Mundo

China proíbe evangelizar pela internet

A proibição representa o último avanço na política de “chinização” do presidente Xi Jinping, que coloca a identidade nacional e a crença política comunista sobre a fé religiosa.

comshalom

O governo chinês aumentou as medidas para reprimir crenças e práticas religiosas, proibindo que os atos religiosos de oração ou pregação possam ser transmitidos online através das redes sociais e da internet.

Os novos regulamentos foram publicados no site de informações legais do governo em 10 de setembro.

Sob as novas “Medidas para a gestão da informação religiosa na Internet”, os grupos ou igrejas que quiserem manter um site religioso precisarão de uma permissão emitida pelo governo que certifica que o seu conteúdo é politicamente aceitável.

A evangelização online é estritamente proibida, assim como os materiais destinados à conversão dos leitores. Os recursos catequéticos ou instrucionais não podem ser publicados abertamente online e devem ser restritos a redes internas acessadas com nomes de usuário e senhas registradas.

A proibição representa o último avanço na política de “chinização” do presidente Xi Jinping, que coloca a identidade nacional e a crença política comunista sobre a fé religiosa. Ao mesmo tempo em que foram publicadas as novas regras, surgiram relatórios de mais igrejas fechadas em várias províncias.

Segundo China Aid, uma organização norte-americana que apoia os cristãos perseguidos, na primeira semana de setembro os funcionários do governo na província de Henan lançaram uma onda de restrições contra os cristãos locais. Estas incluem a eliminação e destruição das cruzes colocadas nos edifícios das igrejas e confiscação de propriedades.

Outros relatórios incluem relatos de Bíblias queimadas e de cristãos obrigados a assinar declarações de apostasia.

Estas ações fazem parte de um grupo de igrejas fechadas e demolidas na China, depois de grandes mudanças na política religiosa do governo em fevereiro de 2018.

As mudanças, que restringiam a ida aos lugares de culto e proibiram as crianças de assistir aos serviços religiosos, também colocaram a Associação Patriótica Católica Chinesa sob a supervisão direta do Partido Comunista.

Esta Associação é fiel ao governo chinês e rechaça a autoridade da Santa Sé na nomeação dos bispos e no governo da Igreja.

As novas limitações sobre a liberdade religiosa e a introdução da política de “chinização” coincidiram com outras reformas constitucionais que consolidaram a posição do presidente Xi.

Em um comunicado publicado no site China Aid, Dr. Bo Fu, presidente da organização, descreveu a campanha recente como uma “repressão em massa” à liberdade religiosa pelos funcionários do governo e disse que era motivo de grave preocupação.

“Agora que o Partido Comunista Chinês começou a queimar Bíblias e coagir milhões de crentes na fé cristã e outras minorias religiosas, para inclusive assinar um compromisso por escrito de renunciar suas crenças religiosas básicas, a comunidade internacional deveria ser alarmada e indignar-se por esta flagrante violação da liberdade de religião e de crença e exigir que o regime chinês impeça e solucione esta situação perigosa”, disse.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *