Sem Categoria

Busca da cura

Com frequência, vemos pessoas em busca de cura dos males físicos e materiais. Religiões se movem nessa direção. Promessas por vários líderes são feitas, em nome da fé e mesmo com interesses de vantagens materiais para si, usando da carência e da boa fé das pessoas. Muitas curas acontecem pela motivação psicológica. Outras, por verdadeira confiança em Deus. Milagres acontecem. Deus os pode fazer e faz com muita frequência. No entanto, a cura física, psíquica e de efeito ou vantagem material não significa necessariamente a solução dos maiores males. Um deles é justamente a fixação nos interesses pessoais e na pouca realização do projeto de Deus.

Jesus realizou inúmeros milagres para ajudar as pessoas necessitadas a confiar nele e seguir o seu caminho. Nem sempre o povo O seguia porque Ele era o Messias, e sim por interesses pessoais. Ele mesmo lembrou-lhes isso. Mesmo se o ser humano tiver boa saúde e tudo o que quiser na ordem material, mas não acumular tesouro para a vida eterna vai adiantar pouco. “O que adianta a pessoa ganhar o mundo inteiro se vier a perder a vida?”. O tempo presente é importante e deve ser desenvolvido com boa qualidade para todos. Na sociedade, elites privilegiadas têm demais, até com salários astronômicos e são insaciáveis, inclusive na coisa pública. Maiorias sofrem sem terem o necessário para viverem com dignidade. Mas tudo deve ser usado com relatividade e em vista do sentido pleno da vida, dando base à subida para a vida eterna feliz. Nessa direção, seguir o Mestre é fundamental.

A Teologia da Prosperidade assenta base no reverso do projeto divino a nosso respeito. Deus ficaria a mercê da realização humana, promovendo seu bem estar como finalidade de tudo na vida terrena. A riqueza significaria a bênção divina. Os pobres, os párias, os sem nada são os coitados e desprezados por Deus, além de desqualificados pelos seres humanos-desumanos. Ao contrário: a verdadeira prosperidade está na conquista de dignidade, através da doação de cada em bem do semelhante.A riqueza material, o desenvolvimento econômico, científico, cultural,psíquico, tecnológico e moral ajudam o ser humano a conquistar sua dignidade. Isso, bem usado como serviço ao bem comum, vale como mérito para a conquista da vida eterna feliz. Deus vem a nós, humilde, pobre,simples e cheio de amor, misericórdia e bondade, para nos elevar à dignidade de filhos de Deus.

Imitando-O na pobreza do ser, cheio da riqueza de Deus, cada pessoa humana vai usar de tudo para uma vida de qualidade, mas na posse do ter como relativo. Dessa forma, o ser humano, esvaziado do orgulho, não coloca o que é material o principal na vida. Usa disso para realizar o bem de todos, com uma vida simples, sem ostentação, vaidade e injustiça em relação aos que nada têm. Uma coisa é miséria, combatida por Deus.Outra é a pobreza, conforme o próprio Jesus fala no Evangelho.“Bem-aventurados os pobres em espírito”. A riqueza material é boa, mas usada com este sentido de pobreza do ser diante de Deus. Quem vive essa pobreza, usa das qualidades e riquezas para o serviço ao semelhante. O acúmulo de riquezas na prática egoísta tira o valor da dignidade de quem a usa desse modo.

Quem não quer a cura dos males? A maior delas é a cura da personalidade, para ela produzir vida de qualidade para cada um. A panaceia da cura, usada às vezes teatralmente para impressionar os outros, faz-nos ter compaixão das pessoas enganadas com a prática da sugestão psicológica e pressão moral como meio de extorsão material a muitos, a despeito da focalização da religiosidade. Mesmo na base bíblica, os dons, inclusive o da cura, estão sujeitos ao dom do amor.Este faz a pessoa tornar-se solidária com os outros (Cf. 1 Cor 13).

Dom José Alberto Moura


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *