Formação

A semana da família

comshalom

Rio de Janeiro, 08 ago (RV) – É tradição no Brasil comemorar no segundo domingo do mês de agosto o Dia dos Pais. É sempre uma oportunidade de se reunir em família e refletir sobre esse costume. Embora existam registros de “cumprimentos” ao pai desde a antiga Babilônia, modernamente esse evento difundiu-se no início do século XX, vindo dos Estados Unidos. Com a difusão do costume, aos poucos cada nação escolheu um dia para essa homenagem. No Brasil, a proximidade da festa de São Joaquim, celebrada no dia 14 de agosto no antigo calendário pré-conciliar, fez com que se marcasse essa comemoração para o segundo domingo desse mês.

Embora atualmente os apelos comerciais sejam o que mais marcam esse evento, para nós é uma oportunidade de refletir sobre a paternidade e a família. Com esta celebração sugestiva da importância do papel do pai na Igreja e na sociedade, a Igreja no Brasil estabeleceu a Semana Nacional da Família. E a Igreja quer, durante estes dias, refletir e insistir sobre este tema de importância capital. A Igreja tem um carinho e uma atenção especial sobre as relações familiares, e neste ano quer refletir a partir do tema central: “Família, Formadora de valores humanos e Cristãos”, que está em sintonia com o Encontro Mundial das Famílias realizado no México em 2009. Para esse evento, a Comissão Episcopal para a Vida e Família, onde está sediada a Comissão Nacional da Pastoral Familiar, da CNBB, publicou uma edição especial da “Hora da Família”, com roteiros a serem utilizados nas celebrações das paróquias, capelas, comunidades, e nas famílias, grupos e escolas.

Com a Semana Nacional, a Igreja quer, uma vez mais, salientar a importância da família, pois sabe que é fundamental um olhar atento dirigido à família, patrimônio da humanidade, que deve ser considerada “um dos eixos transversais de toda a ação evangelizadora” (Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, 2008-2010, n. 128). Na verdade, tudo passa pela família e para o ser humano tudo começa na família. É a primeira escola das virtudes sociais de que as sociedades têm necessidade e, devidamente estruturada, participa decisivamente no desenvolvimento da sociedade.

A família, dentro do plano de Deus, é o lugar privilegiado para semear no coração do homem e da mulher os valores perenes, sejam eles espirituais ou civis. A vida e a história demonstram que é na família cristã, de pai e mãe com os seus filhos, que também se inicia a educação para o valor da vida, de cada vida humana, onde se aprende o valor da liberdade consciente, para o sentido da dor e da morte, e onde forma-se a consciência e as orientações para os verdadeiros valores da vida humana.

A família é chamada a construir o Reino de Deus e a participar ativamente na vida e na missão da Igreja. Os seus membros, formados pela Palavra de Deus, e com a ajuda da Sua Graça, são chamados a irradiar o espírito do Evangelho, tornando-se assim uma pequena porção viva da Igreja. Ela é testemunho e fermento cristão no seio da sociedade na medida em que os cônjuges vivam bem as exigências da sua vocação matrimonial.

O clima de amor, de concórdia entre os seus membros, entre pais e filhos, entre netos e avós, tende-se a irradiar nas relações da família com outras ao seu redor, e consequentemente se espalha no tecido social.

Mesmo no ambiente hostil em que hoje vive a família, e num clima de mudanças rápidas e constantes, os pais não podem abrir mão de uma boa educação para seus filhos, com confiança e com coragem, na perspectiva dos valores fundamentais da vida humana. É no seio da família que a criança de hoje e a pessoa responsável pela sociedade amanhã vai acolhendo as orientações fundamentais da vida. Muitas vezes os governos quiseram, e muitos ainda querem, substituir a missão dos pais nessa missão educativa fundamental com interesses de dominação das consciências com sérias implicações para o futuro da humanidade. Hoje, as propagandas, a mídia e as redes sociais também exercem uma poderosa influência na mente e comportamento das crianças e adolescentes, muitas vezes substituindo a família que deveria ser a grande formadora dos valores humanos e cristãos junto aos seus filhos.

Seria muito louvável que os membros da família pudessem dedicar uma parte de seus dias em convívio, para demonstrarem afeto e carinho uns pelos outros, pois o trabalho incessante e a correria do dia a dia muitas vezes minam as relações familiares. A atual conjuntura econômica leva os pais a viverem trabalhando fora para o sustento familiar, e assim retira-os desse convívio, deixando para outros a presença formadora no lar.

Neste tempo, um fator que preocupa inúmeras famílias é a questão da dependência química, seja pelo álcool, seja pela droga. A história atual de violência e desagregação pessoal e desunião demonstra que as nossas células sociais estão doentes. É essencial, neste caso, a busca do transcendente no seio da família, a vida com a abertura para a espiritualidade. A fé ajuda a descobrir, por si mesmo, a razão de uma existência e os porquês da vida.

Na atual mudança de época, as famílias perderam o hábito da oração. No entanto, a oração familiar é possível e necessária, especialmente hoje. O primeiro passo é que o casal reze, seja na participação na liturgia e na vida diária, passando pelo exemplo e pela palavra essa experiência aos filhos. As crianças aprendem a rezar quando veem o exemplo e começam a rezar com seus pais. Na família deve-se cultivar a presença de Deus no lar, aprendendo desde cedo a cultura e a linguagem religiosa e pouco a pouco conduzir os filhos à fé madura. A oração e os exemplos vistos e vividos pela criança como algo bom irão fazer parte da sua vida.

Outro aspecto fundamental das relações entre pais e filhos é a confiança. Confiança e honestidade são essenciais para a constituição de um ser construtivo, e ajudam no desenvolvimento da personalidade das crianças e dos jovens. Basicamente, deve-se sempre tomar cuidado com o diálogo, que estimula uma sadia diferença de opinião, quando se aprende a ouvir, a perguntar, sem imposições, mas com formação.

Quero saudar todos os pais de nossa Arquidiocese e convidá-los a redescobrir a beleza de sua família pelo empenho comunitário e evangelizador em nossas comunidades, e também a participarem com empenho nessa Semana Nacional da Família.

Lembremo-nos da Sagrada Família de Nazaré, que nos ensina a simplicidade da vida dentro dos Planos de Deus e demonstra as maravilhas que ocorrem quando somos fiéis ao Senhor.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *