Sem Categoria

Autenticidade dos Santos

comshalom

Não sei sobre você (leitor), mas muitos chamam a Deus de mestre dos mestres, médicos dos médicos e outros nomes que são belos e profundos, mas eu chamaria de pedagogo dos pedagogos, e agora você deve estar pensando o que isso tem a ver com o título desse texto, mas continue lendo que você vai compreender.

Certo dia, por uma graça, comecei a rezar com a vida de Santo Todos os Santos - 06Estêvão e comecei a entrar na dimensão da sua vida em aspecto geral. Ele foi diácono, mártir, um dos apóstolos, a primeira oportunidade” de conversão de Saulo e tudo mais, porém sendo assim muito interessante, uma coisa comecei a meditar e que era gente de carne e osso, e tinha gostos, desgostos, personalidade, seu jeito de ser, seus dons, forma de pensar e agir. Estêvão não era um anjo ou alguém como Maria que por graça foi reservada de qualquer mácula de pecado, mas era um homem como todos os outros, e muito piedoso (isso por graça de Deus), tanto que no dia de sua morte pediu perdão por aqueles que o apedrejavam. O que digo aqui é que Estêvão era u homem piedoso antes mesmo de ser um discípulo de Jesus, e não deixou de ser após segui-lo, contudo, um dos aspectos não mudou: ser piedoso e pronto.

Penso que o exemplo de vida de Santo Estêvão não ficou tão claro para alguns leitores, então, trago alguém mais próxima de nós, da nossa vocação, digo: Teresa de Jesus. No início de sua vida, Teresa não tinha o que poderíamos chamar de “beata”, mas havia nela muitas características marcantes sobre sua personalidade, como seu protagonismo, determinação, ousadia e mais uma vez, determinação.

Santa Teresa, mesmo no Carmelo, não tinha uma vida de uma radicalidade, era algo meio confuso ainda até ter a sua experiência com a misericórdia em que todas as suas características foram potencializadas para o Céu; alguns exemplos simples que ela era muito ousada para conseguir o que queria, determinada para alcançar o que desejava e nunca ficava por trás sempre encontrando espaço para o seu protagonismo, após sua experiência com Deus ela não deixou de lado seus dons, personalidades e autenticidades, mas usou de sua ousadia para a reforma do Carmelo e ser fiel na vontade de Deus diante dos desafios, foi muito determinada para com todas as suas fundações e sua vida de intimidade com Deus, e o seu protagonismo como mulher diante dos conflitos da Igreja na sua época, e todos os seus escritos que levaram muitos ao conhecimento de Deus através da oração.

É claro que não vou negligenciar que ela foi uma mística e também doutora da Santa Mãe Igreja, mas afirmo também que foi humana e em sua personalidade buscou a vontade de Deus que a tornou santa sem perder seu jeito, gosto, talento, ou até mesmo quem era em si, Deus se utilizou até mesmo de sua inteligência para a escrita de livros, e muito bons livros.

Todos os Santos - 05Pronto! Dois santos que adoraram o mesmo Deus, seguiram o evangelho com os desafios de suas épocas distintas, e acima de tudo, não perderam sua personalidade ou quem eram em si. Estêvão e a perseguição dos cristãos, e Teresa, na reforma do Carmelo, contudo isso, buscaram uma única coisa: o Céu.

Afim, de esclarecer bem como Deus age em sua pedagogia, queria dar mais um exemplo, que é bem simples de se encontrar na bíblia, só começar a ler as suas cartas. Saulo que pouco depois torna-se Paulo, era um homem muito conhecido pelos cristãos por sua astúcia, sua autoridade sobre os homicídios dos mesmos, coragem e por parecer não ter limites para aquilo que lhe era ordenado, mas digo que também era um homem de um intelecto admirável. Quando Deus o chamou foi designado para a perseguição dos cristãos foi se convertendo a uma ação própria da pedagogia de Deus, que deu a origem da história da sua vocação (At 9, 1-19).

É bem claro o fato de sua conversão diante de todas as suas cartas aos povos romanos, comunidade de Corinto, hebreus, tessalonicenses e muitos outros. Sua astúcia que usada para a perseguição dos cristãos começou a ser utilizada para pontos estratégicos de evangelização; sua autoridade sobre a aprovação de homicídios tornou-se autoridade sobre o anúncio do Reino de Deus e da Salvação; sua coragem começou a ser utilizada para arriscar sua própria vida na evangelização; e como era muito obediente àquilo que era ordenado, foi usando dessa obediência no apostolado ao ponto de dizer: “Ai de mim, senão evangelizar” (1 Co 9, 16). Ah ! E sua inteligência admirável não vou explicar, mas gostaria que você pegasse para ler suas cartas que inspiram a vivência de uma decisão radical por Jesus Cristo.

De certo modo, busco dar a compreensão de que Deus tem uma pedagogia pelo qual nenhum homem encontrou uma via exata. Ele nos chama a ser santos sem mudarmos quem somos, sendo livres n’Ele, sendo quem somos, basta ver os 4 evangelistas, que descrevem Cristo em seus aspectos e cada um com sua visão, sua personalidade, não de uma forma relativista, mas de uma forma pessoal.

O que peço a você, é que deixe Deus usar de seus dons, talentos, gostos, tudo para Ele, pois não tira o nosso jeito de ser ou a nossa alegria, mas nos convence cada vez mais da felicidade n’Ele, basta confiar em Sua pedagogia que é perfeita e não precisamos deixar de ser AUTÊNTICOS para seguir a Cristo, somente deixar conduzirmos por Seus preceitos.

Deus abençoe, Shalom !

Pedro Rufino

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *