Mundo

Crise de refugiados é oportunidade para testemunho cristão

A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos sugere este ano o envolvimento de todos os cristãos na assistência por exemplo aos refugiados na busca de novos lares

Está em curso até à próxima quarta-feira, 25, a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, este ano marcada pela recente viagem do Papa Francisco à Suécia, por ocasião dos 500 anos da Reforma Protestante.

Em entrevista à Agência Ecclesia, de Portugal, João Luís Fontes, do Grupo Ecumênico Jovem, considera que o fato de o Papa “não ter enviado ninguém, ter ido ele próprio, é um sinal de que assume o diálogo ecumênico como uma urgência e sobretudo que é fundamental que os cristãos se unam no testemunho que dão em relação ao mundo”.

“Não no sentido de dominarem mas de tornarem credível, pela sua comunhão, por serem reconciliados, a verdade desta reconciliação que Cristo traz”, acrescenta.

João recorda que “o Papa não se tem cansado de repetir que áreas como a reconciliação, a paz, a justiça e a dignidade humana são áreas fundamentais do ser cristão no mundo, e que os cristãos as podem fazer ecumenicamente”.

É também nesse sentido que o documento de reflexão da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos sugere este ano o envolvimento de todos os cristãos na assistência por exemplo aos refugiados na busca de novos lares.

“Aqui o princípio é muito simples, se a fé for vivida na verdade, ela tem que necessariamente marcar a vida das pessoas e transformar a vida das pessoas. E isso não se situa apenas ao nível da cabeça, das ideias e teorias, mas situa-se em gestos concretos”, aponta João Luís Fontes.

O membro do Grupo Ecumênico Jovem recorda que o Papa, durante sua viagem à Suécia, não só apontou “o ecumenismo como um caminho irreversível” mas “juntou à questão dos refugiados” outras interpelações “muito concretas”, como “o terrorismo, a questão ecológica e o cuidado pela Criação”.

Fonte: Canção Nova


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *