilo que faz com que o ser seja o que ele é. Um exemplo: sabemos o que é um relógio porque ele tem a função ou o objetivo de marcar a hora. A substância é o sujeito, é aquilo do que se fala, do que se atribui.

Qual seria o acidente?

O acidente é aquilo que está aparente, é a forma, é a matéria, é a realidade que se vê. As formas, tamanhos, estilos e cores que um relógio possa ter, é o que chamamos de acidente. Contudo, muito embora o acidente indique a substância ou faça parte dela, não é algo que atrapalha a existência da substância. Por exemplo, se um relógio não tem ponteiro, isso não quer dizer que ele não seja um relógio, ele é só um relógio sem ponteiro. Caso ele não esteja funcionando, isso não quer dizer que não seja um relógio, só é um relógio que não está funcionando. Ou seja, o acidente, aquilo que eu vejo, não atrapalha a substância, aquilo que é constitutivo do ser. Em outras palavras, o acidente muda, a substância não.

A partir dessa compreensão podemos entender que quando olhamos para a hóstia consagrada, ou seja, a Eucaristia, o que vemos é apenas o acidente, ou seja, a aparência, a matéria, aquilo que é empírico e sensível aos sentidos humanos. Acontece que quando o sacerdote profere as palavras de Nosso Senhor sobre as espécies do pão e do vinho, a substância deles mudam-se em Corpo e Sangue de Cristo. É o que chamamos na teologia de transubstanciação, ou seja, a substância do pão e do vinho, por um ato sobrenatural, se  transformam na substância do Corpo e do Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Pegando o exemplo do relógio, é como se ele fosse “utilizado” não mais para marcar as horas, mas para abrir a porta de uma casa. Ou seja, não é mais um relógio, mas uma chave. A sua aparência não mudou, apenas a sua substância, a sua “utilidade” mudou de objetivo.

A presença do Pai é real

Com efeito, quando falamos da Eucaristia, a “utilidade” do pão não se perde, assim como a do vinho também não, até porque o pão continuará saciando a fome física, assim como o vinho, tomado em excesso, poderá levar a embriaguês. Mas o que muda neles é a substância, é aquilo que está no íntimo, na profundidade do ser.

Por isso, a presença de Nosso Senhor Jesus na Eucaristia é uma presença substancial e não acidental. Não acreditamos na presença de Jesus na Eucaristia porque mudou a aparência das espécies do pão e do vinho, muito embora ao longo da história da Igreja houveram vários milagres eucarísticos em que a matéria mudou de forma. Acreditamos, pois, que Jesus está presente na Eucaristia porque o ser do pão e do vinho transforma-se no Corpo e no Sangue d’Ele.

A Sua palavra proferida pelo sacerdote no momento da consagração atestam essa verdade: “Pegou o pão em suas mãos e disse: este é o meu Corpo… depois pegou o cálice com o vinho e disse: este é o meu Sangue…” (cf. Mt 26-28). As palavras de Jesus não somente dão credibilidade à Fé da Igreja, como também dão suporte para que a Santa Missa seja sempre celebrada. O Senhor disse ainda: “fazei isto em memória de mim” (Lc 22, 19).

A graça que modifica a matéria

Esta mesma ideia de transubstanciação, também pode ser empregada nos demais sacramentos. Quando alguém é batizado, a aparência do fiel não muda, mas interiormente a alma ganha o toque da graça de Deus, e passa a fazer parte da natureza divina pela filiação dada em Cristo.

No sacramento da Confissão, a aparência física do penitente não muda, mas a sua substância, ou seja, a sua alma, é tocada pela graça de Deus que lhe perdoa os pecados cometidos. Assim, nos demais sacramentos a ação sobrenatural de Deus acontece ao seu modo e segundo aquilo que lhe é próprio.

Na Eucaristia, a presença de Deus acontece de forma mais extraordinária porque o Senhor continua presente até que as espécies eucarísticas subsistam (cf. CIC 1377). Vale ressaltar, que mesmo que a hóstia consagrada venha a ser dívida, Cristo continuará presente de igual modo em todas as partes. Ou seja, em cada pedaço Jesus está presente com toda a sua divindade, majestade e força, porque o acidente não influencia, neste caso, na substância.Em qualquer pedaço que recebemos na comunhão, é Jesus dado por inteiro para nós, e fará o mesmo efeito que qualquer outro pedaço que eu receber. 

Esta presença não pode ser afirmada se não pela via da fé. É por meio dela que o cristão chega a Cristo e alcança a salvação. A Eucaristia é o maior bem da Igreja, pois é ela o próprio Cristo que se dá a nós e nos alimenta rumo à terra prometida.

Por Pe. Marcos da Cruz

 

 

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.