Formação

Como se entende a virtude da Fortaleza nos séculos e culturas

comshalom

A fortaleza pode ser entendida como característica e como virtude. No primeiro caso é um traço do carácter e do temperamento, uma realidade psicológica, que tanto serve para o bem como para o mal. Implica a segurança de si mesmo, a valentia, a firmeza de ânimo, o entusiasmo. Pode ser admirada, mas só é moralmente digna de estima ao colocar-se ao serviço do bem. É, então, uma virtude moral.

É uma virtude cardeal; à sua volta giram todas as outras. É uma modalidade perfectiva presente em todo o âmbito do agir moral; entra como constitutiva de todos os comportamentos virtuosos; sem ela não haveria vida moral. É condição necessária, embora não suficiente, de todas as virtudes e de toda a moralidade. A fortaleza aparece enumerada no núcleo das virtudes morais fundamentais em Platão (Rep. II,7) e Aristóteles (EN, 1115-1130). A sua perspectiva foi recebida e transmitida pela tradição filosófica e teológica ocidental (S. Tomás de Aquino, S. Th. Ia-IIae, q. 66, a.4; IIa-IIae, q. 123).

Como virtude moral assegura, no meio das dificuldades e obstáculos, que podem chegar a ser muito grandes, a firmeza e a constância na promoção e na prática do bem. Faz com que a pessoa domine o medo e a temeridade, nas situações de dificuldade e de perigo. Perante os males, mantém a vontade no bem; pode chegar ao sacrifício da própria vida, na defesa da causa justa.

Ao lado da fortaleza como virtude humana, está a fortaleza, dom do Espírito Santo, que a aperfeiçoa. É um dom que excede as forças da natureza humana, impele à prática das virtudes, imprime confiança invencível para superar dificuldades, proporciona energia inquebrantável para realizar o bem, destrói a mediocridade para suportar as piores tribulações, capacita para o heroísmo. O martírio é a sua forma mais elevada.

A fortaleza exprime-se em dupla acção: no acometer ou empreender, ao procurar positivamente o bem; e no resistir, ao não retroceder, mesmo com graves sacrifícios, na sua prossecução.

Apresento aqui  em primeiro lugar as duas vertentes complementares: a virtude humana e o dom do Espírito (Willem J. Eijk). Depois, destaco como a fortaleza é entendida no Antigo Testamento: um atributo de Deus que o manifesta ao intervir na história dos homens (Adalbert Rebic). Por seu lado, o homem sendo fraco, é fortalecido por Deus.

É em virtude da fortaleza que se viveu e vive de modo heróico, às vezes até à entrega da própria vida, no testemunho supremo do martírio.

A referência à virtude e ao dom da fortaleza é recorrente na liturgia. A unção com óleo é o sinal sacramental que nos revela o dom do Espírito de aos fiéis;

A fortaleza no âmbito secular foi vivido de modos diferentes, consoante os tempos e as culturas. Nalguns casos há uma alteração significativa; por exemplo, antes exaltava-se a fortaleza do guerreiro, agora a do lutador não violento e do pacifista. Personalidades como Gandhi e Luther King, testemunhos na Argélia, no Ruanda e na ex-Jugoslávia, organizações como a Pax Christi e a Amnistia Internacional são disso exemplo.

O âmbito da virtude da fortaleza é, actualmente, entre outros, o empenhamento na construção de um mundo mais humano, nomeadamente na resistência a situações de injustiça e escravidão.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *