Shalom

A beleza das artes no Festival Halleluya

Foto: Wallace Freitas

Durante toda a programação do Festival Halleluya é possível ser contagiado pela força das artes. O evento que é o maior festival de artes integradas do Brasil investe no âmbito cultural para evangelizar.

Musicais

Musicais são apresentados durante os intervalos da ‘Festa que nunca acaba’ e abordam temas atuais. Em 2017, em vista da comemoração dos 35 anos da Comunidade Shalom os miniespectáculos, com duração de 5 minutos, falam sobre as ações da Comunidade. Foram 5 os temas produzidos para a 21° edição do evento: Promoção Humana, Vocacional, Comunicação, Projeto Juventude e a realidade dos Centros de evangelização.

O processo criativo dos musicais esse ano iniciou-se em maio e contou com o elenco de 30 bailarinos que foram selecionados através de uma audição realizada no Espaço Halleluya no Shopping Parangaba.

A diretora das produções, Milza Gama, partilha sobre a criação das apresentações. “Utilizei muito as ideias que o elenco tinha para me oferecer. Foi um processo colaborativo de coreografias e de canto desde o início”, comenta a artista que trabalha há 7 anos com os miniespectáculos.

Milza ainda fala sobre a apresentação que irá acontecer na noite de domingo, 23, e que levará ao palco do Halleluya o mundo hippie. “Amanhã nós vamos tratar dos centros de evangelização de forma ousada. Pesquisei sobre o que acontecia na realidade da juventude do Moysés e vi que a Comunidade veio de certa forma cristificar o desejo de liberdade que os jovens, influenciados pelo movimento hippie, sentiam”.  

– Início

Os musicais começaram a serem apresentados no Festival Halleluya em vista do intervalo de tempo. “Eles começaram a existir em vista da necessidade da troca dos cantores e do material das bandas. Durante os anos na medida em que o evento foi crescendo e as leis de incentivo à cultura começaram, surgiu a necessidade de colocarmos outras expressões artísticas”, comenta Milza. A coordenadora dos musicais ainda relembrou os temas abordados. “Eram temas voltados para a realidade na época, como a copa, o Holocausto, mas sempre com interatividade”, fala.

Jingle

A noite do Halleluya sempre começa com a famosa apresentação do jingle do Festival. Os passos de dança em 2017 foram criados pelo professor e coreógrafo Sonic Dance que já trabalhou com a banda Missionário Shalom. O dançarino que faz parceria com o evento há 3 edições fala sobre o processo criativo “O nosso objetivo era fazer com que os jovens de hoje fossem evangelizados através da dança”. A proximidade do público com os artistas é gerada através da música e dos efeitos visuais. “Trabalhamos a concepção da coreografia fazendo figuras voltadas a letra da música. Colocando a energia lá em cima e não baixando a cabeça, por exemplo”.

Tainã Maciel

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *