Formação

Bento XVI rende homenagem ao trabalho

comshalom

Queridos irmãos e irmãs:

O evangelho que acabamos de escutar começa com um episódio muito simpático, maravilhoso, mas também cheio de significado. O Senhor vai à casa de Simão Pedro e André e encontra enferma com febre a sogra de Pedro; toma a mão dela, levanta-a e a mulher é curada e se põe a servir. Neste episódio, aparece simbolicamente toda a missão de Jesus. Jesus, vindo do Pai, chega à casa da humanidade, a nossa terra, e encontra uma humanidade enferma, enferma de febre, da febre das ideologias, das idolatrias, o esquecimento de Deus.

O Senhor nos dá sua mão, levanta-nos e nos cura. E o faz em todos os séculos; toma-nos a mão com sua palavra, e assim dissipa a névoa das ideologias, das idolatrias. Toma-nos a mão nos sacramentos, cura-nos da febre de nossas paixões e de nossos pecados mediante a absolvição no sacramento da Reconciliação. Ele nos dá a capacidade de levantar-nos, de estar de pé diante de Deus e diante dos homens. E precisamente com este conteúdo da liturgia dominical o Senhor se encontra conosco, toma-nos pela mão, ergue-nos e nos cura sempre de novo com o dom de sua palavra, com o dom de si mesmo.

Mas também a segunda parte deste episódio é importante; esta mulher, recém-curada, põe-se a servi-los, diz o evangelho. Imediatamente começa a trabalhar, a estar à disposição dos demais, e assim se converte em representação de tantas boas mulheres, mães, avós, mulheres de diferentes profissões, que estão disponíveis, levantam-se e servem, e são a alma da família, a alma da paróquia.

Como se vê no quadro pintado sobre o altar, não só prestam serviços exteriores. Santa Ana introduz sua grande filha, a Virgem, nas sagradas Escrituras, na esperança de Israel. As mulheres são também as primeiras portadoras da palavra de Deus do evangelho, são verdadeiras evangelistas. E me parece que este episódio do evangelho, aparentemente tão modesto, precisamente aqui, na igreja de Santa Ana, dá-nos ocasião de expressar sinceramente nossa gratidão a todas as mulheres que animam esta paróquia, às mulheres que servem em todas as dimensões, que nos ajudam sempre a conhecer a palavra de Deus, não só com o intelecto, mas também com o coração.

Voltemos ao evangelho: Jesus dorme em casa de Pedro, mas à primeira hora da manhã, quando ainda reina a escuridão, levanta-se, sai, busca um lugar deserto e se põe a orar. Aqui aparece o verdadeiro centro do mistério de Jesus. Jesus está em colóquio com o Pai e eleva sua alma humana em comunhão com a pessoa do Filho, de modo que a humanidade do Filho, unida a ele, fala no diálogo trinitário com o Pai; e assim faz possível também para nós a verdadeira oração. Na liturgia, Jesus ora conosco, nós oramos com Jesus, e assim entramos em contato real com Deus, entramos no mistério do amor eterno da Santíssima Trindade.

Jesus fala com o Pai; esta é a fonte e o centro de todas as atividades de Jesus; vemos como sua pregação, as curas, os milagres e, por último, a Paixão emergem deste centro, de seu ser com o Pai. E assim este evangelho ensina-nos o centro da fé e nossa vida, ou seja, a primazia de Deus. Onde não há Deus, tampouco se respeita o homem. Só se o esplendor de Deus se reflete no rosto do homem, imagem de Deus, está protegido com uma dignidade que logo ninguém pode violar.

A primazia de Deus. Os três primeiros pedidos do “Pai nosso” referem-se precisamente a esta primazia de Deus: pedimos que seja santificado o nome de Deus, que o respeito do mistério divino seja vivo e anime toda nossa vida; que ‘venha o reino de Deus’ e “se faça sua vontade” são as duas caras diferentes da mesma moeda; onde se faz a vontade de Deus, é já o céu, começa também na terra algo do céu, e onde se faz a vontade de Deus está presente o reino de Deus; porque o reino de Deus não é uma série de coisas; o reino de Deus é a presença de Deus, a união do homem com Deus. E Deus quer guiar-nos a este objetivo.

O centro de seu anúncio é o reino de Deus, ou seja, Deus como fonte e centro de nossa vida, e nos diz: só Deus é a redenção do homem. E a história do século passado nos mostra como nos Estados onde se suprimiu a Deus, não só se destruiu a economia, mas se destruíram sobretudo as almas. As destruições morais, as destruições da dignidade do homem são as destruições fundamentais, e a renovação só pode vir da volta a Deus, ou seja, do reconhecimento da centralidade de Deus.

Nestes dias, um bispo do Congo em visita ad limina me disse: os europeus nos dão generosamente muitas coisas para o desenvolvimento, mas não querem ajudar-nos na pastoral; parece que consideram inútil a pastoral, crêem que só importa o desenvolvimento técnico-material. Mas é verdade o contrário –disse–, onde não há palavra de Deus o desenvolvimento não funciona, e não dá resultados positivos. Só se há antes palavra de Deus, só se o homem se reconcilia com Deus, também as coisas materiais podem ir bem.

O texto evangélico, em sua continuação, confirma isto com força. Os Apóstolos dizem a Jesus: volta, todos buscam a ti. E ele diz: não, devo ir às outras aldeias para anunciar a Deus e expulsar os demônios, as forças do mal; para isso vim. Jesus não veio –o texto grego diz: “saí do Pai”– para trazer as comodidades da vida, mas para trazer a condição fundamental de nossa dignidade, para trazer-nos o anúncio de Deus, a presença de Deus, e para vencer assim as forças do mal. Com grande clareza indica-nos esta prioridade: não vim para curar –ainda que o faça, mas como sinal–; vim para reconciliar-vos com Deus. Deus é nosso criador, Deus nos deu a vida, nossa dignidade: a ele, sobretudo, devemos nos dirigir.

E, como disse o padre Gioele, a Igreja celebra hoje na Itália a Jornada pela vida. Os bispos italianos quiseram recordar em sua mensagem o dever prioritário de “respeitar a vida”, ao tratar-se de um bem do qual não se pode dispor: o homem não é o dono da vida; é, sim, seu custódio e administrador. E sob a primazia de Deus automaticamente nasce esta prioridade de administrar, de custodiar a vida do homem, criada por Deus. Esta verdade de que o homem é custódio e administrador da vida constitui um ponto fundamental da lei natural, plenamente iluminado pela revelação bíblica. Apresenta-se hoje como “sinal de contradição” com respeito à mentalidade dominante. Com efeito, constatamos que, apesar de que existe em geral uma ampla convergência sobre o valor da vida, quando se chega a este ponto –ou seja, se se pode ou não dispor da vida–, duas mentalidades se opõem de maneira irreconciliável.

De uma forma mais simples poderíamos dizer: a primeira dessas duas mentalidades considera que a vida humana está nas mãos do homem; a segunda reconhece que está nas mãos de Deus. A cultura moderna enfatizou legitimamente a autonomia do homem e das realidades terrenas, desenvolvendo assim uma perspectiva própria do cristianismo, a da encarnação de Deus. Mas, como afirmou claramente o concílio Vaticano II, se esta autonomia leva a pensar que “as coisas criadas não dependem de Deus e que o homem pode utilizá-las sem referi-las ao Criador”, então se origina um profundo desequilíbrio, porque “sem o Criador a criatura se dilui” (“Gaudium et spes”, 36). É significativo que o documento conciliar, na passagem citada, afirme que esta capacidade de reconhecer a voz e a manifestação de Deus na beleza da criação é própria de todos os crentes, independentemente da religião à qual pertençam.

Podemos concluir que o pleno respeito da vida está vinculado ao sentido religioso, à atitude interior com a qual o homem enfrenta a realidade, atitude de dono ou de custódio. Portanto, a palavra “respeito” deriva do verbo latino respicere (olhar), e indica um modo de olhar as coisas e as pessoas que leva a reconhecer sua realidade, a não apropriar-se delas, mas a tratá-las com consideração, com cuidado. Em definitivo, se se tira das criaturas sua referência a Deus, como fundamento transcendente, corre-se o risco de ficar à mercê do arbítrio do homem, que, como vemos, pode fazer um uso indevido delas.

Queridos irmãos e irmãs, invoquemos juntos a intercessão de Santa Ana em favor de vossa comunidade paroquial, a qual saúdo com afeto. Saúdo em particular o pároco, padre Gioele, e o agradeço pelas palavras que me dirigiu ao início: saúdo também os religiosos agostinianos, com seu prior geral, saúdo Dom Angelo Comastri, meu vigário geral para a Cidade do Vaticano, Dom Rizzato, e todos os presentes, de modo especial as crianças, os jovens e todos os que habitualmente freqüentam esta igreja. Que sobre todos vele Santa Ana, vossa patrona celestial, e obtenha para cada um de vós o dom de ser testemunhas do Deus da vida e do amor.

Fonte: ZENIT


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *