Sem Categoria

Pai Nosso: um oásis na turbulência em que se vive

Feliz o momento em que os discípulos pediram a Jesus: “Senhor, ensina-nos a rezar” (Lc 11,1)

Do coração do Redentor fluiu uma oração repleta de ternura e contendo verdades maravilhosas. Ele mostrou como se dirigir ao Pai que está nos céus. Nada mais sublime nem tocante do que esta prece que brotou a sabedoria infinita do Mestre divino. Comovedora pela simplicidade, profunda pelo conteúdo, encerra, numa síntese surpreendente o que se deve suplicar a Deus para sua honra e glória e pelas mais prementes necessidades humanas. Pai é a primeira palavra desta prece inigualável. Pai é pujança suavizada, é dedicação, é fortaleza, é amparo. Pai é a sublimidade, a inteligência que ensina, a sabedoria que dirige, a força que protege, o vigor que anima, a antevisão que premune, a voz que acautela, o exemplo que arrasta, a luz que ilumina. Pai é nome que é título de glória, escudo, arma poderosa, manancial de esperanças e de proteção nos embates da vida.

Pois bem, Cristo mostra que Deus é antes de tudo Pai amoroso, poderoso. Seja, pois, conhecido, adorado e santificado por toda a parte o nome desse Pai misericordioso e onipotente. Que o seu reino se dilate, de sorte que todos possam gozar da glória divina, e que o céu e a terra, submissos à sua santíssima vontade, sejam o santuário da Divindade. Uma coerência absoluta no ensinamento de Jesus! Lembrando, porém, o Pai celeste Ele não se esqueceu de inserir na sua prece o homem e suas maiores necessidades. Poucas palavras encerram as indigências do presente, do passado e do futuro. No presente o ser racional necessita viver, e, portanto, solicita, ardentemente, o pão substancial do corpo e da alma.

O passado de nada precisa a não ser do perdão, mas para alcançar esse perdão, o homem começa perdoando a todos do íntimo de si mesmo. No futuro ele teme as tentações, as paixões desregradas, o pecado, e como os sofrimentos corporais e espirituais têm um grande império sobre o coração do homem e exercem o seu domínio em toda parte, a oração termina com um ato de confiança na proteção divina: “Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”. Esta oração, em consequência, não pode nunca ser mutilada sob pena de se estar censurando a Cristo.

Certa vez, este sacerdote que traceja estas linhas, procurado por uma jovem, esta tinha um sério problema, dado que possuía um rancor intenso contra alguém que ela não perdoava. Foi-lhe indagado se ela rezava o “Pai Nosso”. Ela disse que sim. Perguntada então como dizia ao Pai que perdoava a quem a tinha ofendido, respondeu com uma simploriedade total: “Eu salto este pedaço”! (sic) É lógico que lhe foi dito que ela, infelizmente, não estava sendo uma boa cristã, não podia comungar, uma vez que não observava o preceito de Jesus que é anistiar a todos diante de suas ofensas. Pedagógica também, portanto, a oração que Cristo ensinou.  Sintetiza o que diz respeito ao céu e o que diz respeito à terra, ao presente, ao passado como ao futuro, o tempo e à eternidade. Tudo aí está sob uma forma excelsa. É a oração universal. A bondade divina quis explicitar palavra por palavra dessa sublime oração que deve ser recitada pela manhã, durante o dia, à noite, em todos os momentos de perplexidade. Ela detém uma eficácia divina.

O homem deste início de milênio, na azáfama do dia a dia, encontra nesta prece breve, completa, curta, substancial uma maneira bem adequada para se dirigir ao Ente Supremo sem poder das desculpas de que não tem tempo suficiente para orar. O espírito leviano e inconstante de quem vive na era pós-moderna encontra no “Pai Nosso” uma forma perfeita para não se furtar à sua vocação de orante, colocado que está à frente da natureza visível para ser o adorador da Natureza Invisível. O extraordinário desenvolvimento técnico e científico ofereceu aos homens preciosos instrumentos que projetam rapidamente novos fatos. Os historiadores e demais cientistas sociais analisam a aceleração da História, o mundo se tornou uma “aldeia global”, a palavra da moda é globalização. Transformou-se a sociedade. Rasgaram-se novos horizontes. Criaram-se novas perspectivas. Surgiram novos problemas. Era inteiramente diferente para a humanidade. Complexas questões nunca dantes imagináveis surgiram a envolver todas as estruturas sobre as quais repousa a felicidade comum. O ser racional se vê imerso numa agitação que nunca dantes o envolveu. Pois bem, ele encontra, porém, na recitação do “Pai Nosso” um oásis na turbulência em que vive. Seu coração volúvel e irrequieto depara então a tranquilidade, a imperturbabilidade e pode orar isento das perniciosas distrações. Os sete pedidos nessa admirável oração convêm aos justos e aos pecadores em todas as circunstâncias da vida e oferecem completa serenidade.

 

 

Con. José Geraldo Vidigal


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *