Formação

Caminhos da missão

comshalom

Depois da Conferência de Aparecida, a Igreja da América Latina já sabeque está sendo chamada para a missão. Falta encontrar os caminhos. Opróximo Congresso Missionário, a se realizar neste próximo mês deagosto em Quito, no Equador, promete indicar rumos mais concretos paraa “missão continental”, sugerida com generosidade em Aparecida, masindefinida quanto a formas e conteúdos adequados para responder aosdesafios que se apresentam hoje para a Igreja em nosso continente.

ADiocese de Jales viveu nestes dias uma experiência intensa de missão,que aponta para algumas dimensões que, sem dúvida, precisam fazer partedo projeto missionário a ser assumido daqui para a frente.

Trata-seda “semana missionária”, desta vez realizada nas periferias da cidadede Fernandópolis. E’desde 1995, quando foi realizado o CongressoMissionário em Belo Horizonte, que a Diocese vem realizando sucessivas“semanas missionárias”, que continuam produzindo bons frutos deevangelização, e oferecendo preciosas lições que vão sendo recolhidaspara servirem de referência segura para o novo plano diocesano depastoral que está sendo aos poucos definido.

A “semanamissionária”, desde o início, tem sua característica assinalada peloenvolvimento de toda a diocese. As atenções se voltam para uma regiãodo seu território. Lá se fazem presentes os padres, as irmãs, e umbatalhão de missionários e missionárias leigas, junto com o bispodiocesano, com a disposição de visitar todas as casas, osestabelecimentos comerciais e industriais, as diversas entidades, asinstituições. Procura-se levar uma presença amiga, de diálogo, dereflexão. Cria-se um contexto favorável para a abertura de fé, que podese expressar pela leitura do Evangelho e uma oração de bênção, deacordo com as circunstâncias. Busca-se uma atitude de escuta e dediálogo com as pessoas, procurando se evitar toda forma de proselitismoreligioso.

As reiteradas experiências vem indicando algumasdimensões que podem desenhar o perfil da “missão permanente”, a serintegrada como componente constante da ação evangelizadora a ser levadaadiante por toda a diocese.

Em primeiro lugar, a importância dapresença junto às famílias, indo ao seu encontro, batendo à sua porta,e chegando de maneira gratuita, sem nenhum intuito de censurar ou deforçar adesões eclesiais.

Disto decorre também a importânciado clima de diálogo, na procura de compreender as situações vividashoje pelas pessoas, possibilitando que elas possam desabafar angústiasou ressentimentos.

Junto com o diálogo emerge a atitude derespeito, que evita julgamentos precipitados, e deixa a porta abertapara ulteriores contatos que a comunidade é chamada a colocar em suaagenda.

A presença faz sentir a necessidade da Igreja se fazerpróxima, colocando-se mais ao alcance do povo, seja na organização dosseus serviços comunitários, como também no seu linguajar e na suacomunicação.

Este clima permite, com muita freqüência, aevocação direta do Evangelho de Cristo, que mostra melhor sua validadequando incide sobre situações bem concretas vividas pelas pessoas.

Asvisitas às instituições despertam o espírito de solidariedade paraenfrentar os muitos desafios sociais. O reconhecimento dos esforçosfeitos, seja através de entidades comunitárias, ou de políticaspúblicas, abre espaço para a válida contribuição da Igreja, que naverdade lhe confere credibilidade e apreço. Na medida que a Igrejademonstra comprometimento com as causas sociais, passa a ser olhada comrespeito, e a tem sua identidade mais definida e reconhecida.

Nãoparam aí as observações que a diocese vai colhendo. Mas estas já servempara indicar que a missão não se reduz a uma atividade esporádica, nemé alheia à sua identidade. Ao contrário, na medida em que a Igreja sevolta para a missão, encontra nela sua realização verdadeira. E’ namissão que a Igreja reconhece sua verdadeira identidade.

A verdadeira face da Igreja vai sendo desenhada pelo cumprimento de sua missão.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *