Formação

Conhecia o homem por dentro

comshalom

Quandoo Evangelho proclamado e meditado no 3º Domingo da Quaresma (Jo2,13-25) ressoou no coração, foi uma experiência muito forte em que noscoube uma salutar reflexão sobre o mistério da identidade mais profundado homem. O zelo que tem Jesus pela Casa do Pai também diz respeito aotemplo interior, que é o coração do homem, espaço de intimidade, moradade Deus e lugar da graça, das virtudes, da força para praticar sempre obem. Coração, lugar do amor. Nesse sentido é compreensível a indignaçãoque sente Jesus quando o “Templo de Deus” é profanado, transformado emcomércio e corrupções. Deus é misericórdia e é justiça. Sua Salvaçãopede sempre de nós a acolhida livre do coração e as disposições paraviver a fé.

Nofinal do texto algo muito importante também nos chama a atenção e nosremete para uma reflexão atualíssima no que diz respeito aoconhecimento sobre o homem nos tempos modernos. Diz a narração: “Jesusestava em Jerusalém durante a festa da Páscoa. Vendo os sinais querealizava, muitos creram no seu nome. Mas Jesus não lhes dava crédito,pois conhecia a todos; e não precisava do testemunho de ninguém acercado ser humano, porque ele conhecia o homem por dentro” (Jo 2, 23-25). Éclaro que isso não quer dizer que Jesus fosse contrário ao saber humanosobre a compreensão da pessoa, mas não compactuava com quem usava esseconhecimento para manipular os outros e para banalizar os valores noque dizem respeito à Vida, à religião, às relações e ao Sagrado.

Quandoavaliamos a atuação das “Ciências da Vida”, ou as Ciências Humanas eSociais, sempre amparadas pela “Técnica Moderna”, não podemos negar queconstituem assim grandes dons que a humanidade já conheceu. O que seriade nós sem as maravilhosas descobertas científicas, tais como ainvenção dos óculos, as vacinas, as cirurgias, os remédios, osantibióticos, os exames mais diversos, de forma especial o pré-natal,os transplantes de órgãos, a doação de sangue, o acompanhamentopsicológico e psiquiátrico, etc. É indiscutível o benefício e acolaboração das Ciências para toda a humanidade e, principalmente, paraa melhoria das condições de vida dos que estão marcados pelaenfermidade.

Noentanto, também a Ciência precisa considerar seus princípios e valores,missão e objetivos, marcados por um limite ético nas suas ações. Issose faz necessário porque “o homem jamais veio a se tornar uma paixãoinútil”, como afirmou o filósofo Sartre. Acima de tudo, o objeto damissão da Ciência é a promoção da Dignidade humana em toda e qualquercircunstância. Toda pessoa quer ser feliz, mas essa felicidade não podeser alcançada arbitrariamente. Há sempre que levar em consideração oâmago de cada pessoa, a inviolabilidade e sacralidade da sua vida. Cadapessoa tem o supremo dom da liberdade que deve fazer o bem, como deveser objeto do bem dos outros. Junto à sua consciência, essa liberdadedeve ser iluminada pela reta razão. Não uma razão doentia, que seauto-proclama “assassina de Deus”. “Se Deus morre”, também morre ohomem. “Quem exclui Deus de seu horizonte falsifica o conceito derealidade” (Bento XVI, Aparecida, DI).

Avida humana nunca poderá ser valorizada quando encaixada numa lógicairracional e puramente utilitarista. Uma pessoa é, inconfundivelmente,- em qualquer situação ou circunstância – sempre uma pessoa. Nunca sedeve escolher uma vida em detrimento de outra. O princípio ético,filosófico e teológico: “o fim não justifica os meios”, permanecevital. As “ciências” se comportam hoje com a pretensão de conheceremmais o homem do que o próprio Deus. As reações observadas são dedesconsiderações a toda e qualquer defesa à dignidade do homem porparte de quem o acompanha a dois mil anos, no caso, a Igreja. Ela é –como diz Paulo VI – “perita em humanidade”. Esta expressão não é“chavão”, mas realidade que deve ser levada em consideração. A Igrejanão segue um personagem da história passada, mas a Cristo. “As dores eas alegrias, as angústias e as esperanças do homem são as da Igreja”.Ela está no “Caminho do Cordeiro” (cf. Ap 14,4), segue-oinconfundivelmente. Marcada pela finitude porque também é constituídapor homens mortais, não está a Igreja fora da infinitude porque ela é oCorpo de Cristo, Sacramento Universal da Salvação. “Somente Cristorevela ao homem verdadeiramente quem ele é” (cf. C. Vaticano II, GS22). Jesus conhece o homem por dentro. Cristo é o vivente que caminhaao nosso lado. Assumiu as dores as chagas do homem. Amou-o quando aindaera pecador e rebelde. Portanto, podemos nos afligir com as dramáticasquestões do homem moderno, mas jamais estaremos desorientados econfusos. Jamais voltaremos atrás na sua defesa e promoção dadignidade, felicidade e salvação.

Jesusconhece o homem por dentro. Ele é a referência e não nós, muito menos apretensa cultura que banaliza o seu próprio fim. As genialidades dohomem não podem continuar a se voltarem contra ele mesmo. A Ciênciaprecisa ter a “consciência do indivíduo” no seu valor único einsubstituível, como fala santo Tomás de Aquino. É preciso que noslivremos da escravidão de um individualismo cruel, do agir e julgarsempre na condição do “para mim, ou do que eu acho…” E perguntamos:Será mesmo que somos a referência? O que significam os Mandamentos deDeus inscritos no coração do homem? Jesus não destruiu os mandamentos,mas condenou o legalismo. Como é necessário esclarecer as consciênciasdas pessoas para que suas decisões sejam na luz de uma reta razão edaquela verdade natural fundamental: “faze o bem e evita o mal”. Quantaconfusão nos nossos tempos porque existem pessoas manipulando asconsciências dos outros e induzindo-as ao mal, ao assassinato dodireito de exercerem o princípio inalienável da defesa da vida. Tão bemexpressou Chiara Lubich, na sua recente “Palavra de Vida” (março /2009): “A coisa mais absurda que você pode observar neste mundo é, deum lado, a presença de homens desorientados, sempre em busca de algumacoisa, os quais, nas inevitáveis provações da vida, sentem a angústiadas privações, a necessidade de ajuda e a sensação de orfandade”.

Jesusconhecia o homem por dentro (Jo 2,25). Esta verdade parece mesmo chocara atitude presunçosa de quem se ver no direito de matar e destruir avida humana em nome da evolução e da modernidade. Razão evoluída eações irracionais são o que vemos. No entanto, parece que falta em boaparte dos cristãos a autenticidade da fé, a coragem e o zelo pela vida,templo de Deus que não deve ser profanado em circunstância alguma.Conceda-nos, Senhor, a coragem de caminhar para o “Cristianismo dosGuetos”, se assim for tua permissão, mas que a coragem do profetismotome o lugar da omissão e da cumplicidade com a barbárie vista eaplaudida pelos que se dizem teus seguidores, e que ainda recebe o nomede colaboradores do progresso. Conceda-nos, Senhor, a têmpera dosmártires para que a primeira corrupção a ser banida seja a da nossaconsciência e do templo do nossos corações, lugar que escolheste parahabitar.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *