Formação

És tu quem precisa conversão! Tu és este homem!

comshalom

 Que parte temosnós (agora entendo “nós” no sentido de nós que aqui estamos, nós os crentes)neste tremendo requisitório que ouvimos contra o pecado? Atendo-nos a tudo oque foi dito até agora, pareceria de fato que nos assiste, mais do que aoutrem, o papel de acusadores. Mas ouçamos bem o seguinte. Eu disse acima que oApóstolo, com suas palavras, havia arrancado a máscara do rosto do mundo etambém do nosso, e chegou o momento de indagar como é que a palavra de Deusleva a cabo esta segunda e mais difícil operação.

 A Bíblia narra o seguinte fato: O reiDavi cometera um adultério; para encobri-lo, fez morrer o marido legítimo, desorte que, em tais circunstâncias, tomar a mulher por esposa poderia certamenteparecer, por parte do rei, um ato de generosidade para com o soldado morto porele em combate. Umverdadeiro encadeamento de pecados. Então apresentou-lhe o profeta Natã,enviado por Deus. e narrou-lhe uma parábola (sem que o rei soubesse que era umaparábola). Havia na cidade — disse — um homem riquíssimo que tinha rebanhos deovelhas, e também havia um pobrezinho, dono de uma só ovelhinha que lhe eramuito cara, que lhe propiciava o sustento e dormia com ele… Chegou à casa dorico um hóspede e ele, poupando as próprias ovelhas, apoderou-se da ovelhinhado pobre e mandou matá-la para prover a mesa do hóspede.

 Ao ouvir tal história, desfechou aira de Davi contra tal homem e disse: “Quem fez isto merece a morte!” EntãoNatã, interrompendo subitamente a parábola, disse a Davi: “Tu és este homem!”(cf. 2Sm 12,1ss). O mesmo faz conosco o apóstolo Paulo. Depois de nos ter induzidoa uma justa indignação e horror à impiedade do mundo, passando do capítuloprimeiro ao segundo da sua carta, como se voltasse de golpe contra nós, ele nosrepete: “Tu és este homem! Portanto és inescusável — diz — quem quer que sejas,ó homem que julgas, porque enquanto julgas os outros condenas a ti mesmo; defato, tu que julgas fazes as mesmas coisas. Contudo, nós sabemos que o juízo deDeus é conforme à verdade contra os que cometem tais coisas.

 Talvez penses, ó homem que julgas osque cometem tais ações e entretanto fazes o mesmo, escapar à ira de Deus (Rm2,1-3). A reaparição, neste ponto, do termo “inescusável” (anapologetos), usadoacima para os pagãos, não deixa dúvida acerca das intenções de Paulo. Enquantojulgavas os outros — diz ele — condenavas a ti mesmo. O horror que concebestescontra o pecado, é hora de voltá-lo contra ti.

 O “que julga” revela-se, no decorrerdo capítulo segundo, como sendo o judeu; mas aqui ele tem a acepção de tipo.“Judeu” é o não-grego, o não-pagão (cf. Rm 2,9-10); é o homem piedoso e crenteque, fiado em seus princípios e possuidor de uma moral elevada, julga o restodo mundo e, julgando-o, sente-se em segurança. Neste sentido, “judeu” é cada um denós. Dizia bem Orígenes que, na Igreja, quem deve ser posto na mira dessaspalavras do Apóstolo são os bispos, os presbíteros e os diáconos, isto é, osguias, os mestres (cf. Orígenes, Comm. in ep. Rom.).

 O próprio Paulo sofreu este impactoquando de fariseu se tornou cristão e, por isso, pode agora falar com tanta segurançae apontar aos crentes o caminho para sair do farisaísmo. Ele desmascara aestranha e freqüente ilusão das pessoas piedosas e religiosas de se manterem asalvo da cólera de Deus, só por terem um conceito claro do bem e do mal,conhecerem a lei e, dada a ocasião, saberem aplicá-la aos outros, enquanto, noque se lhes toca, pensam que o privilégio de estar da parte de Deus ou, dequalquer modo, a “bondade” e a “paciência” de Deus, que bem conhecem, abrirãopara eles uma exceção.

 É como se, enquanto um pai estácensurando um dos filhos por uma transgressão qualquer, um outro filho,igualmente culpado, imaginasse provocar a simpatia do pai e eximir-se dacensura, simplesmente pondo-se também a ralhar o irmão em voz alta, enquanto opai esperava algo bem diferente, isto é, que, ouvindo-o censurar o irmão evendo a sua bondade e paciência para com ele, corresse a atirar-lhe aos pésconfessando-se também réu da mesma culpa e prometendo emendar-se: Ou desprezasa riqueza da sua bondade, da sua tolerância e da sua paciência, sem reconhecerque a bondade de Deus te impele à conversão? Tu, porém, com tua dureza e teucoração impenitente, acumulas cólera sobre ti para o dia da ira e da revelaçãodo justo juízo de Deus (Rm 2,4-5).

 “Não percebes que a bondade de Deuste está impelindo à conversão? Tu, com a tua dureza de coração, estásacumulando cólera sobre ti…!” Que terremoto, no dia em que te deres conta deque a palavra de Deus está falando assim precisamente para ti, e que aquele“tu” és tu mesmo! Sucede como quando um jurista está todo ocupado a analisaruma famosa sentença de condenação emitida no passado e que faz autoridade,quando, de improviso, observando melhor, percebe que tal sentença se aplicatambém a ele: de repente muda o seu estado de ânimo e o coração deixa de pulsarcom segurança. Aqui, a palavra de Deus está empenhada num legítimo tour deforce; ela deve inverter a situação daquele que a está tratando. Aqui, não háescapatória: forçoso é “desabar” e dizer como Davi: Pequei! (2Sm 12,13). Caso contrário,sobrevem-lhe um ulterior endurecimento de coração e a impenitênciacorrobora-se. Da escuta desta palavra de Paulo sai-se ou convertido ouempedernido.

 Mas qual é a acusação específica queo Apóstolo lança contra os “piedosos”? A — diz ele — de cometer “as mesmascoisas”? No sentido de “materialmente” as mesmas? Também isso (cf. Rm 2,21-24);mas sobretudo as mesmas coisas quanto à substância, que é a impiedade e aidolatria. Há uma idolatria larvada, que está de contínuo em ação no mundo. Sea idolatria é “adorar a obra das próprias mãos” (cf. Is 2,8; Os 14,4), seidolatria é “colocar a criatura em lugar do Criador”, eu sou idólatra quandocoloco a criatura — a minha criatura, a obra das minhas mãos — no lugar doCriador.

  A minha criatura pode ser a casa ou a igrejaque estou construindo, a família que educo, o filho que pus no mundo (quantasmães, mesmo cristãs, sem se dar conta, fazem do filho, especialmente se único,seu deus!); pode ser o trabalho que faço, a escola que dirijo, o livro que escrevo…Há além disso, o ídolo-mor que é o meu próprio “eu”. De fato, no fundo de todaa idolatria encontra-se a autolatria, o culto se si mesmo, o amor próprio, opôr-se no centro e no primeiro lugar do universo, sacrificando-lhe todo oresto. A “substância” é sempre a impiedade, o não glorificar a Deus, mas sempree só a si mesmo, o fazer servir até o bem, até o serviço que prestamos a Deus —mesmo a Deus! —, para o próprio êxito e a própria afirmação pessoal.

 De fato, se é verdade que tãofreqüentemente os que defendem os direitos do homem na realidade defendem ospróprios direitos, não é menos verdade que, mui freqüentemente, até os quedefendem os direitos de Deus e da Igreja fazem outro tanto, isto é, defendem,na verdade, a si mesmos e os próprios interesses, e é por isso que também hoje“o nome de Deus é blasfemado por nossa causa entre os pagãos” (Rm 2,24). Opecado que S. Paulo denuncia nos “judeus” ao longo de toda a carta épropriamente este: procurar uma justiça própria, uma glória própria e procurarobtê-la até da observância da lei de Deus.

 Talvez a esta altura, entrando em mimmesmo, esteja eu pronto a reconhecer a verdade, ou seja, que até agora vivi“para mim mesmo”, que também eu estou implicado, embora de modo e em graudiferente, no mistério da impiedade. O Espírito Santo me “convenceu de pecado”.Começa para mim o milagre sempre novo da conversão. Que fazer nesta situaçãodelicada? Abramos a Bíblia e entoemos também nós o “De profundis”: Dasprofundezas clamo a ti, Senhor (Sl 130). O “De profundis” não foi escrito paraos mortos, mas para os vivos; o “profundo” do qual o salmista eleva seu gritonão é, de per si, o do Purgatório, mas o do pecado: Se consideras as culpas,Senhor, quem poderá subsistir?

 Está escrito que Cristo “foi em espíritoanunciar a salvação também aos espíritos que aguardavam na prisão” (cf. 1Pd3,19) e um padre antigo comentava este fato dizendo: “Quando ouvires dizer queCristo, tendo descido ao Hades, libertou as almas que ali eram mantidasprisioneiras, não penses que estas coisas estejam muito distantes das que serealizam ainda hoje. Crê-me, o coração é um sepulcro” (Macário Egípcio, Delibert. mantis). Nós estamos agora espiritualmente na situação dos “espíritosencarcerados” que aguardavam no Hades a vinda do Salvador e que, nos ícones,são vistos estender as mãos desesperadamente para agarrar a destra de Cristoque vem, com a sua cruz, arrancá-los do cárcere. Elevemos também nós o grito doprofundo cárcere do nosso “eu”, em que somos mantidos prisioneiros.

 O salmo com que estamos rezando estátodo orvalhado de confiante esperança e expectativa: Eu espero no Senhor… Aminha alma espera pelo Senhor mais do que a sentinela pela aurora… Ele remiráIsrael de todas as suas culpas. Já sabemos que o socorro existe, que é umremédio para o nosso mal, porque “Deus nos ama” e por isso, embora sacudidospela palavra de Deus, permaneçamos serenos e digamos com confiança a Deus: Tunão abandonarás a minha vida na tumba, nem deixarás que o teu santo veja acorrupção (Sl 16,10).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *