Shalom

Padre Douglimar prega aos participantes do Renascer

comshalom
Na manhã desta segunda feira, dia 12 de fevereiro, aconteceu no colégio Dom Bosco o segundo dia do Renascer. A pregação ficou por conta do padre Douglimar, de Fortaleza, sobre o tema: “Se posso? Tudo é possível para aquele que crê.” Para ele, nós devemos acreditar que Deus é o senhor de nossas vidas e não trocarmos essa certeza por nada.
 
“A paz e a felicidade são consequências dessa confiança”, afirmou. Nós como cristãos precisamos lutar para que os valores do evangelho sempre prevaleçam em nossas vidas e assim vamos conviver em comunhão, ao perdoar e compreender o irmão. Com isso, deixamos de lado todo ódio, rancor e ambição.
 
Dessa forma, o mal não será capaz de viver entre aqueles que tiveram ou desejam ter uma experiência com Jesus Cristo ressuscitado, já que Ele é um Deus que não nos oprime, mas nos resgata e nos segura pela mão. “Conhecendo esse amor, conheceremos a verdade e seremos livres para viver a real experiência de felicidade e confiança”, finalizou.
O período da tarde foi voltado para o momento de formação. O curso dos jovens sobre Castidade foi apresentado por Pabline Coimbra, discípula da comunidade de aliança. Segundo ela, o coração tem uma inclinação natural para o que é puro. “Quando se tem uma vida casta é possível organizar a vida afetiva”, explicou ela. Os cristãos devem seguir a castidade como um estilo de vida.
Pabline explicou aos jovens como alcançá-la. Ela fez uma comparação com o tripé, que representa o amor, pois sustenta e mantém firme a castidade. A base do tripé é constituída por três dimensões: corporeidade, afetividade e decisão. A corporeidade representa o físico como a presença, o carinho e o afeto. A afetividade é demonstrada no emocional com a confiança, alegria e o respeito. A decisão significa renúncia, sacrifício e espera. “É um tempo que purifica”, ressaltou ela. Se retirar uma dessas dimensões o tripé não se sustenta e cai. 
O curso voltado para as famílias com o tema “relacionamento conjugal” foi ministrado pelo casal Tavito e Patrícia, casados há 25 anos e consagrados da Comunidade de Aliança. O relacionamento dos dois se iniciou com um movimento de aproximação e em seguida uma percepção dos interesses em comum. “Ela foi o grande socorro de Deus na minha vida”, afirmou Tavito.
Patrícia ressaltou que junto com o amor foi crescendo o perdão porque a raiva não pode ser o grande motivo para o fim de um relacionamento. “Nós precisamos levar a sério que para Deus nada é impossível”, explicou. É um relacionamento em três pessoas com Deus no centro. Aprender a lidar com a raiva e estabelecer um limite é essencial para os dois. Se a raiva for estimulada é capaz de destruir o amor. “Um relacionamento acaba quando ambos não cuidam. Quando as características do outro te afetam é necessário aprender a conviver com essa limitação. Para isso é preciso ser misericordioso”, explicou Patrícia.
A dificuldade de comunicação pode ser um problema para os casais. Para isso, é preciso ter momentos de conversa com qualidade e aproveitar os momentos que estão juntos. “É importante o zelo pelo tempo a sós e ser criativo”, frisou ela. A oração deve estar presente em todas as atividades do casal para servir como base do relacionamento.
O curso de espiritualidade com o tema “Transformar a dor em Amor” foi ministrado por Kátia Estevão, consagrada da comunidade de aliança. Ela falou que nós vivemos em uma sociedade que não encara o sofrimento da maneira correta. Durante o curso ela esclareceu que existe uma cultura estabelecida entre as pessoas. “Quando o sofrimento chega na nossa vida não temos a força necessária para resolver e as pessoas buscam esconder o problema com algo desnecessário”, afirmou. Durante o curso ela mostrou a importância do sofrer na vida de um cristão. “O sofrimento para nós é uma oportunidade de crescimento, amadurecimento e fortalecimento”, ressaltou.
Existem dois tipos de comportamento de como as pessoas encaram a dor: algumas colocam o sofrimento debaixo do tapete e outros se fazem de vítima para os outros. Nenhum dos dois comportamentos é saudável. “É preciso dar tempo ao sofrimento”, recomenda.
Ao concluir a palestra lembrou que desde a nossa infância sofremos perdas. É preciso encarar que sempre perdemos algo durante toda a nossa vida. “O sofrimento não é para ser esquecido ou negado. É necessário direcionar a nossa dor para Deus e recebermos Dele a misericórdia “, completou.
 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *