Formação

Ascensão de Jesus: Consumação do bem conquistado na Cruz

comshalom

Convido você a vir comigo para fazermos juntos, unidos à Santa Igreja, memória de um dos magníficos episódios da missão de Jesus, o Shalom do Pai entre nós. Trata-se da Solenidade de sua Ascenção, sua subida aos céus.
Essa celebração acontece 40 dias após a Solenidade da Páscoa, onde o Salvador, depois de ser crucificado, humilhado e desprezado pelos homens, impacta seus discípulos com o choque da sua Ressurreição.

Quando Jesus, o Esposo da Igreja, sobe aos céus, completa a sua missão terrena. Torna-se, então, o mediador absoluto entre Deus e os homens. Essa Sua subida não deve ser compreendida jamais como separação. Esse evento, ao contrário, deve ser como uma espécie de “GPS da graça”, que nos mostra de forma segura o caminho que nos leva ao céu. Os discípulos sentiram muito a partida iminente de Jesus, tanto que um deles disse: “Não vá, Jesus, fique conosco”. Jesus, então, explica que não pode ficar aqui, pois se não for, o Paraclito não virá (cf. Jo 16,7).

Leia, observando e mergulhando com atenção nessa bela resposta de Jesus:

“Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: ‘Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna. Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele’” (Jo 3,13-17).

Olhos voltados para o céu

Como podemos ver, essa celebração deve reacender dentro de nós o desejo do Céu. Cada fiel deve fazer uma profunda autoanálise, um exame de consciência sincero, não para mergulhar num espírito de autocondenação, mas para que seus olhos foquem-se no que é essencial. Quando rezamos a oração do Creio, lembramos a Ascensão, reafirmamos nossa fé de que Jesus está conosco.

A Ascenção, assim, deve despertar em nós a esperança, a alegria e um júbilo semelhante ao dos que retornam seguros para casa, depois de percorrerem lugares estranhos e cansativos. Essa é a alegria dos santos, dos mártires e de toda alma esposa de Deus, fiel a Jesus, o Shalom do Pai entre nós. Abra seu coração e mergulhe nesse dom. Termine sua leitura unindo-se à alegria do Salmista:

“Que alegria, quando ouvi que me disseram: ‘Vamos à casa do Senhor! E agora nossos pés já se detêm, Jerusalém, em tuas portas. Jerusalém, cidade bem edificada num conjunto harmonioso; para lá sobem as tribos de Israel, as tribos do Senhor. Para louvar, segundo a lei de Israel, o nome do Senhor. A sede da justiça lá está e o trono de Davi. Rogai que viva em paz Jerusalém, e em segurança os que te amam! Que a paz habite dentro de teus muros, tranquilidade em teus palácios! Por amor a meus irmãos e meus amigos, peço: ‘A paz esteja em ti!’ pelo amor que tenho à casa do Senhor, eu te desejo todo bem!”  (Sl 121).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *