Formação

Entenda a diferença entre Castidade e Celibato

Neste artigo, o missionário da Comunidade Vida João Carlos explica a diferença entre a vocação de celibatário e o chamado universal à Castidade. Entenda.

comshalom

Quem aqui já se perguntou se voto de castidade, celibato consagrado e sacerdotal é tudo a mesma coisa ou se cada um tem seu jeito, modo de resposta, vivência ou até finalidade? Eu já! Conheço também muita gente que já se fez esta pergunta e acredite, é uma dúvida muito mais frequente do que você imagina! Digo mais, ainda tem muita gente que confunde a castidade que todo batizado é chamado a viver com o voto de castidade presente na vida dos religiosos, leigos consagrados e sacerdotes.

>> Acompanhe a Comunidade Shalom no YouTube

Mas, vamos lá, vamos dar um passo de cada vez para entendermos um pouco mais. Antes de tudo é importante saber que todo cristão independente de seu estado/forma de vida na Igreja é chamado a viver a castidade como virtude. Ela diz respeito a todos, porque todos têm necessidade de amar de maneira autêntica e indivisa. A grande graça de uma vida casta, de um homem e de uma mulher que vivem a castidade é a integridade, uma vida que não é fragmentada pelas inúmeras violências que o pecado causa na alma. 

Sim, a castidade é virtude e como tal deve ser exercitada, fortalecida, ela não brota do nada. Não sejamos ingênuos pois a ingenuidade muitas vezes é a porta por onde nos roubam a pureza. 

“A castidade implica uma aprendizagem do domínio de si, que é uma pedagogia da liberdade humana.” Catecismo da Igreja Católica , 2339

E o voto de castidade presente no celibato?

Bem, aí a coisa fica ainda mais bela! A castidade como voto está relacionada à vida religiosa, celibatária e sacerdotal, engloba entre outros pontos a renúncia do exercício da genitalidade. Como assim? Entendamos: A castidade como virtude, não necessariamente traz esta renúncia, pois obviamente os cônjuges, após o casamento, fazem uso de sua genitalidade doando-se um ao outro no amor que os tornam  fecundos e abertos à vida. Um homem e uma mulher solteiros são chamados a guardar a continência sexual, até o dia de se entregarem ao seu esposo ou esposa após o casamento, onde a castidade será expressada sobretudo na fidelidade, respeito e integridade.

Já os padres, freiras e leigos consagrados, vivem numa outra lógica. A lógica do Reino dos céus onde Cristo será tudo em todos e viveremos unicamente para Ele. O voto de castidade professado livremente, traz o compromisso de viver unicamente para Cristo, abrindo mão de construir uma família humana sobre esta terra e ser sinal do céu no mundo.

Em resumo podemos afirmar que: A castidade diz respeito a todos e como virtude, deve ser exercitada, fortalecida. Já o celibato, que traz em si um voto, é uma forma particular de seguimento a Cristo, é um chamado vocacional a estar mais estreitamente unido ao Senhor em vista de uma missão. 

Então, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. 

Brincadeiras à parte, é muito bonito ver que Deus nos criou para o amor, pois nos criou à sua imagem e semelhança e Deus é amor. A castidade nos guarda no amor real, aquele que lemos em Coríntios 13, portanto nos guarda em Deus. Termino dizendo algo que aprendi de um sacerdote: Se você quiser ser casto, busque ser antes de tudo humilde, pois a humildade é a mãe de todas as virtudes, assim como o orgulho é pai de todos os vícios. 

Deus nos abençoe e nos guarde. 

João Carlos
missionário na Comunidade Católica Shalom
Celibatário com votos perpétuos.
@joaocarlosshalom


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.