Formação

Considerações sobre o Desenvolvimento do Estado e dos Municípios:

comshalom

– A Constituição de 1988 (artigos de 5 a 17) garante osdireitos e os deveres dos cidadãos mediante o exercício democráticoparticipativo.

– Na gestão do bem público as iniciativas e decisõespolíticas do Estado devem se integrar com a co-responsabilidade dos cidadãos.

– No exercício democrático participativo há mediações queviabilizam maior controle social. Lembramos alguns:

– Cada município elabore o seu Plano Plurianual (PPA), oPlano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Rural (PDDU), o orçamentoparticipativo em conformidade com as Leis e Diretrizes Orçamentais (LDO) e aLei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

– Cada município organize conselhos paritários, ao menos nasáreas prioritárias de educação, saúde, segurança, desenvolvimentosustentável…

– Nesses conselhos, as lideranças tomem assento, devendo-secapacitar para exercer o controle social, acompanhando a trajetória dosgestores públicos.

– As mesorregiões articulem seus municípios afins e elejamduas ou três prioridades que possibilitem o desenvolvimento regional.

– Realizem fóruns permanentes, consórcios e parceriasintermunicipais. Os municípios receptores das águas do Rio São Franciscoorganizem comitês das bacias hidrográficas (são 11 na Paraíba, subdivididas emtrês regiões).

– Realizem o saneamento básico e educação sócio-ambiental,possibilitando nichos produtivos, criação dos pequenos e médios negócios pelosistema cooperativista, integrados com o agronegócio e agricultura familiar.

25. Considerações sobre o sistema de carga tributária:

– Questiona-se por que o Governo cobra impostos altíssimos;absorve a poupança privada e não enxuga gastos com a sua máquinaadministrativa.

– Usa de 34% a 40% de impostos para financiar o seu déficit,deixando de investir nos setores produtivos – essenciais para o crescimentoeconômico local e regional. Como garantir inclusão

social sem investir nos setores produtivos (comércio,indústria, agricultura familiar, agronegócio, etc.)?

– O atraso e a exclusão social devem-se à ausência deinvestimentos nas esferas prioritárias da educação, saúde, ocupaçãoprofissional qualificada com tecnologia e infraestrutura modernas. Como tornarnossas regiões estaduais e intermunicipais competitivas, como nos paísesdesenvolvidos? A resposta é óbvia: investir nos setores privados, emmicrocréditos para pequenas empresas, na cidade e no campo, capacitação depessoal para serviços qualificados realizados em sistemas de cooperativas.

– A carga tributária de 30% a 40% impede o crescimento equebra empresas pequenas, médias ou grandes. Grandes empresas recolham oimposto na fonte, proporcional à canalização para a respectiva responsabilidadesocial. Unifique-se o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço),além de mais outras cinco alíquotas que incidem sobre os produtos. Integre-seisso num imposto único, IVA (Imposto sobre o Valor Agregado), simplificando oICMS, os Impostos sobre Serviços (ISS) e o Imposto sobre ProdutosIndustrializados (IPI) e outros tributos.

– Reduzindo custos e enxugando gastos públicos é possívelinvestir no desenvolvimento da educação e saúde, contanto que sejamfiscalizados contra o desvio de verbas (vide educação, saúde, trabalho).

26. Encaminhamentos: seria possível a celebração de um pactosocial pela Paraíba?

– Questiona-se a garantia de continuidade dos projetos depolíticas estruturais, permanentemente ampliadas pelo processo de avaliação eprospecção, equidistante de grupos de gestores e de partidos que tentam serevezar no poder.

– É de todo desejável e indispensável a capacitação paragestores: cursos permanentes de gestão administrativa dos bens públicos,evitando a promiscuidade de gerenciar bens públicos confundidos como bensparticulares, evitando o sorteio de cargos a apadrinhados políticos, quandodeveriam ser gerenciados por técnicos competentes.

Urge um pacto social integrando um projeto dedesenvolvimento do Estado com um redesenho do modelo sócio-político-econômicodo Estado.

A proposta da reformulação da legislação partidáriaconsidera entre as medidas urgentes:

– Fidelidade partidária, evitando formas de oportunismo,legenda de aluguel;

– O sistema de voto distrital misto ou puro;

– Cláusula de barreira, evitando barganhas fisiológicas ecompra de votos pelas “raposas da política”;

– Financiamento público das campanhas coibindocomprometimento com os corporativismos;

– Referendo sobre o Sistema Parlamentarista de Governo.Nossa Constituição Federal é Parlamentarista, mas nosso regime éPresidencialista.

Cartilha para Participação do Povo de Deus nas Eleições e na Construção da Cidade e da Cidadania

– Participação do Povo de Deus nas Eleições »»
– Roteiro da construção da cidade e da cidadania »»
– Propostas para serem analisadas »»
– Considerações sobre o Desenvolvimento do Estado e dos Municípios »»
– Poderes: Legislativo, Executivo e suas funções »»


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *