Formação

Anunciadores apaixonados

comshalom

Há quem tenha medo das novas tecnologias. Porém, o problema,seguramente, não são as novas tecnologias. O grande problema é o que se traz nocoração, para que esse conteúdo seja positivo, iluminado pela Palavra e, assim,se comunique com os demais. Por isso o Papa Bento XVI, na sua mensagem para oDia Mundial das Comunicações, afirmou que os sacerdotes (e por conseguinte,todos os agentes de pastoral) deveriam ser anunciadores apaixonados da Palavra.

Perceba: não simples anunciadores, mas apaixonados, porquesomente assim quem receber o conteúdo dessa comunicação se dará conta de quenaquela Palavra estão as razões de sua vida.

A Igreja, com suas atividades e também com sua comunicação,deve se comunicar com o homem de hoje, a mulher de hoje, que caminha no mundo,que são amados por Deus, e lhes comunicar essa verdade: que Deus os amaapaixonadamente. Acredito que hoje essa é a grande mensagem que a Igrejaprecisa comunicar ao mundo: a ternura de Deus para com o outro. O mundo carecedessa experiência de amor gratuito e incondicional.

Mas como fazer isso se o comunicar não tiver experimentado primeirodessa ternura? Como falar daquilo que não se conhece? É por esse motivo que,embora seja necessário investir na capacitação técnica para atuar nesses meios,nessa nova cultura, a Igreja precisa, igualmente, cuidar da espiritualidade deseus agentes.

De fato, a capacitação técnica é um dos grandes desafiospara o crescimento da comunicação eclesial, pois não cabe aqui amadorismos. Masnos meios de comunicação da Igreja a espiritualidade do comunicador e otrabalho de unidade na diversidade são outros dois pontos essenciais eigualmente desafiantes.

 

Unidade na diversidade

O presidente da Comissão Episcopal para a Cultura, Educaçãoe Comunicação Social da CNBB, o Arcebispo do Rio Dom Orani Tempesta, destacouno Encontro Nacional da Comunicação, realizado no Santuário de Aparecida, emjulho de 2010, destacou que o profissional de comunicação na Igreja deve tercapacitação técnica, porém precisa, especialmente, ter uma profundaespiritualidade e uma visão de Igreja que possibilite a partilha, a ajuda mútuae a unidade.

O Arcebispo manifestou a sua preocupação com o trabalho emunidade, pelos diversos serviços e carismas na Igreja. Esse é, segundo ele, onosso grande desafio interno. “Devemos pensar como poderemos trabalhar juntos,valorizando a diversidade, porque não existe um modo de pensar único. Temos,portanto, como grande desafio o trabalhar sentindo com a Igreja, unido um com ooutro, valorizando a diversidade.”


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *