Formação

Cristo Ressuscitado: Recebei o Espírito Santo

comshalom

Cristo:Ressuscitado disse: «Recebei o Espírito Santo»

 22.É São Lucas que, graças à sua narração, nos leva a aproximar-nos, o máximo queé possível, da verdade contida no discurso do Cenáculo. Jesus de Nazaré,«elevado» no Espírito Santo, ao longo desse discurso e colóquio, manifesta-secomo Aquele que é «portador» do Espírito,como Aquele que o deve trazer e «dar» aos Apóstolos e à Igreja à custa da sua«partida» mediante a Cruz.

Com o verbo«trazer», aqui, quere-se dizer, primeiroque tudo, «revelar». No Antigo Testamento, desde o Livro do Génesis, o Espírito de Deus foi dado a conhecer, de algumamaneira, antes de mais como «sopro»de Deus que dá a vida, como «um sopro vital» sobrenatural. No Livro de Isaías é apresentado como um «dom» para a pessoa do Messias, comoAquele que repousa sobre ele, para ser, de dentro, o guia de toda a suaactividade salvífica. Junto do Jordão, o anúncio de Isaías revestiu-se de umaforma concreta: Jesus de Nazaré é aquele quevem com o Espírito Santo e o «traz» como dom peculiar da sua própria Pessoa, para efundi-lo através da suahumanidade: «Ele vos baptizará no Espírito Santo».  No Evangelho deSão Lucas é confirmada e enriquecida esta revelação do Espírito Santo, como fonte íntima da vida e da acçãomessiânica de Jesus Cristo.

À luz daquilo queo mesmo Jesus diz no discurso do Cenáculo, o Espírito Santo é revelado de ummodo novo e mais amplo. Ele é não só odom à Pessoa (à Pessoa do Messias), mas é também uma Pessoa-Dom! Jesus anuncia a sua vinda como a de «um outroConsolador», o qual, sendo o Espírito da verdade, guiará os Apóstolos e aIgreja «a toda a verdade».  Isto realizar-se-á em virtude daparticular comunhão entre o Espírito Santo e Cristo: «há-de receber do que émeu para vo-lo anunciar».  Esta comunhão tem a sua fonte primária no Pai: «Tudo quanto oPai tem é meu; por isso eu vos disse que Ele há-de receber do que é meu paravo-lo anunciar».  Provindo do Pai, o Espírito Santo é enviado dejunto do Pai.  O Espírito Santo foi enviado, primeiro, como dom para o Filho que se fez homem, para se cumpriremas profecias messiânicas. Depois da«partida» de Cristo, do Filho, segundo o texto joanino, o Espírito Santo «virá» directamente — é a sua novamissão — para consumar a obra do Filho. Deste modo, será Ele quem levará àrealização plena a nova era da história da salvação.

 

23.Encontramo-nos no limiar dos acontecimentos pascais. Vai completar-se a nova edefinitiva revelação do Espírito Santo como Pessoa que é o Dom, precisamenteneste momento. Os eventos pascais — apaixão, a morte e a ressurreição de Cristo — são também o tempo da nova vinda do Espírito Santo, como Paráclito e Espírito daverdade. Eles constituem o tempo do «novo princípio» da comunicação de Si mesmoda parte de Deus uno e trino à humanidade, no Espírito Santo por obra de CristoRedentor. Este novo princípio é a Redenção do mundo: «Com efeito, Deus amou detal modo o mundo que lhe deu o Seu Filho unigénito».  Ao «dar» oFilho, no dom do Filho, já se exprimea essência mais profunda de Deus, o qual, sendo Amor, é a fonte inexaurível dadádiva. No dom concedido pelo Filhocompletam-se a revelação e a dádiva do Amor eterno: o Espírito Santo, que nas profundezas imperscrutáveis da divindadeé uma Pessoa-Dom, por obra do Filho, isto é, mediante o mistério pascal deCristo, é dado de uma maneira nova aos Apóstolos e à Igreja e, por intermédiodeles, à humanidade e ao mundo inteiro.

 

24.A expressão definitiva deste mistério dá-se no dia da Ressurreição. Neste dia, Jesus de Nazaré, «nascido dadescendência de David segundo a carne» — como escreve o apóstolo São Paulo — é«constituído Filho de Deus com todo o poder, segundo o Espírito desantificação, mediante a ressurreição dos mortos».  Pode dizer-se, assim,que a «elevação» messiânica de Cristo no Espírito Santo atingiu o seu auge naRessurreição, quando ele se revelou como Filhode Deus, «cheio de poder». E este poder, cujas fontes jorram daimperscrutável comunhão trinitária, manifesta-se, antes de mais nada, peloduplo feito de Cristo Ressuscitado: realizar, por um lado, a promessa de Deusjá expressa pela boca do Profeta: «Dar-vos-ei um coração novo … porei dentrode vós um espírito novo, o meu espírito»;  e cumprir, por outro lado,a sua própria promessa, feita aos Apóstolos com estas palavras: «Quando eu for,vo-lo enviarei».  É Ele: o Espírito da verdade, o Paráclito enviadopor Cristo Ressuscitado para nos transformar e fazer de nós a sua própriaimagem de Ressuscitado. 

Sucedeu que «natarde desse dia, que era o primeiro da semana, depois do sábado, estandofechadas as portas do lugar onde se encontravam os discípulos, por medo dosjudeus, veio Jesus, colocou-se no meio deles e disse-lhes: "A paz sejaconvosco". Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. E os discípulosficaram cheios de alegria ao verem o Senhor. Jesus disse-lhes de novo: "A paz sejaconvosco! Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós". Dito isso, soprou sobre eles e disse-lhes:" Recebei o Espírito Santo"». 

Todos ospormenores deste texto-chave do Evangelhode São João têm o seu significado, especialmente se os relermos em conexãocom as palavras pronunciadas por Cristo no mesmo Cenáculo, no início dosacontecimentos pascais. Estes eventos — o triduumsacrum de Jesus, que o «Pai consagrou com a unção e enviou ao mundo» —tiveram a sua consumação. Cristo, que «tinha entregado o espírito» sobre a Cruz como Filho dohomem e Cordeiro de Deus, uma vez ressuscitado, vai ter com os Apóstolos para «soprar sobre eles» com aquele poder deque fala a Carta aos Romanos A vinda do Senhor enche de alegria os presentes: «A sua tristezaconverte-se em alegria»,  como Ele já lhes tinha prometido antes dasua paixão. E sobretudo verifica-se o anúncio principal do discurso dedespedida: Cristo ressuscitado, como que dando início a uma nova criação, «traz» aos Apóstolos o Espírito Santo. Trá-lo à custa da sua «partida»;dá-lhes o Espírito como que através das feridas da sua crucifixão:«mostrou-lhes as mãos e o lado». É em virtude da mesma crucifixão que Ele lhesdiz: «Recebei o Espírito Santo».

Estabelece-seassim uma íntima ligação entre o envio doFilho e o do Espírito Santo. Não existe envio do Espírito Santo (depois dopecado original) sem a Cruz e a Ressurreição: «Se eu não for, não virá a vós oConsolador».  Estabelece-se também uma íntima ligação entre a missão do Espírito Santo e a missão do Filhona Redenção. Esta missão do Filho, num certo sentido, tem o seu «cumprimento»na Redenção. A missão do Espírito Santo «vai haurir» algo da Redenção: «Elereceberá do que é meu para vo-lo anunciar».  A Redenção é totalmente operada pelo Filho, como o Ungido, que veio eagiu com o poder do Espírito Santo, oferecendo-se por fim em sacrifício supremono madeiro da Cruz. E esta Redenção, ao mesmo tempo, é constantemente operadanos corações e nas consciências humanas — na história do mundo — pelo EspíritoSanto, que é o «outro Consolador».


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *