Formação

Crer no amor

comshalom

Frei Gabriel de Santa Maria Madalena, OCD

Na criação, tanto amou Deus o homem, que o fez à sua imagem e semelhança. Na redenção amou-o até se fazer semelhante ao homem. O Filho de Deus, “nascendo de Maria Virgem … fez-se verdadeiramente um de nós, em tudo semelhante a nós, exceto no pecado” (GS 22).

O Natal é, por excelência, a festa do amor! Do amor que se revela, não nos sofrimentos da cruz, mas na amabilidade de um Menino, nosso Deus, que estende ao mundo os braços, para fazê-lo compreender que o ama. Se a consideração da justiça infinita pode mover a maior fidelidade no serviço de Deus, quanto mais a consideração do seu infinito amor! Para correr no caminho dos mandamentos divinos, precisa o homem dilatar o coração na convicção da infinita caridade de Deus.

Eis por que é eficacíssima a contemplação do mistério natalino! “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e contemplamos a sua glória, glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo 1,14). Mas em Belém, a glória do Verbo Eterno, consubstancial ao Pai, como ele eterno, onipotente, criador do universo, está inteiramente escondida em um Menino que, desde o primeiro instante de sua vida terrena, não só compartilha plenamente de todas as fraquezas humanas, mas experimenta-as nas condições mais miseráveis e abjetas.

“Recordai-vos, ó Criador do mundo – canta a Liturgia natalina – que um dia, nascendo do seio puríssimo da Virgem, tomastes um corpo semelhante ao nosso… Só vós, do seio do Pai, viestes salvar o mundo” (BR). A comovente prece fala ao coração de Deus e fala ao coração dos fiéis: a Deus, recorda as maravilhas realizadas por seu amor, para a salvação dos homens; aos fiéis repete a grande verdade: “Deus é amor”. Diante da manjedoura de Belém cumpre repetir sem cessar: “E nós conhecemos e cremos no amor de Deus por nós” (1Jo 4,16).

“Deus é amor!” (1Jo 4,16). O tesouro encerrado nesta palavra da Sagrada Escritura é imenso! É o tesouro que Deus descobre e revela a quem sabe concentrar-se totalmente na contemplação do Verbo Encarnado. Enquanto não compreendemos que Deus é amor infinito, infinita benevolência que se dá e estende a todos os homens para lhes comunicar seu bem e sua felicidade, nossa vida espiritual permanece em gérmen, não está ainda desenvolvida, nem é ainda profunda. Só quando o cristão, iluminado pelo Espírito Santo, penetra o mistério da divina caridade, sua vida interior atinge a plenitude, a maturidade.

Não podemos compreender melhor o amor infinito de Deus, do que aproximando-nos da pobre manjedoura, onde está encarnado por nós. Jesus, o Verbo, a Palavra do Pai, diz a todos e a cada um a grande palavra: Deus te ama!

As virtudes e os atributos divinos descobrem-se em Deus por meio dos sublimes mistérios do Homem-Deus, ensina S. João da Cruz (C 37,2), e entre estes atributos, o primeiro é sempre o da caridade, que constitui a própria essência divina. Da contemplação amorosa e silenciosa de Jesus Menino, nasce uma consciência mais profunda e penetrante do seu infinito amor: não é somente crer, é, de certo modo, experimentar que Deus nos ama. Então aceita a vontade, plenamente, o que lhe ensina a fé, aceita-o com amor, com todas as forças e a criatura se lança inteiramente a crer no amor infinito. Deus é caridade! Esta verdade fundamental de toda a vida cristã penetra-lhe profundamente no coração; sente-a, vive-a porque quase a apalpou em seu Deus encarnado; e quem assim crê no amor infinito saberá dar-se a ele sem medida, totalmente.

Extraído de: Madalena, Gabriel de Sta. Maria. Intimidade Divina. São Paulo: Loyola, 1988, pp. 107-108.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *