Formação

As perseguições à Igreja Primitiva

comshalom

As perseguições da Igreja Nascente 

    O Cristianismo expandiu-se com rapidez surpreendente, apesar dos obstáculos que encontrou no mundo pagão. Vejamos, pois quais foram esses grandes obstáculos que se lhe opuseram: 

1) Já São Paulo notava que a mensagem da Cruz é “escândalo para os judeus e loucura para os gregos” (1Cor 1,23). O Cristianismo exigia renúncia à vida devassa e morte ao velho homem para possibilitar a formação da nova criatura em cada indivíduo. 

2) O politeísmo era o culto oficial do Império; parecia ameaçado pelo monoteísmo cristão, que parecia até mesmo ateísmo. Os cristãos pareciam infensos aos homens e ao Estado, pois estavam solapando as bases destes. Notemos que os romanos eram tolerantes para com a religião dos povos conquistados; colocavam os deuses destes no Panteon de Roma; teriam feito isto também com Jesus Cristo, mas os cristãos de modo nenhum aceitavam pactuar com o politeísmo. Verdade é que o judaísmo era estritamente monoteísta e, não obstante, conseguia bom relacionamento com as autoridades romanas (cf. 1Mc 14,16-24); acontece, porém, que o judaísmo era uma religião nacional, de pouco proselitismo, ao passo que o Cristianismo tinha destinação universal, voltada para todos os homens. 

3) Em particular, o culto do Imperador divinizado foi-se difundindo desde fins do século I. veio a ser pedra de toque da lealdade civil e do patriotismo; quem o recusasse, era acusado de traição à pátria. 

4) Toda a vida civil, em família ou na sociedade, era impregnada do espírito e das expressões do paganismo; assim, as festas do lar comemoravam os deuses domésticos (penates e manes); os espetáculos públicos, os torneios esportivos, as feiras de comércio, o regime militar… deixavam transparecer a sua inspiração básica politeísta. Os cristãos eram fiéis aos seus deveres de cidadãos, como lhes ensinava o Evangelho: “Daí a César o que é de César” (Mt 22,21; cf. Rm 13,1; 1Pd 2,13-17); mas não podiam participar de manifestações que, direta ou indiretamente, professassem o politeísmo. 

5) O modo de vida singular dos cristãos provocou-lhes, da parte dos pagãos, calúnias fantasiosas e duras. Eram acusados a três títulos principais: 

– ateísmo – o que seria também antipatriostismo e misantropia (ódio ao gênero humano);

– Duras falsas acusações como banquetes de orgia, nos quais se comia carne de criança; assim era entendida a Eucaristia, por vezes celebrada às ocultas por causa dos perseguidores. O culto cristão se dirigia a um asno crucificado (tal era o mal-entendido que o Crucifixo suscitava; seria “burrice!”);

– causa de calamidades públicas, como pestes, inundações, fome, invasões de bárbaros… Eram tidas como castigos dos deuses, que os cristãos irritavam por seu “ateísmo”. Esta acusação persistiu até o século V, mesmo quando as outras queixas iam cessando. Os cristãos pareciam inimigos do bem comum, lucifuga natio (facção que foge à luz), recrutada nas classes mais desprezíveis da sociedade. De modo especial, os comerciantes, os artistas, os sacerdotes pagãos, os adivinhos os hostilizavam, pois a fé cristã prejudicava os seus interesses profissionais.

    Esse clima assim criado suscitou violentas perseguições aos cristãos. Estas, de fato, ocorreram desde 64 até 313, quando Constantino publicou o Edito de Milão, que concedia a todos os habitantes do Império e, em particular, aos cristãos, plena liberdade de religião e de culto. 

Dom Estavão Bettencourt


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *