Formação

Bispo de Toulon: “O Deus em quem nós acreditamos é um Deus de diálogo”

comshalom
dom dominique rey
Dom Domique é membro da Comunidade Emanuel, uma das primeiras “comunidades novas” atuantes na Europa. Foto: famillechretienne.fr

Entrevista de dom Dominique Rey, bispo de Toulon-Frèjus, na França, à revista Shalom Maná

Shalom Maná: Para o senhor, o que é evangelizar, principalmente nestes tempos de guerra?

Dom Dominique: Evangelizar é anunciar Jesus. Jesus é, para nós, a vida de Deus, uma vida de paz, de alegria, de comunhão, de unidade. Então, evangelizar hoje é anunciar a boa nova da paz e sermos artesãos da paz. Nessa situação de guerra em que nos encontramos, eu penso que o papel de um cristão missionário é cultivar em primeiro lugar a paz no seu coração; se ele tem a paz no seu coração, vai transbordá-la em toda a sua vida, em tudo o que o cerca, e também fazer gestos de paz, de reconciliação.

É normal que na vida os homens tenham momentos de tensão, de divisão, de visão diferente das coisas, e o cristão é aquele que tenta caminhos de paz, de justiça e de verdade para guardar a comunhão entre os homens.

A paz é um dom de Deus. E essa paz, que nos vem de Deus, foi entregue nós cristãos para que a desenvolvamos e a façamos conhecida. Primeiro na nossa própria existência e depois em volta de nós. A tentação de muitos homens diante da divisão é de fazer violência, ser agressivo e dominar, mas estas não são atitudes marcadas pelo evangelho. O Senhor nos pede para fazermos a paz, para nos convertermos e convertermos nossa maneira de reagir e de pensar a fim de que a paz possa chegar ao nosso mundo.

Shalom Maná: O que é mais importante para evangelizar os jovens?

Dom Dominique: Para evangelizar os jovens é preciso ser feliz; é a nossa alegria que os atrai. É preciso também mostrar boas perspectivas, mobilizá-los a partir de projetos grandes, porque os jovens têm grandes desejos, grandes sonhos para eles mesmos e para futuro do mundo. Então, é preciso ajudá-los a entrar em projetos entusiasmantes, projetos de generosidade, projetos de construção de um mundo de justiça, de paz e de amor. É assim que se toca os jovens, amando-os em primeiro lugar, depois pela nossa alegria, e finalmente acompanhando-os em boas aventuras espirituais e humanas.

Shalom Maná: Como é trabalhado o ecumenismo na sua diocese?

Dom Dominique: Em primeiro lugar, o Deus de Jesus Cristo, o Deus em quem nós acreditamos é um Deus de diálogo, de comunhão. O Pai, o Filho e o Espirito Santo estão em diálogo permanente, perpétuo. E na história da humanidade, nunca deixou de entrar em contato, de dialogar com os homens.

Fundamentalmente a dimensão do diálogo faz parte da vida cristã, por isso, na nossa diocese procuramos desenvolver este diálogo em duas direções: com os irmãos cristãos não católicos e também com aqueles que não partilham das nossas convicções.

Fiz no início uma grande peregrinação ao deserto e convidei cem pessoas que são de diferentes denominações cristãs a virem rezar pela unidade.

Por outro lado, o diálogo interreligioso se faz também muito presente na nossa diocese porque 10% da população é muçulmana. Podemos dialogar falando com as pessoas, podemos dialogar através da ação, trabalhando juntos para que se tenha mais justiça, mais dignidade. Podemos dialogar também tentando nos encontrar, nos conhecer, partilhando a nossa fé cristã e conhecendo quais são as convicções muçulmanas.

E para nós o diálogo tem sempre que se fazer a partir de Cristo, porque o diálogo não é “eu penso isso, e tu pensas aquilo”, mas, a partir do Cristo, vou tentando descobrir as sementes da verdade evangélica que o outro vive. O diálogo não é um fim em si mesmo, ele existe em vista de um anúncio e de uma proposta de fé cristã.

Shalom Maná: O que caracteriza, quais são os pontos principais da nova evangelização?

Dom Dominique: A característica da nova evangelização não é que ela seja uma segunda evangelização, mas é a mesma evangelização que Cristo começou e confiou à sua Igreja. Mas hoje ela é nova no sentido que se situa em um outro contexto, diferente daquele em que ela começou. É um contexto de secularização, de globalização; contexto em que as capacidades econômicas e técnicas são consideráveis e somos tentados pelo perigo das seitas, do pluralismo, do individualismo… Então, a evangelização é nova no sentido de um novo contexto.

É nova também porque se situa depois de Vaticano II, no espírito de Vaticano II, que insistia muito sobre o chamado comum à santidade. A nova evangelização tem de despertar no espírito dos cristãos o desejo da santidade.

A nova evangelização quer também permitir a constituição de comunidades vivas. Muitas comunidades cristãs estão como que mortas, cheias de poeira, e a nova evangelização vem para renovar a vida das comunidades, renovar o testemunho comunitário. Isso porque a evangelização não é simplesmente o fruto de uma pessoa, é fruto de uma comunidade, é o testemunho de uma comunidade.

E também a nova evangelização deve hoje dotar a Igreja de novos métodos artísticos e culturais, para poder ir ao encontro de populações que estão muito afastados de Deus.

Shalom Maná: Qual a importância do leigo na nova evangelização?

Dom Dominique: Os leigos têm um papel muito importante, pois expressam mais profundamente a dimensão da Encarnação de Jesus. A genialidade do cristianismo é a Encarnação, é mostrar que Deus se apropriou da nossa existência humana e que podemos nos encontrar com Ele na nossa história. Deus não é estranho àquilo que vivemos, mas, ao contrário, está no coração do que estamos vivendo. E o leigo vive mais particularmente esta dimensão de encarnação, porque ele está unido a Deus vivendo nas realidade humanas, profissionais, familiares. Dessa forma, a nova evangelização tem de ser levada pelo testemunho de vida cristã renovada do leigo. A evangelização passa pela mobilização dos cristãos para testemunharem sua fé no lugar onde se encontram. E os padres estão a serviço dessa missão dos leigos, para ajudá-los a entrar nessa vocação missionária que é a vocação cristã.

Shalom Maná: Qual a importância das novas comunidades para a nova evangelização?

Dom Dominique: As novas comunidades são a linha de frente da nova evangelização. Elas revelam um novo modelo de vida cristã que precisamos para descobrir o que é a Igreja. São lugares onde, de maneira particular, se vive a dimensão da comunhão, a dimensão da radicalidade, do engajamento, a dimensão de complementariedade dos estados de vida (celibatários, casais e sacerdotes participando de uma mesma vocação). As comunidades novas são no interior da Igreja lugares totalmente significativos da plenitude do mistério da Igreja. Em geral, as novas comunidades são expressões fortes e consistentes da beleza e da verdade eclesial. Por isso são um dom. E a Igreja precisa desses modelos, desses exemplos como uma espécie de concentração do mistério eclesial vivido de uma maneira mais intensa dentro dessas comunidades.

Shalom Maná: Uma pessoa que nunca evangelizou, ainda não falou de Jesus, por onde deveria começar?

Dom Dominique: Deve, em primeiro lugar, viver DE Cristo. Quanto mais estamos unidos a Cristo, mais temos o desejo e o gosto de falar dele. A segunda coisa é não ficar só, ir procurar pessoas com quem ir para a missão, para a evangelização, que se constituem comunidades missionárias.

É preciso, em terceiro lugar, se formar, porque a missão não é somente um grito do coração, é também a transmissão de um certo conteúdo da fé. Então, é preciso saber o que a Igreja pensa, saber o que faz bater o coração da Igreja.

Em quarto lugar, ser extremamente audacioso e generoso. Se seguirmos esses concelhos veremos a fecundidade da nossa missão. A missão supõe pessoas livres, disponíveis à ação do Espírito Santo para poder inventar respostas, tomar iniciativas e assim promover a boa nova da salvação.

Shalom Maná: Tem alguma coisa que o senhor gostaria de dizer a mais sobre a nova evangelização?

Dom Dominique: Acredito que a NOVA EVANGELIZAÇÃO seja o principal fruto do Concílio Vaticano II. O Concílio deu novamente à Igreja um novo espírito missionário, tornando mais forte a consciência do que ela é e da sua presença no mundo, uma presença de intercessão, uma presença que significa a missão do Cristo.

A nova evangelização nos é dada para entrar mais plenamente no mistério do que é a Igreja – a comunidade, assembléia em torno de Cristo – para anunciá-lo ao mundo.

 

Shalom Maná

Verdadeiro alimento espiritual para o homem de hoje, a Shalom Maná surgiu em 1986, comprometida com a verdade do Evangelho e preparada para ser um instrumento de evangelização e catequese. Traz formação espiritual, doutrinária e humana, matérias exclusivas, entrevistas, reportagens, testemunhos, notícias da Igreja e muito mais.

Para assinar ligue: (85) 3308.7402 / 3308.7465
E-mail: assinaturas1edicoes@comshalom.org
Ou acesse www.edicoesshalom.com.br

Com você podemos fazer mais. Clique aqui e ajude-nos


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *