Mundo

Delegação do Vaticano visita Aleppo pela primeira vez após fim de combates

A pedido do Papa Francisco, uma delegação do Vaticano liderada pelo Secretário Delegado do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, Dom Giampietro Dal Toso, visitou Aleppo (Síria) entre os dias 18 e 23 de janeiro.

Na delegação também estavam presentes o Cardeal Mario Zenari, Núncio Apostólico na Síria, e o conselheiro da Nunciatura, Dom Thomas Habib. Trata-se da primeira visita oficial realizada por representantes da Santa Sé a Aleppo depois que acabaram as hostilidades.

Segundo informações do Vaticano, por meio de um comunicado de imprensa, a delegação pôde se reunir com a comunidade cristã e com seus pastores, que expressaram a sua gratidão ao Papa pela sua constante preocupação pela Síria.

Do mesmo modo, a delegação realizou visitas a instituições de caridade católicas e a alguns campos de refugiados. Em concreto, foi criado um centro de assistência humanitária a cargo da Cáritas de Aleppo, no distrito do Hanano.

Durante a visita houve um momento de oração ecumênica organizado por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos e fiscalizaram as condições de algumas estruturas hospitalares católicas, à luz de um futuro projeto de reconstrução.

Por outro lado, a delegação se reuniu com representantes muçulmanos. Durante essa reunião, sublinharam a responsabilidade da religião na educação para a paz e a reconciliação.

No transcurso da visita, as autoridades civis e religiosas homenagearam a delegação e manifestaram sua gratidão especial pelo gesto do Santo Padre de elevar à dignidade cardinalícia o representante pontifício no país, reconhecendo assim a especial proximidade do Papa com a martirizada população síria.

No encontro com as organizações caritativas católicas foi ressaltada a importância da assistência proporcionada em benefício de toda a população síria. Com o apoio da Igreja universal e graças à contribuição generosa da comunidade internacional, tal ajuda poderá ser intensificada no futuro para enfrentar as crescentes necessidades das pessoas.

Entre as urgências imediatas, deve-se sublinhar de forma especial aquelas relacionadas às necessidades de alimentos, roupas, educação, saúde e moradias.

O Papa Francisco expressou em várias ocasiões sua preocupação pelas devastadoras consequências da guerra na Síria sobre a população civil.

O Pontífice se solidarizou com as vítimas que precisaram abandonar seus lares e com as famílias que perderam alguns membros.

Fonte: ACI Digital


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *