Shalom

Abandono em Deus a exemplo do rei Davi

[…]se David, incapaz e grande pecador, conseguiu viver os planos de Deus para a sua vida, nós também conseguimos… ”porque Para Deus nada é impossível” (Lc 1, 37)!

 

            Abandono em Deus – uma expressão um tanto romântica, que todos os que desejam crescer na experiência com Deus apreciam e querem vivê-lo, assim como os santos. Falar em abandono é o mesmo que falar em confiar na Divina Providência para as nossas vidas, é o mesmo que falar em fazer a Vontade de Deus para nós.

            Entretanto, sua conquista tem exigências próprias e quando chegam as “provas” de Deus para nos preparar para tal, geralmente sucumbimos. Somos a geração fast food, do imediatismo, das facilidades, lentos, débeis e de pouca resiliência. Nossa vontade não é educada para termos as nossas vidas em nossas mãos e com propriedade entregá-la ao Altíssimo. Somos escravos de muitos vícios, maus hábitos e pecados.

             Sabemos o que fazer: “….guarda os mandamentos” (Mt 19, 17b), mas tratamos as leis de Deus como uma mera opção e não uma exigência deste caminho. A capacidade para vivê-lo é um dom de Deus, não o alcançamos sozinhos, mas Ele o concede a todo aquele que pacientemente e decididamente o busca.“O Deus que te criou sem ti, não te salvará sem ti” (Santo Agostinho).

             Pois bem, aprendamos com aqueles que fizeram este percurso antes de nós e o concluíram magnificamente. Gostaria de chamar a atenção para um personagem das Sagradas Escrituras do antigo testamento – o Rei David! Aquele de quem o próprio Deus disse:“…homem segundo o meu coração, que fará todas as minhas vontades”(At 13,22b). Ele não pertencia ao grupo dos favoritos para se cumprir a vontade de Deus: os sacerdotes e os profetas; era apenas um leigo, como a maioria de nós. Nem era tido como “importante” para a mentalidade da época, pois era o último de sua casa, franzino, um tanto desajeitado, um simples pastor de ovelhas. Entre as suas atribuições, levava marmita para seus irmãos que compunham o exército do Rei Saul, uma posição muito mais aclamada do que a de pastor.

           Mas aquele que faz a vontade de Deus não sai decepcionado. Com o auxílio de Deus tornou-se um homem singular, guerreiro, vivaz, conhecedor sagaz da Fonte da Sabedoria. Não governava sem rezar e sem consultar os profetas sempre que necessário. Admirado e invejado por muitos. Grande pecador também (adúltero e assassino), como nós, comprovando que Deus não nos abandona, mas nos perdoa e nos dá sempre uma nova chance, por que  “….Deus não vê como os homens, que vêem a aparência. O Senhor vê o coração” (1 Sm 16, 7b). Por isso David foi escolhido para ser o Chefe de Israel! O maior Rei que Israel teve, depois de Jesus Cristo. Você pode conferir na íntegra sua belíssima história, repleta de abandonos nas mãos de Deus, em 1 Sm 16 – 2 Sm 24 e 1 Rs 1-2.

             Resumindo, se David, incapaz e grande pecador, conseguiu viver os planos de Deus para a sua vida, nós também conseguimos… ”porque Para Deus nada é impossível” (Lc 1, 37)!

           Em certo episódio, Absalão conspirou contra o trono de seu pai David. O rei fugiu do seu palácio em Jerusalém, com toda a sua corte. Subiu a encosta das Oliveiras chorando, de cabeça coberta e pés descalços e orou… (2 Sm 15, 31b). Quando chegou a uma região chamada Baurim foi insultado por um homem da família de Saul, que lhe atirava pedras e o amaldiçoava, chamando-o de assassino, por todo o longo caminho. Um empregado de David pediu a autorização para matar o agressor, mas eis que disse ele: “Não! Deixa-o amaldiçoar-me, pois se o Senhor o mandou fazer isso, quem vai pedir-lhe contas? Vede, um filho meu, saído de minhas entranhas tenta matar-me e, no entanto achais estranho que este me faça isto? Talvez o Senhor olhe minha humilhação e me pague com bênçãos” (2 Sm 16,10-12). Quanta confiança David mostrou: …se o Senhor o mandou… “Se eu obtiver o favor do Senhor, Ele me deixará voltar e ver a arca e sua morada. Mas se Ele disser que não me quer, aqui estou, que Ele faça de mim o que lhe parecer bem” (2 Sm 15, 25b-26). O Rei tinha plenos poderes para fazer o que bem quisesse inclusive acabar com seus inimigos, no entanto, permitiu as ofensas e as agressões crendo que todas as coisas passam pela providência de Deus. Teve a humildade de esperar a manifestação de Deus quanto a ele continuar como Rei ou não.“O Senhor dá a morte e a vida…dá a pobreza e a riqueza, o Senhor humilha e eleva…” (1 Sm2, 6). Se compreendêssemos o mistério escondido em… “tudo concorre para o bem dos que amam a Deus” (Rom 8, 28), viveríamos menos inquietos e menos insatisfeitos.

               Quando nos revoltamos com acontecimentos que batem a nossa porta, quando revidamos as ofensas que recebemos, quando nos negamos a ajudar quem precisa e está a nosso alcance fazê-lo, na verdade estamos resistindo aos desígnios de Deus para nós, que com suas permissões conduz a nossa vida para onde temos que ir, em todos os momentos. O Vento sopra onde quer, você ouve o ruído, mas não sabe de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito! (Jo 3, 8)

               “…o abandono é uma atitude natural que decorre do amor. De um lado porque se sabe amada, ela está certa de que nada a poderá ferir. De outro, justamente devido a esta convicção, vive, isto é, aceita qualquer situação em paz profunda…” (Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face – Poesias, pg 631). A santa escreveu isto na época em que sua fé estava sendo duramente provada.

                Shalom!

               Andréa Sperandio, Consagrada da Comunidade de Aliança

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *