Sem Categoria

Como são escolhidos os nomes dos furacões

Depois de Harvey e Irma, é a vez de José. Todos os furacões tropicais têm um nome próprio, escolhido com antecipação e fácil de recordar.

Trata-se de uma prática antiga. O uso de um nome curto reduz o risco de erro. “É muito mais fácil de memorizar do que uma cifra ou um termo técnico”, explica a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

“Um nome facilita o trabalho da imprensa, reforça o impacto das advertências e ajuda na preparação das populações”, segundo a OMM, órgão da ONU.

As propostas de nomes são feitas por organismos regionais.

A OMM, que dispõe de correspondentes em cada região, se pronuncia a respeito e intervém para evitar possíveis polêmicas.

Dessa forma, em 2015, retirou “Isis” da lista de futuros furacões na região Pacífico-Norte, já que o nome da deusa egípcia também é um dos acrônimos em inglês do grupo extremista Estado Islâmico.

O Centro Nacional de Furações dos Estados Unidos tem seis listas de nomes, para o Caribe, o Golfo do México e o Atlântico Norte, que utilizada uma a cada ano.

As listas seguem uma ordem alfabética e pulam as letras difíceis de encontrar um nome, como Q e U.

Ao final de seis anos, retomam a primeira lista. Mas, quando um furacão provoca muitas vítimas e danos, o nome é retirado da relação. Dessa forma, nunca mais haverá um “Katrina”.

O ano de 2017 começou com Arlene, seguido de Bret, Cindy e Don.

Irma figura na nona posição. Depois de Jose, virão Katia, Lee e Maria.

Os nomes são ingleses, espanhóis e franceses em referência aos países potencialmente afetados.

Desde o final do século XVIII, os ciclones são batizados. Até o o início do século XX, os que atingiam as ilhas espanholas do Caribe eram chamados segundo o santo padroeiro do dia.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os marinheiros americanos começaram a batizar os ciclones com os nomes de suas mulheres ou namoradas.

Em 1953, o Escritório Metereológico americano começou também a usar nomes de mulheres, mas, nos anos 1970, as feministas protestaram contra esta associação com um fenômeno devastador.

Em 1979, foi estabelecida a paridade, com uma alternância de nomes próprios femininos e masculinos.

Aleteia


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *