Formação

E nós desejamos prosseguir!

“Um coração inflamado por este amor tudo realiza, a tudo se dispõe. Inflamados por este imenso amor os santos caminharam, os mártires entregaram suas vidas e também nós desejamos prosseguir” [1]

comshalom

Este é um dos trechos que mais me impressionam no Escrito Amor Esponsal [2]! Ao lê-lo, meio que sem perceber, minha imaginação – fascinada – começa a voar longe…

Percebo-me, de repente, pensando nos incontáveis homens e mulheres, santos e santas, que se deixaram inflamar completamente pela caridade do Cristo-Esposo ao longo da História; na multidão de cristãos que foram abrasados pelo fogo do Seu Coração; nos muitos mártires que, sabendo-se profundamente amados por Deus, não hesitaram diante da morte e tornaram-se espelhos deste mesmo Amor que gratuitamente receberam.

Penso, com uma grata empolgação, nas tantas e tantas vidas ofertadas, em tempos e lugares diferentes, que testemunharam em uníssono que o Amor de Cristo impele a uma “entrega total”. Pessoas de carne e osso, bem frágeis, bem humanas. Sacerdotes, religiosos, casados, casais, jovens, adolescentes, crianças… Sim, crianças! Teresas: em Ávila e Lisieux, nos Andes e em Calcutá. Franciscos: de Sales, Xavier e o Pobrezinho de Assis. João: o discípulo amado, o Bosco, o Vianney e o da Cruz. Inácios, Domingos, Pedros, Paulos, Marias! José, Gianna, Agostinho, Tomás, Cecília, Catarina, Bento, Clara, Luís, Pio, Karol… Tantos! Pessoas que, amadas de verdade, amaram de verdade.

Estes santos – atraídos e arrastados pela experiência do Amor de Cristo – caminharam, correram! Estes mártires, sim, entregaram-se livremente à morte por causa do Evangelho. E nós? Tão intensamente “amados pelo Amor”, assim como o foram os santos e os mártires, que resposta poderíamos dar?

Também nós desejamos prosseguir. Eis enfim, repleta de esperança, a nossa resposta. Imensamente amados por Deus, assim como aqueles que nos precederam, não conseguimos concluir outra coisa. O que nos cabe é também corresponder a este Amor com uma generosa oferta da nossa existência.

Brota irresistivelmente em nós, unida à nossa resposta de amor ao Amor, uma pergunta, uma “indagação fundamental”, própria de quem se vê desposado pela Caridade de Cristo: “O que fazer, ó Senhor, a não ser amar-Te perdidamente? Entregarmo-nos a Ti com toda a nossa fraqueza e, apesar dela, nos consumirmos de amor por Ti e sermos servos do Teu Reino?”[3]

Pergunta espontânea essa, que surge em quem, por experiência, se sabe e se percebe enormemente amado pelo Senhor. Fácil e espontâneo de perguntar, porém difícil de assimilar uma lógica tão diferente da nossa! Nós, amados apesar – e até mesmo por causa – de nossas fraquezas, somos impulsionados a amar a Perfeição com nossa imperfeição! Injusta paga a nossa, acolhida misteriosa e misericordiosamente por Aquele que dedica a nós incessantemente uma Caridade sem limites.

Diante disso, como Santa Teresa d’Ávila, percebemos o quanto é pouco ter uma vida apenas para corresponder o que se experimenta da parte de Deus. Mil vidas tivéssemos nós! Ainda assim seríamos incapazes de amar a Deus como convém. Ele dispensa sobre nós Seu Amor infinito e acolhe nossa pobre vida, concedendo-nos aí, nessa troca desigual de amor, nossa plena realização.

“Um coração inflamado por este amor tudo realiza, a tudo se dispõe.”[4]

A experiência de ser tocado e inflamado pelo amor repele toda e qualquer inércia. Este amor de Cristo move a um “realizar”, move a um “dispor-se”. Saímos, portanto, de uma esfera apenas conceitual, e somos levados à exigência de uma esponsalidade encarnada para com Aquele que nos ama e que o nosso coração escolheu amar.

Sendo assim, ao contemplarmos toda a beleza que reside neste mistério de gratuidade e de recíproco dom – o Amor de Deus manifestado a nós e a nossa correspondência – deparamo-nos, todavia, com o fato de que esta entrega da nossa vida deve exceder e ultrapassar as fantasias e lirismos que possam vir a nos privar de sermos concretos. Ofertar a vida é algo bastante real: é empresa que supõe perda, esvaziamento e morte para nós mesmos. O que seria “ofertar”, senão perder a vida para si a fim de que Deus a tenha? O que seria “entregar”, senão pôr nas mãos de Deus todo o nosso ser, corpo e alma, para que Ele disponha de nós como Ele quiser?

O fascínio de outrora, embora não deixe de existir, desce das alturas e toca os pés no chão. “Os santos caminharam. Os mártires entregaram suas vidas.” Este deslumbrante trecho que arrastou o meu e o nosso coração para altíssimos desejos, é o mesmo que nos conclama a considerarmos que o caminho dos santos e dos mártires não foi um “faz de conta”. A via da santidade é aquela de Cristo: a da Cruz.

Este caminho de Cruz, contudo, não rouba a beleza do amor que escolhemos dedicar a Deus quando fomos tocados e amados por Ele, pelo contrário, a Cruz acrescenta ao nosso amor verdade e autenticidade. É falso afirmar que queremos caminhar como os santos se nos isentamos de receber na nossa carne a Cruz de Cristo. O Evangelho, longe de nos enganar, traz a nós a força da Palavra do Mestre: “Se alguém quer vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me.”[5] Ou seja, quem quiser prosseguir; quem quiser caminhar com os santos e correr com os mártires, “tome sua cruz”. Quem quiser a grandeza do Amor, abaixe-se e morra para si! Quem quiser os altos vôos da Caridade, passe pelos rasteiros caminhos da Humildade, como o próprio Servo, Jesus Cristo, o fez. “Tome sua Cruz!”

Cruz de Cristo, doce herança deixada aos que, amados por Ele, também querem amá-Lo de verdade! Cruz de Cristo, via única para a Ressurreição! Cruz de Cristo, contramão da falsa santidade!

Decorre daqui, uma necessidade ainda maior de sermos concretos. E no desejo de seguirmos os passos de Cristo, certamente nos fazemos esta pergunta: E esta Cruz? O que é esta Cruz para mim? – Deixemos que nossa própria vida e o mundo que nos cerca nos dêem uma resposta a tal questionamento.

Quantas são as nossas oportunidades de encarnar o Evangelho de Cristo! E, infelizmente, quantas vezes as desprezamos! Quantos irmãos a amar, quantos pobres a confortar, quanta necessidade de serviço na Obra de Deus! Como é necessário mostrarmos ao ceticismo do mundo, com nossa vida, que Deus nunca deixou de existir! – “Os santos caminharam”! Como precisamos mostrar à cultura de morte presente na sociedade que só há verdadeiro bem e progresso quando há a valorização da vida! – “Os mártires entregaram suas vidas”! Como é fundamental buscarmos hoje uma vida pura e testemunhar a alegria da castidade a tantos jovens perdidos em um vazio hedonista! Como é essencial anunciar para esta “terra do tanto faz”, afundada em seu relativismo, que a Verdade é só uma: Jesus Cristo! No meio deste mundo necessitado de santos e mártires, somos acordados do sono de nosso egoísmo e acomodação pelo brado de Cristo: “Tome sua Cruz!”

Ousar num impetuoso testemunho de Cristo neste mundo de hoje é excelente forma de tomar a Cruz. No entanto, como nossa pequenez nos acovarda diante destas tantas urgências! O seguimento de Cristo pode muitas vezes se apresentar a nós como algo impossível, mas é justamente aqui que precisamos deixar ressoar a Palavra dentro de nós: “No mundo tereis tribulações, mas tende coragem: Eu venci o mundo”![6]

Eles, porém, o venceram graças ao sangue do Cordeiro (…) pois desprezaram a própria vida até à morte.”[7]

Quem são estes “vencedores”? O que eles venceram? E por que, para vencer, tiveram que abnegar-se da própria vida? Aqueles que se perceberam inundados por um inquietante mistério que convida a nada reter… Estes, com Cristo, venceram e vencerão o mundo. A Esposa triunfante, Igreja dos mártires, santos e santas – vencedores! – é coroada pelas palavras do Esposo: “Quem perder sua vida por causa de mim, a encontrará.”[8] Assim, podemos escolher existir em amorosa expectativa, tal qual as virgens que mantiveram acesa a lâmpada da espera[9],perdendo-nos e consumindo-nos dia após dia, como os santos, evitando todo e qualquer “ganhar a vida” que nos furte do encontro definitivo com o Amado.

Este é o caminho dos bem-aventurados, a via estreita que alarga o coração a um concreto amor a Jesus: Perder para nós mesmos nossa própria vida, dá-la a Deus, colocá-la a serviço do Evangelho, tomar nossa cruz dia a dia.

Sintamo-nos encorajados por aqueles que vieram antes de nós e não se decepcionaram. Quantos santos a Igreja nos deu, e com eles a esperança de que vale a pena prosseguir! Não há outra realização cristã, e mais, não há maior realização humana do que a santidade. Ser santo é a “única forma de ser plenamente homem”.[10]

Que nós não nos atemorizemos diante deste caminho! Apesar dos desafios, esta é a via que nos conduz aos bens mais aguardados pelo nosso coração. Que toda fantasia se desfaça. Que a santidade buscada por nós seja a de um amor provado nas circunstâncias da nossa vida. Que o sentido de nosso existir seja viver a perfeição da Caridade, aquela de Cristo que não poupou a vida! Façamos tudo o que nos cabe: amar concretamente. E Ele, o Leal, de sua parte saberá nos recompensar, enxugará toda lágrima de nossos olhos.[11]


[1] Escrito Amor Esponsal, 11.

[2] Amor Esponsal é um dos escritos fundamentais do Carisma Shalom; contém o “cerne” da Vocação Shalom. Escrito pelo Fundador da Comunidade, Moysés Louro de Azevedo Filho.

[3] Escrito Amor Esponsal, 8.

[4] Escrito Amor Esponsal, 11.

[5] Cf. Mt16,24.

[6] Cf. Jo16,33b.

[7] Cf. Ap12, 10-11.

[8] Cf. Mt16,25.

[9] Cf Mt25,1-13.

[10]AZEVEDO, Moysés. Carta à Comunidade 2005.

[11] Cf. Ap7,17.

Padre Cristiano Pinheiro
Missionário da Comunidade de Vida Shalom

Formação Shalom 12/09/2008


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Essa Reflexão do Pe. Cristiano nos dá uma impulso a abraçar com grande amor e gratidão ao Amado de minha Alma uma resposta concreta na vocação e no carisma Shalom que caminho.
    Quanto vale para mim essa doação do próprio Deus que nos deu seu filho? como não responder com resposta fecunda e sincera a esse amor ?

    Para mim cada vida ofertada, cada irmão que nos ergue com sua palavra de formação, oração e doação de vida em nosso carisma, nos faz ver que o nosso caminho de cruz e ressurreição e diário, é pleno, é eternos, é para sempre. Uma vida ofertada gera novas vidas.
    Deus seja louvado por sua grata missão de Sacerdote e Amigo de Jesus no carisma Shalom.