Formação

Aborto e dignidade da pessoa humana

comshalom

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

Prof. Dr. Frei Nilo Agostini, ofm

Professor de Teologia Moral, Diretor da Faculdade deTeologia da PUC-Rio

 

Amplia-se o debate sobre o aborto em nosso país. Muitas sãoas visões que se interpõem, díspares muitas vezes. Nos meios de comunicação emgeral, as posições aí aportadas nem sempre são um consenso; muitas vezes sãocontraditórias. Por isso, é indispensável estimular a nossa atenção, aguçar arazão e esclarecer a consciência sobre problemas importantes de nossasociedade.

Quando o assunto é o aborto, importa salientar alguns pontosbásicos. Inicialmente, apontamos para o valor da dignidade da pessoa humana.Subjaz a esta o reconhecimento de uma realidade intrínseca, inerente ao próprioser humano. Presente em cada pessoa, emsua essência mesma, esta dignidade é reconhecida como incomparável, inviolávele inalienável. A humanidade, depois de guerras, holocaustos, genocídios etc,assimilou este reconhecimento como um valor universal que não se podesimplesmente vender, transferir, abdicar ou anular. Trata-se de um respeitodevido a cada pessoa.

A diversidade existente entre povos, culturas e mesmocivilizações não implica em diferentes valorações da dignidade das pessoas. OCristianismo traz, como experiência própria, o testemunho de umacomunidade/povo que se constitui sem fronteiras de raça, povo ou nação. Todossão iguais e reconhecidos em igual nível e valor, porque dotados da mesmadignidade. Cada ser humano, indistintamente, traz estampado em si mesmo estevalor em todo o percurso da vida, valor que o marca em todas as suas dimensões,quer corporal/somática, quer psico/afetiva, quer familiar/comunitário/social,quer espiritual/transcendente. Assume-se o ser humano integralmente, incluídotodo o percurso de sua vida, o que afasta qualquer resvalo reducionista.

Desde o primeiro instante de sua existência, que se inauguracom o aparecimento de um genoma humano distinto dos pais, o ser humano temdireito à vida; ele traz estampada em si, desde aquele primeiro instante, adignidade humana. Estamos ante o momento da concepção, a partir do qual o serhumano, no estágio de zigoto, não é mais uma “coisa”, um “meio”; a partir deentão, o conceptus humano tem direito à vida, tornando-se sujeito de direitos.E o primeiro dentre estes é o de poder prosseguir o seu caminho de vida, sendorespeitada a sua dignidade. Não estamos diante de algo abstrato, nem mesmorelativo, passível de apreciações subjetivas ou utilitaristas ou ainda deflexibilizações retóricas diversas.

Também neste caso, a consciência, que se queira certa, buscafundar-se e formar-se de maneira reta e verídica. Isto significa que ela buscater clareza e certeza dos valores que busca, fundando-se no bem e na verdade.Este empenho permite a emergência de um juízo moral esclarecido, não resvalandoem juízos errôneos. É neste contexto que o Catecismo da Igreja Católica afirmaque “o ser humano deve sempre obedecer ao juízo certo da sua consciência” (n°1790). Descuidando-se da procura da verdade e do bem, a consciência podedeslizar em julgamentos errôneos, padecer de ignorância, permanecer obcecadapor visões relativas, ficar comprometida com o hábito do pecado.

Ante o aborto, afirmamos que “o respeito à vida aparece comoum dos princípios mais fundamentais e evidentes”, como bem sublinha o teólogoespanhol E.L. Azpitarte. A Santa Sé, na Carta dos Diretos da Família, de 1983,é contundente ao dizer que “a vida humana deve ser respeitada e protegida demodo absoluto, desde o momento da concepção” (n° 4). A noção de base é orespeito da vida humana, integralmente, do início ao fim. Não podemos sujeitaro respeito de sua dignidade a elementos ou circunstâncias que lhe sejamexternos, como se ela fosse algo marginal, relativo, suscetível a mutaçõessegundo interesses, visões e/ou utilizações várias. Grandes desastres nahumanidade, como genocídios, holocaustos, abortos e mesmo guerras, começarampor cultivar visões estreitas, reducionistas, utilitaristas, resvalando emmaniqueísmos demonizadores do diferente, este rapidamente apontado comoadversário malévolo, em seguida suscetível à eliminação.

Importa, hoje, assumir uma posição clara em favor da vida detodos os seres humanos. Desde o primeiro instante da gravidez, quando o óvulo éfecundado, há uma nova vida que precisa de proteção, de acolhida e de amor.Isto implica, conseqüentemente, numa proteção e expansão da vida humana emtodas as suas dimensões, na globalidade e unidade de seus componentes,aspectos, dimensões, valores, exigências. Esta antropologia integral é ofundamento, a medida, o critério, a força para a solução que é proposta acercados mais diversos problemas. Estes referenciais formam um grande consenso nacomunidade teológica. Teólogos, da magnitude do italiano Dionigi Tettamanzi, ostêm apresentado com especial clareza e contundente atualidade.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *