Sem Categoria

Carmelo e Shalom é uma boa mistura e faz bem a todos, diz Frei Patrício Sciadini

Na tarde desta sexta-feira, 08, dia da Natividade de Nossa Senhora, a Comunidade Católica Shalom reuniu-se na Basílica de Santa Maria Maior em Roma. O momento mariano iniciou com uma  consagração à Maria. Logo em seguida, deu-se início a celebração eucarística presidida por Frei Patrício Sciadini, religioso da Ordem Carmelitana Descalça.

O Frei  partilhou sua alegria de ter participado do encontro da Comunidade com o Papa Francisco na última segunda-feira, dia 4. “No dia 4 deste mês de setembro tive uma confirmação: que o Papa Francisco e a Igreja entraram em cheio no coração da Comunidade Shalom e que a Comunidade Shalom entrou no coração do Papa Francisco. É uma grande alegria ver e pensar naquela celebração onde as palavras do Santo Padre, o Papa, foram palavras que iluminam o caminho. O Papa se colocou na escuta, tentou dar uma resposta e indicou aquilo que deve ser a Comunidade. Um fermento, uma força, uma luz em todos os lugares”, disse o Carmelita.

Citando liturgia do dia, Frei Patrício destacou alguns pontos. Primeiro: a pequenez. “Uma certeza: Deus faz grandes coisas com os pequenos. Deus busca alguém que seja insignificante, que não tenha poder, mas tem o coração aberto. E quando Deus encontra um coração aberto, Ele entra e faz grandes coisas”. Recordando a fundação da Comunidade, o Frei destacou como Deus fez de uma pequena lanchonete, uma grande beleza. “Pensar que a Comunidade Shalom foi Moysés que fez nascer seria um erro, que foi a Emmir, seria outro erro. Quem fez nascer foi Deus. Deus escolhe os pequenos, porque a humildade diante de Deus não é dizer a Deus que nós somos incapazes”.

Um outro ponto destacado na homilia foi a sensibilidade de Maria em perceber a falta do vinho nas bodas de Caná. “Se nós não compreendemos aquilo que falta ao nosso irmão, se tu não compreendes, como você pode resolver a tristeza do teu irmão, a pobreza do teu irmão, a falta de fé? Qual é o vinho que hoje falta em mim? Falta-me o vinho da fé? Falta-me o vinho da esperança?”.

Por fim o celebrante parabenizou a Comunidade pelos seus 35 anos. “Parabéns à Comunidade Shalom. Parabéns a cada um de vocês. E que nós juntos, possamos, onde Deus nos colocar, sermos uma presença silenciosa de Deus, mas com o rosto transparente desta alegria de pertencer a Cristo Jesus. A maior alegria, o maior sonho que eu tenho na minha vida é se um dia posso chegar a dizer, como Paulo, apóstolo: “Não sou mais eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim””, concluiu.

Moysés Azevedo agradeceu ao frei pela sua presença e sua disponibilidade.  “Nesta caminhada de 35 anos, você faz parte conosco e nos ajudou a conhecer e amar mais os santos do Carmelo, Santa Teresa, São João da Cruz e Santa Teresinha.“Quando se ama não existe distância”, disse o fundador.

Por fim, o Frei falou do seu carinho pela Comunidade e sua expectativa pela ida do Shalom para o Egito, onde o mesmo mora.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *