Shalom

Céu de chaves fica colorido ao receber a primeira Festa das Cores da cidade

A cidade é pequena e de qualquer ponto era possível ouvir as batidas eletrônicas usadas inicialmente para atrair a juventude até o local.

comshalom

Antes de você começar a ler essa matéria me permita pedir desculpas, pois palavras jamais serão suficientes para descrever o clima, a sensação e a energia que envolveu todo povo de Chaves, na Ilha do Marajó, durante a Festa das Cores, promovida na última quinta-feira, 15, no gramado entre a Prefeitura da cidade e o Colégio Magalhães Barata. Achou estranha essa referência do local? Pois é, é assim que as pessoas se localizam na região, por meio de pontos de referência e não pela tradicional classificação por ruas.

A cidade é pequena e de qualquer ponto era possível ouvir as batidas eletrônicas usadas inicialmente para atrair a juventude até o local. Aos poucos, vários grupos de crianças, jovens, adultos e idosos, ainda tímidos, se aproximavam da tenda da festa e eram convidados pelos missionários do Programa de Voluntariado Shalom para participar do evento.

Wallace Freitas

Ainda com o sol raiando no céu começaram a serem distribuídos os saquinhos com o pó colorido e nos semblantes dos participantes nativos era possível perceber a expectativa e a ansiedade por viverem aquela novidade. “Vamos juntar todo mundo pertinho e no três o DJ  vai soltar a música, daí eu quero ver todo mundo sair do chão e colorir o céu de Chaves”, disseram os animadores da festa, Samuel Costa e Francisco Leonardo.

1,2,3! Sorrisos, pulos, abraços, fotos, afeto e muita animação. A alegria de ser de Deus tomou conta do espaço e aqueles que estavam inibidos puderam tocar no Shalom da Paz de um jeito simples e ao mesmo tempo inovador para os habitantes do local. Segundo Silvânia Chagas, coordenadora apostólica da missão, sempre foi um desejo dos missionários locais realizar a festa das cores, “a presença dos voluntários foi mais um impulso para executarmos aquilo que Deus já havia nos inspirado. Alguns dos jovens que estavam ali descobriram naquela noite que é possível ser feliz sem o uso de drogas ou bebidas”.

Wallace Freitas

Na manhã desta sexta-feira, 16, os missionários, Renata Sara e João Figueiredo, saíram para fazer compras e disseram que a cidade amanheceu diferente. Vários estabelecimentos doaram alimentos para o preparo da refeição dos voluntários na cidade em agradecimento a noite anterior. “As pessoas estão com semblantes mais alegres e me olharam de um jeito que transpassa gratidão. Percebi isso não só dos participantes, mas daqueles que apenas assistiram o evento de longe, mas que certa maneira foram tocados por esse amor que nos ultrapassa”, destacou Renata.

 

Samuel Costa

Missionário da Comunidade Católica Shalom (Missão BH)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Linda e tocante esta matéria! Louvo a Deus por essa missão. Este é o verdadeiro sentido do chamado de Jesus. Ide e pregai o Evangelho! Que Deus abençoe grandemente a missão da Shalom