Mundo

Arquidiocese de Manaus celebrará Missa por mortos em rebelião

A Arquidiocese de Manaus (AM) informou que será celebrada uma Missa em sufrágio dos 56 falecidos durante a rebelião que aconteceu no último dia 1º no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj). A celebração será no dia 7 de janeiro, na Catedral da Imaculada Conceição, às 16h.

Em nota assinada também pelo Arcebispo, Dom Sérgio Eduardo Castriani, a Pastoral Carcerária de Manaus se pronunciou “em defesa da vida” e manifestou “solidariedade às famílias enlutadas”.

A rebelião no Compaj teve início na tarde de domingo, 1º de janeiro, e durou cerca de 17 horas. Segundo o secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, o motim se deu devido a uma briga interna entre as facções Família do Norte (FDN) e o Primeiro Comando da Capital (PCC). Além do número de falecidos, 184 presos fugiram do complexo, dos quais 144 seguem foragidos, de acordo com último balanço do governo.

Esta foi a segunda rebelião com o maior número de mortos no Brasil, ficando atrás apenas do ocorrido em 1992 no Carandiru, em São Paulo, quando 111 presos foram mortos.

O Complexo Penitenciário Anísio Jobim possui capacidade para abrigar 454 presos, mas está com superlotação, abrigando 1224 pessoas.

Na nota à sociedade, a Pastoral Carcerária afirmou “em primeiro lugar que é dever do Estado cuidar e garantir a integridade física de cada detento, oferecendo as condições para cumprimento das suas respectivas penas”.

Recordando que visita o sistema prisional há 40 anos, a pastoral reforçou ainda que tal sistema “não recupera o cidadão, pelo contrário oportuniza escola de crime, em vez de oferecer atividades ocupacionais aos internos”.

Além disso, disse considerar que “a raiz do problema carcerário no Estado do Amazonas e no Brasil é falta de políticas públicas”. Para a pastoral, “a terceirização também fragiliza o sistema, onde o preso representa apenas valor econômico”.

“Manifestamos nosso repúdio contra a mentalidade daqueles que banalizam a vida, achando que a mesma é descartável, onde se pode matar e praticar todo tipo de crime e violência contra os cidadãos (as)”, acrescentaram.

Por fim, ressaltou que “não se pode responder violência, com violência, mas com não-violência, visando uma cultura de paz”.

Fonte: ACI Digital


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *