Oração

A hora da Mãe: Celebração mariana para o Sábado Santo

Inspirada na liturgia bizantina e baseada nos textos da Basílica de Santa Maria Maior, em Roma.

comshalom

Esta Celebração está disponível também em vídeo na plataforma do Retiro de Semana Santa 2021 da Comunidade Shalom. Para ter acesso basta estar inscrito no retiro. [CLIQUE AQUI e faça a sua inscrição gratuita]. Participando do Retiro você tem acesso não somente “A hora da Mãe” no Sábado Santo, como também nos outros dias do retiro   

Apresentação

A sexta feira santa é a hora de Cristo : a hora onde Ele amou os seus, e os amou até o fim (Jo 13,1), por Sua imolação no altar da Cruz. Aos Seus pés estava Maria, indissoluvelmente unida a Ele na dor e na oferta.

O sábado santo é a hora da Mãe, que viveu a prova suprema na união ao Cristo Redentor. Ela é a única chama de esperança que permanece acesa neste dia de trevas. É a Mãe da nossa fé, que acreditou contra toda evidência e esperou contra toda esperança.

A tradição ensina que na pessoa de Maria está concentrado o corpo da Igreja inteira. Assim a Virgem Maria que permanece perto do sepulcro do seu Filho é o ícone da Igreja Virgem, que vela junto ao túmulo do seu Esposo, na espera da celebração da ressurreição.

Essa intuição de uma relação tão estreita entre Maria e a Igreja provém do piedoso exercício chamado ‘A Hora da Mãe’ : enquanto o Corpo do Filho repousa no sepulcro e sua alma desce aos infernos para anunciar aos antepassados da fé que vivem ainda na sombra da morte, a sua liberação iminente, a Virgem, antecipando e personificando a Igreja, espera a vitória do Seu Filho sobre a morte, demonstrando uma fé inalterável. “ (Diretório sobre a piedade popular e a liturgia, 147. Congregação pelo Culto Divino, Vaticano)

Abreviações :

  1. Presidente da celebração
  2. Leitor
  3. Comentarista
  4. Solista
  5. Todos

 A celebração deve iniciar em um ambiente escuro, com as velas apagadas. Neste ambiente deve ser preparada uma simbólica com o ícone ou a imagem da Virgem “Addolorata” .

Rito Introdutório

P. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo
T. Amém
P. Que a paz esteja convosco
T. E com o teu espírito

Ato Penitencial

T. Kyrie eleison!

L. Pai Santo, Tu que não poupaste o Teu Filho único da Paixão e da morte, a fim de chegar à Ressurreição, e que não poupaste Sua Mãe, tão amada por Ele, de atravessar o abismo da dor e o tormento da prova, tende piedade de nós !

L. Cristo, Teu corpo foi depositado em um túmulo e Tua alma desceu aos infernos. Viste Tua Mãe exposta à tentação, mas ouviste sua fé e seu amor, que Te seguiram com força para além do sepulcro, para proclamar antecipadamente a Tua Ressurreição, tende piedade de nós !

L. Espírito do Pai e do Filho, Amor do Amor eterno, consumiste em um Braseiro Divino a Vítima sobre o altar da Cruz e misteriosamente fecundaste a longa prova da Virgem Maria, para que ela se tornasse a Mãe da humanidade resgatada, tende piedade de nós !

P. Oremos:  Deus de sabedoria e misericórdia infinitas, que amas tanto os homens a ponto de querer que eles partilhem com Cristo o desígnio eterno da salvação : faz com que reavivemos com Maria a força de vida da nossa fé, e com ela esperemos a aurora da ressurreição. Amém.

Hino

(Enquanto se acende uma vela ou lamparina diante da imagem da Virgem Maria, cantamos o hino)

Um silêncio sombrio ecoava no mundo,
As trevas da noite envolviam/ os corações.
O Verbo era silêncio, e a Fonte da Vida morreu.
Sepultada estava estava a Luz,
só restava uma chama de fé sobre a terra.

Só tu, Desolada, acreditavas, luminosa,
Só tu esperavas na promessa do Senhor,
Implorando que a Vida voltasse,
Que o Amor sobre a morte vencesse,
Que o Dia brilhasse sobre nós.
 

Liturgia da Palavra 1ª parte

(Pode-se iluminar mais o altar)

C. A liturgia bizantina do Sábado Santo alterna o Salmo 118 e alguns cantos curtos, chamados “tropários”. O Salmo expressa a obediência incondicional do Filho e da Mãe à santa vontade do Pai. Já os tropários expressam a lamentação da Virgem e das santas mulheres, que choravam, no túmulo, o primogênito transpassado. Cantemos com o coração aberto à graça de Deus.

T. Felizes aqueles cuja vida é pura, e seguem a Lei do Senhor.
Felizes os que guardam seus preceitos e o procuram de todo o coração;”

C. Contemplando o Cordeiro Imolado, na Cruz a ovelha tão pura, ferida, gemia,
e atraía a compaixão de quem a via.

T. Os teus preceitos meditarei,
e considerarei os teus caminhos.
Hei de deleitar-me em tuas leis;
jamais esquecerei tuas palavras.

 S.“Na solidão e na pobreza dei-Te à luz,
eu não conheci a dor ali, meu Deus.
Mas gestante agora está minh’alma.”

T. Concede a teu servo esta graça:
que eu viva guardando tuas palavras.
Abri meus olhos, para que veja
as maravilhas da tua Lei.

 S. “Verbo do Pai, minha vida, minha paz,
como imaginar-Te sepultado, três dias?
Estou dilacerada até o mais íntimo de mim!”

T. Mostra-me o caminho de teus preceitos,
e meditarei tuas maravilhas.
Chora de tristeza a minha alma;
reconforta-me com tua promessa

S.“Ó Vida, morres? Tu habitas um sepulcro,
Tu que destruís o poder da morte,
Tu que aos mortos vida dás no Hades?

T. Desçam a mim as tuas misericórdias,
e tua salvação, conforme a promessa.
Saberei responder aos que me ultrajam,
pois confio em tua palavra.

S.“Jesus, minha alegria, minha luz, meu amor,
Porque te colocaram num túmulo escuro?
Ó misterioso humilhar-se de Deus!”

T. Andarei por um caminho seguro,
pois procuro os teus preceitos.
Diante dos reis falarei de ti,
e não me envergonharei.

S. Fogo ardente escondido sob a terra,
a carne de Cristo brilha no Hades:
Luz da vida que dissipa as trevas.

T.De noite, lembro-me de ti;
guardarei a tua Lei.
Escolhi, como minha herança,
observar os teus preceitos

 S.“Luz do mundo e minha luz,
ó Jesus, Filho desejado, único bem!”
Amargamente a Virgem te clamava.

Liturgia da Palavra 2ª parte

Leitura da carta de São Paulo aos Romanos (4, 16-25):

L. É pela fé que alguém se torna herdeiro. Portanto, gratuitamente; e a promessa é assegurada a toda a posteridade de Abraão, não somente aos que procedem da Lei, mas também aos que possuem a fé de Abraão, que é pai de todos nós. Esperando, contra toda a esperança, Abraão teve fé e se tornou pai de muitas nações, segundo o que lhe fora dito. Não vacilou na fé, embora reconhecendo o seu próprio corpo sem vigor – pois tinha quase cem anos – e o seio de Sara igualmente amortecido. Ante a promessa de Deus, não vacilou, não desconfiou, mas conservou-se forte na fé e deu glória a Deus. Estava plenamente convencido de que Deus era poderoso para cumprir o que prometera. Eis por que sua fé lhe foi contada como justiça. Ora, não é só para ele que está escrito que a fé lhe foi imputada em conta de justiça. É também para nós, pois a nossa fé deve ser-nos imputada igualmente, porque cremos naquele que dos mortos ressuscitou Jesus, nosso Senhor, o qual foi entregue por nossos pecados e ressuscitado para a nossa justificação. Palavra do Senhor.

Liturgia da Palavra 3ª parte

A liturgia do Sábado Santo continua esta celebração alternando o Salmo 118 e os tropários. O Salmo nos mostra como a obediência « até a morte, e morte de cruz » (Fil 2,8) conduz à glória. Já os tropários, impregnados de esperança, predizem e solicitam a ressurreição de Cristo. A Mãe, em nome de toda a Igreja, vive a angústia da espera, mas também a alegria da Páscoa, que se aproxima.

T. Tuas mãos me fizeram e firmaram
Faz-me aprender teus mandamentos.
Alegrem-se por mim os que te temem
Pois eu espero em tua palavra.

S. Eu te contemplo morto, ó Senhor.
A Mãe tão pura suplicava e chorava:
“Não tardes mais, nãos tardes mais,
vida minha entre os mortos!”

T. Faze-me viver pela tua misericórdia
Pois tua lei são minhas delícias.
Envergonhem-se os soberbos, que me afligem,
pois medito em teus preceitos.

S. José tirou teu corpo do madeiro,
Te colocou, ó Verbo, no sepulcro:
“Levanta-Te ó Deus! Levanta-Te ó Deus
e vem socorrer-nos ! “

T. Eu me consumo pela salvação
Espero em tua palavra.
Meus olhos se consomem por ti,
Quando me consolarás ?

S. Tu Te escondeste sob a terra, ó Deus,
da morte a noite cobre-Te, Senhor,
mas como o Sol, mas como o Sol,
glorioso reaparecerás.

T. Estou extremamente aflito, ó Deus,
Vivifica-me conforme a tua palavra.
Aceita a oferta de minha boca
e ensina-me as tuas normas.

S. “Quando poderei em Ti me alegrar,
ó eterna luz do coração? ó minha alegria!”
Geme implorando a Mãe de Deus.

T. Ilumina tua face sobre o teu servo
E ensina-me os teus mandamentos.
Lágrimas correram de meus olhos
Porque não observam a tua lei.

S. Grão caído que morreu na terra,
faz com que a vinha prospere,
abundante, ressuscitando,
ressuscitando os teus filhos de toda morte !

T. Clamo de todo coração, responde-me;
Eu observarei teus estatutos.
Clamo a ti Senhor, salva-me!
Eu guardarei teus testemunhos.

S. A Mãe derrama um rio de lágrimas
sobre o santo túmulo onde estás;
ela Te chama: “Ergue-Te pois,
meu Filho como Tu disseste!”

T. Que meu grito chegue à tua presença,
Dá-me discernimento pela tua palavra.
Que minha plica chegue a ti,
Liberta-me conforme tua promessa.

S.“Mãe não chore sobre Mim”, pensava, fechado no sepulcro
o Filho eterno, o Filho eterno que nasceu/ do teu ventre.
“Eu voltarei com poder e esplendor E subirei para a glória eterna
Que tu cantas, que tu cantas, ó Mãe, Com tanto amor e fé. “

Evangelho

O Evangelho de João recorda a Mãe aos pés da Cruz, assim como na deposição do corpo e no sepultamento de Cristo: isto é um prelúdio da Páscoa. O Senhor sairá de um túmulo novo, da mesma forma que nasceu do útero da Mãe, guardando-o intacto. Escutemos com piedade e atenção.

L. Evangelho de Jesus Cristo segundo São João (19,25-42)

 Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: “Mulher, eis aí teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Eis aí tua mãe”. E dessa hora em diante o discípulo a recebeu como sua mãe. Em seguida, sabendo Jesus que tudo estava consumado, para se cumprir plenamente a Escritura, disse: “Tenho sede”. Havia ali um vaso cheio de vinagre. Os soldados encheram de vinagre uma esponja e, fixando-a numa vara de hissopo, chegaram- lhe à boca. Havendo Jesus tomado do vinagre, disse: “Tudo está consumado”. Inclinou a cabeça e entregou o espírito. Os judeus temeram que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque já era a preparação e esse sábado era particularmente solene. Rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados. Vieram os soldados e quebraram as pernas do primeiro e do outro, que com ele foram crucificados. Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água. O que foi testemunha desse fato o atesta (e o seu testemunho é digno de fé, e ele sabe que diz a verdade), a fim de que vós creiais. Assim se cumpriu a Escritura: Nenhum dos seus ossos será quebrado. E diz em outra parte a Escritura: Olharão para aquele que trans-pas-sa-ram. Depois disso, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus, mas ocultamente, por medo dos judeus, rogou a Pilatos a autorização para tirar o corpo de Jesus. Pilatos permitiu. Foi, pois, e tirou o corpo de Jesus. Acompanhou-o Nicodemos (aquele que anteriormente fora de noite ter com Jesus), levando umas cem libras de uma mistura de mirra e aloés. Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no em panos com os aromas, como os judeus costumam sepultar. No lugar em que ele foi crucificado havia um jardim, e no jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda fora depositado. Foi ali que depositaram Jesus por causa da preparação dos judeus e da proximidade do túmulo. Palavra da Salvação.

 (Homilia ou oração espontânea)

 Rito de Conclusão

P. Depois de ter contemplado e vivido a dor e a esperança da Mãe de Deus, voltemo-nos para Cristo, nossa vida, e supliquemos que Ele nos transforme pela fé heróica infundida pelo Seu Espírito em Sua Mãe. Juntos oremos.

T. Filho da Virgem, Deus da Virgem
e Criador do mundo!
Teu é o sofrimento,
Tua a profundidade da sabedoria!
Tu sabes, Senhor, o que eras e o que Te tornas-Te.
Foste Tu que, aceitando passar pelo sofrimento,
quiseste salvar a raça dos homens;
tomaste sobre Ti nossas faltas, como um Cordeiro;
destruíste nossas faltas por Tua imolação,
ó Salvador incomparável.
Salvaste todos os homens!
Tu concedeste à Virgem a segurança de orar e clamar por Ti dizendo:
« Meu Filho e meu Deus ».

 Oração Final

P. Que a fé da Virgem Maria ilumine nossas vidas;
e que sua proteção materna acompanhe nosso caminho
ao encontro do Senhor ressuscitado !

T. Amém

P. Que o Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna

T. Amém

Tradução e adaptação: Comunidade Católica Shalom


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *