Parresia

Empoderamento Feminino

Quem pode dar poder à mulher? Ou melhor, a mulher tem algum poder que nunca lhe foi tirado, independente das circunstâncias?

empoderamento feminino

É muito comum se ouvir na TV, se ler na mídia impressa e virtual ou mesmo em conversas informais sobre o empoderamento feminino. É uma expressão que cai bem, é politicamente correta e pretende apontar para a independência e força das mulheres, para o papel que têm de transformação em todos os ambientes onde se encontram. Sabemos, e isso é fato, que muitas vezes e em várias realidades humanas ao redor do mundo as mulheres são e foram menosprezadas e maltratadas pelo simples fato de terem nascido mulheres.

A origem da expressão tornada comum no linguajar atual e já presente nos dicionários tradicionais da língua portuguesa, vem do inglês ‘empowerment’, foi o educador Paulo Freire que a usou como neologismo a primeira vez e a expressão tomou força a partir de 2011. O significado original fala de delegação de poder, de emancipação e de fortalecimento.

Contudo, podemos observar que o termo empoderamento traz em si algo de artificial e inadequado, pois se eu sou “empoderada” significa que alguém me concedeu poder e me fez poderosa. Trata-se, portanto, de algo externo e não intrínseco que nasce da essência do ser feminino; e se uma mulher precisa ser “empoderada” por alguém, mesmo que seja por outra mulher, significaria que ela não tem valor em si mesma. O empoderamento, portanto, reforça a desqualificação da mulher ao invés de baní-la.

Mas a verdade é que esta expressão usada para proteger as minorias e, nelas, as mulheres – daí o empoderamento feminino -, além de artificial é profundamente limitado e carregado de interpretações ideológicas que não levam em conta a antropologia feminina. E pior, não leva de fato as mulheres a conhecerem sua essência, a viverem com mais dignidade e se sentirem mais valorizadas.

Em 1927 numa conferência sobre o “valor específico da mulher”, a filósofa alemã Edith Stein [1] fez algumas observações muito uteis em relação à situação feminina:

No começo do movimento feminista, o grande slo­gan era: emancipação. O termo soa um tanto patético e revolucionário: uma libertação dos grilhões da escravatura. Dito de uma maneira menos grandiloquente era essa a exigência: eliminação dos laços que impediam a formação e a atividade profissional da mulher, abertura das alternativas de formação e das profissões reservadas aos homens. A libertação deveria vir para as aptidões e as forças pessoais da mulher, porque em muitos casos tinham que definhar por falta de oportunidade para exercê-las. (…). Por outro lado, se objetava que a mulher, por causa de sua peculiaridade, era incapaz de exercer as profissões masculinas. As feministas contestaram enfaticamente essa afirmação e no calor da luta chegaram até a negar a peculiaridade feminina. Era a maneira mais simples de eliminar o argumento da incapacidade. Com isso, excluía-se naturalmente a possibilidade de falar em valor próprio. De fato, o maior objetivo consistia em igualar a mulher ao homem, na maneira do possível, em todos os campos.[2]

Edith Stein ainda constata que quando as mulheres começaram a ter suas reinvindicações atendidas, as tensões amainaram e foi possível julgar a realidade com mais objetividade; assim, aqueles que negavam a peculiaridade feminina provaram de forma dolorosa a evidência de que existe uma peculiaridade feminina, por força da sua essência. E mesmo quando uma mulher abraça uma profissão tipicamente masculina, “ela consegue transformar a profissão masculina em feminina” e essa maneira própria de ser da mulher é um valor em si.[3]

Quem pode dar poder à mulher? Ou melhor, a mulher tem algum poder que nunca lhe foi tirado, independente das circunstâncias? Alguém dos nossos dias e bem anterior a Paulo Freire falou das mulheres com maestria e lhes cunhou uma expressão e elogio que deveria também fazer parte do vocabulário de jornalistas e escritores, de professores e cidadãos comuns. Estou falando da expressão gênio feminino criada pelo Papa João Paulo II na carta Mulieris Dignitatem de agosto de 1988. Vale a pena reler o parágrafo da carta onde a expressão surge pela primeira vez:

Na nossa época, os sucessos da ciência e da técnica consentem alcançar, num grau até agora desconhecido, um bem-estar material que, enquanto favorece alguns, conduz outros à marginalização. Desse modo, este progresso unilateral pode comportar também um gradual desaparecimento da sensibilidade pelo homem, por aquilo que é essencialmente humano. Neste sentido, sobretudo os nossos dias aguardam a manifestação daquele gênio da mulher que assegure a sensibilidade pelo homem em toda circunstância: pelo fato de ser homem![4]

Também na Carta às mulheres, de junho de 1995, escreve:

Mais importante ainda é a dimensão ético-social, que diz respeito às relações humanas e aos valores do espírito: e, nesta dimensão, frequentemente desenvolvida sem alarde, a partir das relações quotidianas entre as pessoas, especialmente dentro da família, a sociedade é em larga medida devedora, precisamente ao gênio da mulher.[5]

E o Papa discorre nos parágrafos seguintes sobre o que significa ao longo da história esse gênio feminino que se traduz num único verbo: a capacidade feminina de servir. A genialidade feminina gerou mulheres extraordinárias em várias esferas do saber humano, mas por fazer parte essencial de toda alma feminina ela está presente em potência em todas as mulheres, pois a genialidade feminina se traduz em serviço!

Também Edith Stein, partindo da narrativa bíblica sobre a criação, declara que a missão da mulher, que segundo o relato do Gênesis foi colocada ao lado do homem como ezer, como uma ajudante à altura,

não se resume à participação em suas causas, é necessário também que ela o complemente e neutralize os riscos acarretados pela natureza especificamente masculina (com suas diversas formas individuais) . Cabe a ela cuidar com todo o empenho que ele não se perca completamente em seu trabalho profissional, que sua humanidade não se atrofie e que não descuide de seus deveres de pai de família. Ela estará tanto mais à altura dessa função quanto mais amadurecida estiver a sua própria personalidade, e isso exige que ela não se perca a si mesma na convivência com o marido, que desenvolva antes seus pró­prios dons e poderes.[6]

Stein ainda individua uma tríplice vocação da mulher e reafirma que as três dimensões são interligadas entre si: a vocação humana geral, a vocação individual de cada pessoa, e a vocação especial da mulher (que ela denomina peculiaridade feminina). Contudo, quando a mulher se afasta da verdade revelada na Palavra de Deus e do Seu efeito ao longo da história, nas mais diferentes culturas e centenas de gerações, acaba por abandonar paulatinamente essa referência do serviço (ezer), e se perde da própria essência.

Eis a força e o poder da mulher, de toda mulher! E é necessário que “seja colocado realmente em devido relevo o gênio da mulher, tendo em conta não somente as mulheres grandes e famosas, do passado ou nossas contemporâneas, mas também as mulheres simples, que exprimem o seu talento feminino com o serviço aos outros na normalidade do quotidiano”[7].

Qual seria, portanto, o verdadeiro poder da mulher? Algo construído culturalmente em conformismo com estereótipos que a distancia da própria essência, ou seria essa peculiaridade que lhe é própria e em força da qual, pode tornar o mundo mais humano? Precisamos compreender que “é no doar-se aos outros na vida de cada dia, que a mulher encontra a profunda vocação da própria vida, ela que talvez mais que o próprio homem vê o homem, porque o vê com o coração”[8].

Por Elena Arreguy Sala
Mestre em Linguística Aplicada e Consagrada da Comunidade de Aliança Shalom

Notas

[1] Santa Teresa Benedita da Cruz.

[2] E. Stein, A mulher. Sua missão segundo a natureza e a graça, p.180.

[3] Cf. ibidem, p. 181.

[4] JOÃO PAULO II, Mulieris Dignitatem, 30.

[5] Idem, Carta às mulheres, 9.

[6] Ibidem, p. 130.

[7] Carta às mulheres, 12.

[8] Ibidem.

Todos os Artigos

Este conteúdo está sendo disponibilizado pelo Instituto Parresia. Um grupo aberto de trabalho está aprofundando o tema desta série de artigos, na perspectiva do Carisma Shalom. Clique aqui para obter mais informações sobre nossas atividades e formas de contato.


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *